Notícias

Prefeitura recorre e desembargador permite audiência pública sobre novo autódromo do Rio

Audiência pública virtual será feita nesta sexta-feira (07) e é uma das etapas obrigatórias para o recebimento da licença prévia. Empreendimento ameaça Floresta do Camboatá

Daniele Bragança ·
6 de agosto de 2020
Onde querem construir o novo autódromo do Rio. Foto: Jorge Lourenço.

A Prefeitura do Rio recorreu e conseguiu manter na Justiça a audiência pública virtual que decidirá sobre o futuro da Floresta do Camboatá, em Deodoro, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Na segunda-feira (03), a juíza Roseli Nalin, da 15ª Vara de Fazenda Pública havia suspendido a reunião. 

A audiência é uma das etapas obrigatórias para a obtenção da licença prévia do empreendimento, que irá desmatar 200 mil árvores de um dos últimos redutos de Mata Atlântica em terrenos planos na capital.

Em sua decisão, o desembargador Fabio Dutra afirma que a decisão anterior não se aplicava, e que o STF já havia decidido sobre a legalidade do uso de audiência pública virtual durante a pandemia. 

“Frise-se que o Novo Autódromo do Rio de Janeiro é projeto que tem o potencial de contribuir para o reaquecimento da economia municipal e estadual e o atraso no cronograma causado por paralisações desnecessárias do procedimento administrativo ambiental pode acarretar a perda de oportunidades de realização de eventos esportivos e culturais de grande benefício econômico, sendo necessária a observância do princípio do desenvolvimento sustentável, a fim de se resguardar a devida proteção e preservação da fauna e da flora afetadas sem que isso implique a inviabilização do empreendimento”, escreveu.

LEIA decisão na íntegra

O terreno onde querem construir o autódromo foi concedido pelo Exército Brasileiro à Prefeitura do Rio e é o único fragmento bem preservado acima de 100 hectares de mata de terras baixas na cidade do Rio. Segundo o Estudo de Impacto Ambiental (EIA), há quatro alternativas locacionais para a obra, que não precisaria desmatar uma área de 160 hectares. Em maio de 2019 a Rio Motopark venceu o certame para a construção do autódromo, que seria capaz de receber a Fórmula 1 a partir da temporada de 2021, após o término do atual contrato com São Paulo. O projeto prevê 14 meses de obras e um traçado de 5 quilômetros para provas de automobilismo e motociclismo. 

Floresta abriga uma rica avifauna. Foto: Gustavo Pedro.

 

Leia Também 

Autódromo: Justiça suspende audiência que iria decidir futuro da Floresta do Camboatá

Autódromo: consulta para derrubar a Floresta do Camboatá está marcada para o dia 7

No meio do caminho de um autódromo, há uma  floresta

 

  • Daniele Bragança

    Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
30 de junho de 2019

No meio do caminho de um autódromo, há uma  floresta

Jardim Botânico do Rio de Janeiro defende  manutenção de rara vegetação de Mata Atlântica em local reservado a uma pista de corrida

Salada Verde
30 de julho de 2020

Autódromo: consulta para derrubar a Floresta do Camboatá está marcada para o dia 7

Audiência pública virtual foi liberada pelo STF e terá apresentação do relatório de impacto ambiental. Etapa é exigência da legislação para o recebimento da licença prévia

Notícias
3 de agosto de 2020

Autódromo: Justiça suspende audiência que iria decidir futuro da Floresta do Camboatá

Ação popular questiona a existência do Conselho Estadual do Meio Ambiente do Rio, diz que o órgão é clandestino e seus atos, nulos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta