Notícias

Diretor da Fórmula 1 faz lobby por autódromo na Floresta do Camboatá

O diretor-executivo da F1, Chase Carey, enviou uma carta ao governador do Rio na qual menciona acordos pré-estabelecidos com a concessionária Rio Motorsports para sediar eventos na cidade

Duda Menegassi ·
6 de outubro de 2020
Chasey Carey, CEO da F1 durante reunião em 2019 com o então governador do Rio, Wilson Witzel, e o presidente Jair Bolsonaro. Foto: Carolina Antunes/PR

O plano de construir um autódromo em cima do um dos últimos fragmentos representativos de Mata Atlântica de terras baixas da cidade do Rio de Janeiro – a Floresta do Camboatá – ganhou personagem internacional. Em carta enviada ao ao governador do estado do Rio, Cláudio de Castro e Silva, o diretor-executivo da Fórmula 1, Chase Carey, faz lobby pelo autódromo e pela concessionária do empreendimento, a Rio Motorsports, com quem a F1 já teria fechado acordos de corrida para sediar, organizar e promover eventos da categoria no município. “Esses contratos estão prontos para execução e anúncio pela Fórmula 1 assim que todas as licenças necessárias forem emitidas pelas autoridades competentes”, indica Carey. O desmatamento de mais de 140 mil árvores para erguer um complexo automobilístico, entretanto, contraria o próprio compromisso assumido pela F1 de se tornar “mais sustentável” e neutralizar suas emissões de carbono.

A carta foi enviada em meados de setembro e veio a público nesta segunda-feira (05) pelo site Grande Prêmio, dedicado às notícias do automobilismo. No texto, Carey comenta ainda que o Brasil tem um lugar especial na história da F1 e fecha o texto com otimismo: “esperamos um futuro empolgante no Brasil” (Leia a carta aqui).

Em junho de 2019, Carey teve uma reunião com o hoje afastado governador do Rio, Wilson Witzel e com o presidente, Jair Bolsonaro. Na época, Bolsonaro declarou que como o contrato da F1 vence em São Paulo em 2020, “eles resolveram retornar a Fórmula 1 para o Rio de Janeiro”. E que Witzel e o prefeito, Marcelo Crivella, junto com o diretor-executivo, definiram que havia “praticamente 99% de chance, ou mais, de ter a Fórmula 1 a partir de 2021 no Rio de Janeiro”, apontou o presidente na ocasião, mesmo sem ter um autódromo operante na cidade.

Chasey em reunião em 2019 com o então governador do Rio, Wilson Witzel, e o presidente Jair Bolsonaro. Foto: Carolina Antunes/PR

A construção do autódromo em Deodoro aguarda a licença ambiental, que está nas mãos do Instituto Estadual do Ambiente (Inea). No início de agosto, um dos ritos para obter a licença prévia foi cumprido, com a realização de uma audiência pública virtual – que durou mais de 10 horas – para ouvir a sociedade e os atores envolvidos. Durante o evento, houve dezenas de manifestações contrárias ao empreendimento, tanto da sociedade quanto de organizações e do próprio Ministério Público Federal. E apenas duas favoráveis.

Apesar do discurso da concessionária e da empresa responsável pelo Estudo de Impacto Ambiental, se referir a Camboatá como um “mato degradado”, o local é o último remanescente em bom estado de Mata Atlântica de terras baixas no município e abriga inclusive espécies ameaçadas de extinção, como os peixes das nuvens.

Segundo Beto Mesquita, membro do Movimento SOS Camboatá, o apoio da F1 ao autódromo no Camboatá é incongruente com o compromisso feito pela categoria em se tornar “mais sustentável” e neutralizar as emissões líquidas de CO2 equivalente no esporte até 2030. (Veja a apresentação da Sustainability Strategy da F1 aqui).

“De acordo com estes números, as corridas em si são responsáveis por 8% do total de emissões da F1, o que equivale a 20.524 toneladas de CO2 equivalente. Isso significa que o desmatamento da Floresta do Camboatá, que armazena 80.000 toneladas de CO2 equivalente, equivale ao total de emissões das corridas durante 4 anos”, ressalta Beto.

A Floresta do Camboatá, em Deodoro, zona oeste do Rio de Janeiro. Foto: Marcio Isensee

Os dados sobre Camboatá são de um relatório sobre os serviços ecossistêmicos prestados pela floresta, produzido pelos pesquisadores Carlos Eduardo Young (UFRJ) e Maira Spanholi (UNEMAT). O documento calcula que a Floresta do Camboatá mantém o estoque de 80 mil toneladas de CO2, considerando apenas a biomassa acima do solo. O relatório também aponta o potencial econômico de transformar Camboatá em parque.

Há desde 2018 um projeto em tramitação na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), para anexar a Floresta do Camboatá ao Parque Estadual do Mendanha (Projeto de Lei nº 4438/2018), para garantir a proteção do remanescente de Mata Atlântica. Sob a ameaça do autódromo, o PL passou a ser discutido em regime de urgência.

Leia também

Defesa da Floresta do Camboatá une movimento ambientalista no Rio

Manifestação do público em audiência pública do autódromo do Rio começou meia noite

Galeria: As belezas da Floresta do Camboatá vista do alto

  • Duda Menegassi

    Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
21 de agosto de 2020

Galeria: As belezas da Floresta do Camboatá vista do alto

Nesta semana, ((o))eco esteve em Deodoro e fotografou, por cima, a Floresta que o empreendedor insiste em chamar de mato. Documentamos biodiversidade

Notícias
13 de agosto de 2020

Manifestação do público em audiência pública do autódromo do Rio começou meia noite

Audiência pública virtual demorou 5h para iniciar a participação do público e é marcada por omissões e respostas evasivas sobre questões técnicas 

Reportagens
17 de setembro de 2020

Defesa da Floresta do Camboatá une movimento ambientalista no Rio

Enquanto o processo de licitação do autódromo do Rio começa a aparecer nas páginas policiais, movimento em prol da floresta vira referência

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. AvatarPaulo diz:

    Simples.

    Diga Não. Agradecemos , abraços.