Falta de ‘plano B’ põe em risco abastecimento de água do Rio

Bernardo Araujo e Emanuel Alencar
quinta-feira, 30 abril 2020 18:07
Reservatório de Ribeirão das Lajes, mantido pela Light em Piraí: água de “classe especial” também é usada para a Cedae abastecer a Região Metropolitana. Foto: Custodio Coimbra.

O Guandu era um riacho pequenino até 1952, quando uma portentosa obra de engenharia turbinou seu cotidiano para sempre. De riacho, passou a caminho de volumosas águas que abastecem 9,5 milhões de fluminenses — 73% da população de toda a Região Metropolitana do Rio. Após passar por um intricado sistema de barragens, elevatórias, dutos e usinas hidrelétricas, as águas que nascem no município de Areias, em São Paulo e formam o Paraíba do Sul, chegam ao Guandu, onde são captadas pela Cedae, já na Baixada Fluminense. É um caminho sinuoso, complexo, e sujeito a contratempos que impedem qualquer “plano B” emergencial. Em outras palavras, trata-se de um sistema desprovido de redundância.

“Se por alguma razão, a torneira do Paraíba do Sul se fechasse, estaria extinguida a possibilidade de vida na Região Metropolitana do Rio de Janeiro como nós a conhecemos”, diz Paulo Carneiro, pesquisador do Laboratório de Sistemas Avançados de Gestão da Produção (Sage/Coppe) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). “Não existe um plano B para o abastecimento. Os rios que cortam a Baía da Guanabara são rios de pequeno volume. Além disso, hoje são todos poluídos”.

São Gonçalo, Niterói, Itaboraí e a Ilha de Paquetá são abastecidos por outro sistema, o Imunana-Laranjal, irrigado pelos rios Guapi-Macacu, onde não há reservatórios. Ademais, esse sistema já está em estresse, posto que há mais demanda do que oferta. Há ainda pequenos mananciais que nascem nas serras de Gericinó-Mendanha, na Zona Oeste, que contribuem com uma pequena porção de moradores.

Sistema ‘não pode parar’, e isso implica riscos

O que preocupa no sistema Paraíba do Sul-Guandu não seria, é claro, eventual problema em uma “torneira”. Mas especificamente dois pontos mais sensíveis da estrutura de transposição do Paraíba do Sul gerido pela Light: um túnel que liga a elevatória de Santa Cecília, em Barra do Piraí, ao reservatório de Santana, e uma tubulação que liga o reservatório de Vigário à hidrelétrica Nilo Peçanha, em Piraí. É como se o Grande Rio fosse abastecido por uma enorme piscina, mas dotada de apenas único canudo para drenar todo o líquido.

Na sintonia entre quantidade e qualidade de água, Cedae e Light dividem responsabilidades. A primeira zela pelo abastecimento público, mas precisa contar com o sistema de geração de energia da segunda. As regras de operação são determinadas por resolução federal, sempre com prioridade para o abastecimento das cidades, mas o diálogo nem sempre é fácil.

Foto: Custodio Coimbra.

A falta de alternativas pode representar uma ameaça para a própria infraestrutura de transposição, lembra a professora Rosa Formiga, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e ex-diretora de Gestão das Águas e do Território do Instituto Estadual do Ambiente (Inea):

“Existe uma parte da infraestrutura da Light na qual a empresa não pode realizar manutenção por conta da impossibilidade de parar a transposição. Isso é gravíssimo”.

Em resumo, o sistema opera sempre no limite. O risco não é faltar energia – o sistema é interligado e não depende totalmente das hidrelétricas fluminenses -, mas secar as torneiras de 9,5 milhões de pessoas. Rosa lembra que inclusive o Conselho Estadual de Recursos Hídricos chegou a defender obras para garantir redundância no sistema (veja o documento, de dezembro de 2010), mas não houve avanços. A solução apontada seria construir uma tubulação ligando os reservatórios Vigário e Ponte Coberta, como alternativa ao caminho único que liga a represa de Vigário à hidrelétrica Nilo Peçanha. Essa tubulação, apurou ((o))eco, não sofre manutenção desde 1979. A ideia é simples: caso um falhe, o outro compensa.

A transposição das águas que abastecem o Grande Rio. Em destaque, pontos de gargalos: há apenas uma passagem das águas e falta redundância – e um túnel que ainda não saiu do papel (Túnel Bypass). Arte: Márcio Lázaro.

“Sugerimos que houvesse um rateio de custos entre Cedae, governo do estado do Rio e Light. Virou jogo de empurra-empurra por causa dos custos e ficou por isso mesmo”, lamenta. “O sistema de tratamento de água do Guandu é que eu conheço no Brasil que não paga pela operação de uma transposição. Uma transposição dessas é caríssima, e a Cedae e o governo do Rio não pagam nada por essa água que chega. Este dinheiro poderia ser usado para melhorar as condições ambientais das bacia do Guandu e de sua doadora de águas, a bacia do Paraíba do Sul”.

Há quem considere outras opções mais baratas e plausíveis. É o caso de Jerson Kelman, ex-presidente da Light.

“Se o problema de qualidade e quantidade do Guandu fosse responsabilidade de uma única companhia, teríamos uma solução simples: tratar os esgotos dos rios afluentes. É a solução de melhor custo-benefício”, comenta, numa referência à situação dramática do tratamento de esgotos da bacia do Guandu.

Outras grandes manchas urbanas, como a Grande São Paulo, são abastecidas por um conjunto de mananciais espalhados por suas regiões. Ainda que esta última metrópole tenha problemas passados e presentes, existe redundância em seu sistema de abastecimento.

Dez hidrelétricas pelo caminho

A gota d’água que chega às torneiras da capital e outras seis cidades da Baixada vem do Rio Paraíba do Sul desde o Vale do Paraíba paulista e passa por dez usinas geradoras de energia hidrelétrica, sete reservatórios que regularizam a vazão e duas elevatórias (que bombeiam a água morro acima). Para se ter uma ideia da viagem dessa gota d’água, a nascente dos rios Paraitinga e Paraibuna, formadores do Paraíba, está a 159 quilômetros do Centro do Rio, em linha reta: uma área rural do pacato município de Areias, nas proximidades do Parque Nacional da Serra da Bocaina, em São Paulo.

Com a crise hídrica do Sudeste de 2014/15, São Paulo passou a usar também as águas do Paraíba. Desde agosto de 2018, a capital paulista recebe ao menos 5,1 metros cúbicos por segundo da represa de Jaguari, a segunda barragem para regularizar a vazão do rio. Por ano, esse canudinho de São Paulo pode puxar do Paraíba até 162 milhões de metros cúbicos – numa conta simples, 177 piscinas olímpicas diárias cheias de água.

A dinâmica das águas que abastecem o Rio
M3/s %
Indústria 12,02 48%
Irrigação + criação animal 3,21 13%
Urbano 8,29 33%
Outros 1,48 6%
Fonte: Agência Nacional da Água (ANA)

Até a elevatória de Santa Cecília, em Barra do Piraí, a indústria responde pelo principal uso da água (48%), seguido pelas cidades (33%) e irrigação e criação animal (13%). A partir de Santa Cecília, há o desvio de até 160 metros cúbicos por segundo para o Ribeirão das Lajes e o Guandu. Outros 90 metros cúbicos por segundo seguem Paraíba do Sul, rumo ao mar de Atafona, em São João da Barra. Na transposição, depois de subir 300 metros, sob a força de bombas, as águas desviadas descem morro abaixo e passam por turbinas hidrelétricas. 

Na hidrelétrica Nilo Peçanha, há um encontro de águas: as transportas do Paraíba com as do reservatório de Ribeirão das Lajes. Lajes tem boa cobertura vegetal e uma água considerada “classe especial”, de excelente qualidade. O reservatório, com capacidade para 450 milhões de m3, foi construído por empresa canadense, em 1908. Uma calha leva parte da água de Lajes diretamente para o sistema da Cedae: são 5,5 metros cúbicos por segundo.

Os sistemas de abastecimento da Região Metropolitana. Arte: Rafael Ferreira.

Depois de descer rio abaixo, o reservatório de Ponte Coberta, a hidrelétrica Pereira Passos, no sopé da Serra das Araras, regulariza a vazão do Guandu a 120 m3/s – a Cedae, ainda mais abaixo, vai captar 37% deste volume na ETA Guandu. Há 68 anos Guandu é, portanto, a junção de águas de duas bacias diferentes: a do Piraí/Ribeirão das Lajes com as do Paraíba do Sul. Com 108 quilômetros de extensão e nascido no município de Paracambi, o Guandu deságua na baía de Sepetiba, já rebatizado de Canal de São Francisco.

O que diz a Light

((o))eco enviou cinco perguntas para a Light, por e-mail, no dia 25 de abril. No dia 28, a empresa informou, via assessoria de imprensa, que não “iria participar da reportagem”, após o envio das questões à diretoria.

Pai de Pezão ajudou a desobstruir hidrelétrica

Darcy de Souza (à esquerda) e amigo na usina Nilo Peçanha. Divulgação/Álbum de família.

Na noite de 22 de janeiro de 1967, um temporal de proporções bíblicas matou mais de 2 mil pessoas na região de Piraí, no Médio Paraíba, e mostrou que o sistema Light não está imune a contratempos que podem afetar o abastecimento de água do Grande Rio. Uma enxurrada de lama inundou a hidrelétrica Nilo Peçanha, operada pela Light, e exigiu uma força-tarefa para solucionar o problema. Na ocasião, um torneiro mecânico chamado Darcy de Souza reuniu amigos e nadou num líquido contaminado por ascarel, um fluido organoclorado de alta toxidade, para desobstruir a saída da usina, totalmente tomada por entulhos. Darcy, que faleceu aos 88 anos, em 2015, é pai do ex-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão.

“Papai entrou dentro da usina subterrânea e mergulhou no ascarel, enquanto as turbinas ainda giravam”, conta Pezão. “Ele trabalhou por 46 anos na Light, e mesmo tendo tido contato com esse contaminante, viveu bem”.

Em uma revista da Light, de 1987, a escritora Rachel de Queiroz chegou a ser ouvida para relatar o que testemunhou na enxurrada daquela fatídica noite. “Confesso que não encontro a palavra adequada para descrever o que aconteceu. (…) Catástrofe, cataclisma, dilúvio? Essas palavras dizem um pouco, mas não dizem tudo“, escreveu.

Por causa da tempestade, as hidrelétricas Nilo Peçanha, Fontes Nova e Pereira Passos ficaram desativadas, houve redução em 40% na distribuição de energia elétrica para o Grande Rio e faltou energia por 13 horas em bairros da Baixada. Na época, a dependência da capital do sistema Light era bem maior.

Esta é a última reportagem da série “Do esgoto ao copo – Especial Guandu”, que trouxe diversas faces dos desafios do abastecimento da Região Metropolitana do Rio.

 

 

Leia Também 

Lucro da Cedae em quatro meses pode cobrir restauração no Guandu por duas décadas

Menos de 2% dos esgotos na bacia que abastece o Grande Rio são tratados

Fiocruz atesta presença de cianobactérias potencialmente tóxicas no Guandu

 

 

 

1 comentário em “Falta de ‘plano B’ põe em risco abastecimento de água do Rio”

  1. Minha tese de doutorado (2010) discute estes e outros riscos ambientais associados a questão da água na metrópole fluminense. Importante ver que depois de uma década a questão que já existia, continua: a existência da metrópole depende desta transposição e não há alternativa rápida de solução. E o problema não são falhas técnicas no sistema de transposição, somente, mas envolve a própria qualidade da água do Paraíba do Sul e da segurança da qualidade da água (uma bacia hidrográfica que contém parte do principal parque industrial metal mecânico siderúrgico e químico do sudeste/Brasil).

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.