Salada Verde

Quase 2 mil espécies são incluídas na lista vermelha de espécies ameaçadas

Mudanças climáticas representam uma das principais ameaças para as espécies

Sabrina Rodrigues ·
11 de dezembro de 2019 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O tubarão-enfermeiro de cauda curta (Pseudoginglymostoma brevicaudatum) diminuiu cerca de 80% em 30 anos. Foto: UICN/Divulgação.

A União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) acaba de atualizar a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. A informação foi divulgada durante a Conferência do Clima da ONU (COP 25), realizada em Madri, na Espanha. A organização informa que 1.840 novas espécies foram incluídas no catálogo e que agora, existem 112.432 espécies na listagem.

As mudanças climáticas estão entre os fatores que contribuíram para o declínio de espécies. Uma das vítimas é um peixe de água doce da Austrália. A UICN informa que 58% dessa espécie são diretamente afetadas pelas mudanças do clima. Esses animais são altamente suscetíveis a secas extremas causadas pela diminuição das chuvas e o aumento da temperatura.

Nativo do Oceano Índico Ocidental, a população do tubarão-enfermeiro de cauda curta (Pseudoginglymostoma brevicaudatum) diminuiu cerca de 80% em 30 anos. O Pseudoginglymostoma brevicaudatum passou da categoria Vulnerável (VU) na Lista da UICN para Criticamente em Perigo (CR). Habitante das águas rasas, o tubarão- enfermeiro de cauda curta está perdendo o seu habitat devido à degradação dos recifes de coral causada em parte pelo aquecimento das águas do oceano.

A atenção também ficou voltada para o Papagaio Imperial (Amazona imperialis) – endêmico de florestas da Dominica, localizada no arquipélago das Pequenas Antilhas, no mar do Caribe. A frequência e a intensidade dos furacões promoveram o aumento da mortalidade dessas aves e a destruição dos seus habitats. Depois do furacão Maria, ocorrido em 2017, o mais forte registrado na região, estima-se que agora existam menos de 50 desses indivíduos na natureza.

Novos desafios para a preservação da biodiversidade

Para a diretora global do Grupo de Conservação da Biodiversidade da UICN, Jane Smart, esta atualização revela os impactos cada vez maiores das atividades humanas na vida selvagem e levará questões importantes para os próximos encontros sobre conservação e biodiversidade.

“O próximo ano será crítico para o futuro do planeta, com o Congresso Mundial de Conservação da UICN, em junho de 2020, um marco importante para definir a agenda de conservação necessária para lidar com a emergência das espécies antes das decisões tomadas pelos governos na Convenção da Biodiversidade, que acontecerá em Kunming, China, em outubro de 2020”, declara Jane Smart.

 

Leia Também

É ainda pior do que a IUCN imagina

Relatório da IUCN aponta caminhos para salvar peixe-serra

Papagaio-de-cara-roxa está fora da lista vermelha da IUCN

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Salada Verde
9 de janeiro de 2018

Papagaio-de-cara-roxa está fora da lista vermelha da IUCN

A ave endêmica da Mata atlântica passou de “Vulnerável” para “Quase Ameaçada” na lista internacional. Mudança foi feita no final do ano passado

Salada Verde
13 de junho de 2018

Relatório da IUCN aponta caminhos para salvar peixe-serra

União Internacional para Conservação da Natureza divulga documento destacando a situação do animal. Espécie está seriamente ameaçada em águas brasileiras

Notícias
9 de novembro de 2016

É ainda pior do que a IUCN imagina

Uso de tecnologias mais avançadas de sensoreamento remoto  indica que critérios da IUCN, embora objetivos e rigorosos, subestima número e os riscos para a conservação de espécies

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Paulo diz:

    Eta desgraça Humana.
    Vão fugir de suas responsabilidades de novo.