Notícias

Tribunal de Justiça de Rondônia declara inconstitucional extinção de 11 UCs

Em votação majoritária, o tribunal declarou ilegal os decretos legislativos que revogaram as 11 UCs, porém outra lei, também em xeque na justiça, ainda mantém a extinção

Duda Menegassi ·
9 de junho de 2021

Em sessão realizada nesta terça-feira (08), o Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia declarou ilegal os decretos que extinguiram 11 unidades de conservação do estado. Os juízes e desembargadores acolheram, em maioria, o entendimento da Ação Direta de Inconstitucionalidade sobre a lei nº 4.228, de 2017, e outros onze decretos legislativos que estabeleciam as extinções. A novela jurídica, entretanto, não acaba por aí, porque existe uma outra lei promulgada pelos deputados que repete a extinção dessas UCs, e contra a qual também há uma ação de inconstitucionalidade, porém ainda com o julgamento pendente.

A história começou com a lei nº 4.228, aprovada pela Assembleia de Legislativa de Rondônia, que instituía que a criação de reservas florestais no estado deveria ser feita, através de lei “devidamente deliberada pela assembleia”. Ou seja, na prática, a norma obrigava que qualquer criação de nova UC em Rondônia precisasse passar pelo legislativo e não pudesse ser feita pelo Executivo, de forma independente, como ocorre em outros estados e no âmbito federal, e conforme prevê a própria lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). Na época, foi apontado que os deputados teriam corrido com a aprovação desta lei ordinária, que ocorreu no dia 21 de dezembro de 2017, devido aos rumores de que o então governador de Rondônia, Confúcio Moura, estava prestes a criar novas UCs no estado.

De fato, em março do ano seguinte, o governador assinou – sem o crivo dos parlamentares – os decretos de criação de nove unidades de conservação e de regulamentação de outras duas que, somadas, protegeriam um território de cerca de 530 mil hectares. A reação dos deputados foi imediata, com a aprovação de decretos legislativos que revogaram as 11 áreas protegidas. A briga então foi para justiça.

As 11 unidades de conservação em jogo:

Área de Proteção Ambiental do Rio Pardo, no município de Porto Velho, com 113.850 hectares;
Floresta Estadual do Rio Pardo, no município de Porto Velho, com 30.815 hectares;
Estação Ecológica Umirizal, no município de Porto Velho, com 59.897 hectares;
Reserva de Fauna Pau D’Óleo, no município de São Francisco do Guaporé, com 10.463 hectares;
Parque Estadual Abaitará, no município de Pimenta Bueno, com 152 hectares;
Parque Estadual Ilha das Flores, no município de Alta Floresta D’Oeste, com 89.617 hectares;
Reserva de Desenvolvimento Sustentável Rio Machado, no município de Porto Velho, com 9.205 hectares;
Reserva de Desenvolvimento Sustentável Limoeiro, no município de São Francisco do Guaporé, com 18.837 hectares;
Reserva de Desenvolvimento Sustentável Serra Grande, no município de Costa Marques, com 23.180 hectares;
Reserva de Desenvolvimento Sustentável Bom Jardim, no município de Porto Velho, com 1.678 hectares;
Estação Ecológica Soldado da Borracha, nos municípios de Porto Velho e Cujubim, com 178.948 mil hectares.

Foi protocolada a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra os decretos legislativos e a lei que tirou a autonomia do governador de criar UCs, e quando as evidências apontaram que o parecer favorável à ilegalidade dos atos legislativos era uma questão de tempo, os parlamentares se movimentaram mais uma vez e aprovaram a Lei Complementar nº 999, no dia 15 de outubro de 2018, que extinguia novamente as 11 unidades de conservação.

E foi a vez do Ministério Público do Estado de Rondônia (MPE-RO) entrar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a lei. Esta ADI ainda está em tramitação, à espera de julgamento, no Tribunal de Justiça do Estado e, enquanto isso, a lei nº 999 segue válida, assim como as extinções.

Há outra pequena reviravolta nesta história, pois das 11 UCs, cinco foram criadas (de novo!) pela Lei nº 1.089/2021, sancionada em maio deste ano, como forma de “compensar” a desafetação de quase 220 mil hectares de outras duas unidades – a Reserva Extrativista Jaci-Paraná e o Parque Estadual Guajará-Mirim. No pacote, foram (re)criados os parques estaduais da Ilha das Flores (89.789 hectares) e Abaitará (152), a RDS Bom Jardim (1.678), a RDS Limoeiro (18.020) e a Reserva de Fauna Pau D’Óleo (10.463). A RDS Rio Machado também estava prevista no projeto que deu origem à lei (PLC nº 080), mas foi removida por emenda de autoria coletiva dos parlamentares e aprovada por unanimidade.

Houve pouca mudança nos limites propostos pela 1.089/2021 para as UCs, com uma redução de 817 hectares na RDS Limoeiro e um aumento de 172 hectares do Parque Estadual Ilha das Flores.

Como esta lei é posterior aos atos normativos sobre as extinções, a validade dela não é afetada pelo rumo das ADIs anteriores. As cinco áreas protegidas criadas pela lei nº 1.089 representam aproximadamente 120 mil hectares, o que corresponde a cerca de 22% do território total que seria protegido pelas 11 UCs criadas por decretos em 2018.

Inconstitucionalidade da redução de UCs avança

A Lei nº 1.089/2021, que determinou a redução da Reserva Extrativista Jaci-Paraná em quase 90% – de 191 para 22 mil hectares –, e do Parque Estadual Guajará-Mirim, que perdeu cerca de 50 mil hectares, foi sancionada no final de maio, após uma tramitação acelerada na Assembleia Legislativa. A aprovação foi duramente criticada por instituições socioambientais, pela falta de transparência e participação popular nos debates sobre o então projeto de lei (PLC nº 080).

LEIA MAIS: Governo de Rondônia aprova mutilação histórica de áreas protegidas no estado

Poucos dias após a sanção, o Ministério Público do Estado de Rondônia (MPE-RO) entrou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a lei e solicitou, como medida cautelar, a suspensão imediata das desafetações de ambas as UCs. A ação está protocolada junto ao Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO) e, na última quinta-feira (03), um despacho do desembargador José Jorge Ribeiro da Luz determinou que a causa será julgada pelo Tribunal Pleno, ou seja, será avaliada por todos os membros (juízes e desembargadores) que compõem o tribunal.

O relator não analisou o pedido de medida cautelar “por entender que a liminar deveria ser submetida ao colegiado, porém o trâmite para isso seria o tempo que corresponde ao julgamento do mérito da ação. Diante disso, o desembargador afirmou, no despacho, que levará para apreciação da Corte o seu voto do mérito da ação em definitivo”, explica a assessoria do TJRO.

A ADI não questiona os artigos sobre as criações das cinco UCs, apenas as desafetações.

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
23 de maio de 2018

Futuro de 11 unidades de conservação de Rondônia continua indefinido

Pedido de vista de desembargador do Tribunal de Justiça adia votação de liminar que liberaria a criação de áreas protegidas, suspensa por parlamentares

Reportagens
29 de março de 2018

Deputados revertem criação de unidades de conservação em Rondônia

Parlamentares estaduais sustaram, por unanimidade, a criação de onze áreas protegidas no estado. Governo pretende ir à Justiça para proteger as áreas

Notícias
5 de outubro de 2018

Organizações pedem veto ao projeto que acaba com 11 áreas protegidas em Rondônia

Mais de 60 organizações da sociedade civil protocolaram uma carta pedindo ao governador de Rondônia, Daniel Pereira, que vete proposta que extingue unidades de conservação

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta