Salada Verde

Um terço das geleiras do Himalaia está condenado ao derretimento, diz estudo

Mesmo com medidas radicais para conter as emissões de co2 e o aquecimento global, o sumiço do gelo é certo. Perda poderá ir para dois terços se nada for feito

Sabrina Rodrigues ·
5 de fevereiro de 2019 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Cordilheira do Himalaia. Foto: Pixabay.

Um terço das geleiras do Himalaia poderá derreter até o ano de 2100, devido às emissões de CO2 e às mudanças climáticas, trazendo sérias consequências para quase dois bilhões de pessoas. Esse é o alerta do estudo The Hindu Kush Himalaya Assessment – Mountains, Climate Change, Sustainability and People — publicado na segunda-feira (04) pela revista científica Springer.

No relatório, os pesquisadores informam que mesmo que haja esforços radicais para reduzir as emissões de carbono e o aquecimento global em 1,5ºC, trinta e seis por cento das geleiras ao longo da cordilheira do Hindu Kush e do Himalaia (área conhecida como HKH) irão embora até 2100. Pior ficará se nada realmente for feito. No mesmo documento, os estudiosos alertam também que se as emissões não forem reduzidas, a perda aumentará para dois terços.

A região HKH vai do Afeganistão até Mianmar, no sul da Ásia, e é o terceiro pólo do planeta, abrigando mais gelo do que em qualquer lugar fora do Ártico e da Antártida. O HKH inclui também as duas montanhas mais altas do mundo, o Monte Everest e o Monte K2.

As geleiras exercem um papel fundamental para as 250 milhões de pessoas que vivem na região do Hindu Kush-Himalaya (HKH). Isso sem falar nas 1,65 bilhão de pessoas que dependem das águas das geleiras que deságuam em dez bacias hidrográficas, essenciais para a manutenção do consumo humano, de irrigação e energia de povos de parte do Afeganistão, Bangladesh, Butão, China, Índia, Mianmar, Nepal e Paquistão.

Segundo o estudo, entre os motivos para o derretimento das geleiras estão o aumento da poluição do ar e da temperatura. Os pesquisadores informam que caso as previsões do relatório se confirmem, as consequências para a região irão desde a diminuição do fornecimento de alimentos e água até o aumento de um deslocamento populacional em massa.

Saiba Mais

The Hindu Kush Himalaya Assessment – Mountains, Climate Change, Sustainability and People

 

Leia Também

60 abaixo de zero nos EUA. Cadê o aquecimento global?

Derretimento de geleiras no oeste da Antártica parece irreversível

Concentração de CO2 diminui nutrientes nos alimentos

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
28 de agosto de 2018

Concentração de CO2 diminui nutrientes nos alimentos

Cientistas da Universidade de Harvard publicaram estudo apontando que em 2050, a estimativa é que 175 milhões de pessoas fiquem deficientes em zinco e 122 mi, em proteínas

Notícias
13 de maio de 2014

Derretimento de geleiras no oeste da Antártica parece irreversível

Pesquisadores da NASA detectaram padrões de derretimento nesta região da Antártica que indicam ser impossível a reversão do processo.

Notícias
31 de janeiro de 2019

60 abaixo de zero nos EUA. Cadê o aquecimento global?

Bem aqui. Enquanto o vórtice polar gela os ossos dos moradores de Chicago, o Brasil e a Austrália tostam no verão mais quente e seco dos últimos anos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta