Ministro diz que DETER não serve para medir desmatamento e anuncia licitação de serviço

Daniele Bragança 
quinta-feira, 1 agosto 2019 7:04
Desmatamento em Rondônia visto pelo satélite Landsat. Imagem: Google Earth.

Após reunião com técnicos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e com o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, fez uma coletiva para informar que os dados do sistema de alerta de desmatamento feito pelo INPE, o Deter, não são adequados para mensurar desmatamento e que pouco ajuda na fiscalização do Ibama, por “excesso de falso positivo”. 

A criação do sistema de alertas usados na fiscalização é apontado pelos especialistas como um dos mecanismos que ajudou o Brasil a diminuir o desmatamento na Amazônia. Em 2012, o país chegou ao menor patamar alcançado, abaixo de 5 mil quilômetros quadrados. Agora o governo pretende licitar um sistema complementar para ajudar nesse serviço. 

“A avaliação que nós fazemos é que precisa ter um sistema melhor de fiscalização. Para isso nós vamos contratar um sistema de alta resolução, com uso diário e alerta de desmatamento, para complementar o trabalho que é feito pelo INPE”, disse. 

Perguntado quando sairá essa licitação, o ministro disse que “será lançado quando ficar pronto”. 

A ideia de usar parte do orçamento do Ibama para comprar imagens mais robustas não é nova. O ministro já havia anunciado em janeiro que gostaria de comprar um novo sistema, ao custo de 100 milhões de reais. Na época, Salles afirmou, erroneamente, que o INPE não conseguia afirmar se o desmatamento ocorreu em unidade de conservação, terra indígena ou área privada. Na ocasião, o instituto soltou nota corrigindo o ministro. 

Problema de interpretação

Para Ricardo Salles, o uso dos dados do Deter pela imprensa é que está incomodando o governo. 

“A coletiva foi para dizer que os percentuais de desmatamento divulgados na imprensa não estão corretos e não estão corretos não porque o INPE errou, mas porque quem os interpretou o fez de maneira equivocada. Seja por desconhecimento ou para criar impacto midiático na sociedade. Isso é uma irresponsabilidade”, disse. 

Os jornalistas tentaram então confirmar se houve aumento ou não do desmatamento. Salles desconversou, mas terminou afirmando que sim, após o seguinte diálogo: 

Jornalista: Está aumentando o desmatamento ou não?

Ministro: O desmatamento vem aumentando desde 2012.

Jornalista: Este ano, o desmatamento está aumentando?

Ministro: Vem aumentando de maneira conjunta desde 2012. 

Jornalista: Esse ano

Ministro: Tem aumento de desmatamento, o que nós precisamos agora é ver como atuar para coibir o aumento do desmatamento. Esta é a grande discussão.

Os jornalistas quiseram saber qual seria a taxa correta e o ministro disse que o governo só prestará atenção no Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), que mede o desmatamento anual na Amazônia e cuja prévia costumava sair em novembro, antes da COP do clima. 

Os dados do Deter, até quando era um sistema míope, que enxergava apenas polígonos acima de 25 hectares (hoje o DETER-B consegue enxergar polígonos acima de 3 ha), sempre foram usados para apontar tendências. Se o Deter sobe demasiadamente, no final do ano, os dados do Prodes, mais robustos, costumam confirmar o aumento. 

Dado público

Desmatamento ilegal na Terra Indígena Pirititi, Roraima. Foto: Felipe Werneck/Ibama.

Pelo Terra Brasilis, site mantido pelo INPE, é possível verificar que os alertas de desmatamento atingiram 920,4 km² em junho de 2019. Um aumento de 88% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Em julho os alertas foram piores e passou dos 1 mil km² na primeira quinzena. Em coletiva para jornalistas estrangeiros na manhã do dia 19/07, o presidente Jair Bolsonaro disse que era do “sentimento” do governo que o número divulgado “não condiz com a verdade” e afirmou que o presidente do INPE deveria estar “à serviço de alguma ONG”.

“O presidente Bolsonaro não entende que não somos nós que fornecemos os nossos dados para a imprensa. Os nossos alertas de desmatamento são fornecidos ao Ibama. Estão abertos para todo mundo, todo mundo pode verificar [a veracidade]”, explicou o diretor do Inpe, Ricardo Magnus Osório Galvão, ao rebater as críticas feitas por Bolsonaro sobre a veracidade dos dados coletados pelo Instituto. A declaração foi feita ao Estadão no dia seguinte da declaração de Bolsonaro. 

Na segunda-feira semana passada (22), presidente Jair Bolsonaro defendeu que dados do desmatamento na Amazônia sejam levados à sua apreciação entes de virem a público, para que ele não seja “pego de calças curtas”.

Salles terminou a coletiva dizendo que era preciso encarar a questão de como diminuir o desmatamento além da fiscalização e da política de comando e controle. O Ministério do Meio Ambiente já possui essa política, chama-se Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal (PPCDam), que está na sua 4ª fase (2016-2020). No entanto, a secretaria-executiva do plano foi extinta no revogaço que o governo promoveu em abril e não se sabe qual setor está tocando a pauta no Ministério. 

 

Leia Também 

Bolsonaro sugere que dados do desmatamento passem por ele antes de serem divulgados

Bolsonaro diz que diretor do INPE pode estar “a serviço de alguma ONG”

Após declarações de Ricardo Salles, INPE divulga as diferenças entre os sistemas de monitoramento

 

3 comentários em “Ministro diz que DETER não serve para medir desmatamento e anuncia licitação de serviço”

  1. O desmatamento na Amazônia aumentou e muito desde o inicio do ano, isso é fato. Posso falar sem medo de errar pq trabalho no IBAMA como agente de fiscalização e participo de no mínimo oito operações anuais e moro na região. Então sei o que estou dizendo. É inquietante ver pessoas como o presidente e principalmente esse ministro que só veio na Amazônia duas vezes, questionarem uma instituição como o INPE. O aumento do desmatamento é tão claro na região que em certos lugares, nós da fiscalização, nem precisamos do INPE pra encontrar derrubas, basta sair em campo.

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.