Salada Verde

Por helicópteros, Austrália lança alimentos para animais isolados

São cenouras e batatas-doces para não deixar que cangurus, coalas e gambás morram de fome. Incêndio atinge o país desde setembro

Sabrina Rodrigues ·
15 de janeiro de 2020 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Legumes chegam pelo ar para que os animais sobreviventes dos incêndios na Austrália se alimentem. Foto: Reprodução/Twitter.

Em meio a um dos piores incêndios da história da Austrália, autoridades do país estão alimentando os animais isolados pelas chamas com legumes que chegam via helicóptero. Desde sábado, já foram mais de 2 toneladas de legumes frescos lançados para alimentar cangurus, coalas, gambás.

O estado de Nova Gales do Sul, localizado na parte sudoeste do país, é uma das regiões mais atingidas pelas chamas. O National Parks and Wildlife Service (NPWS) – agência governamental de conservação – montou a “Operação Rock Wallaby” (wallaby é uma espécie de canguru de menor porte e estão entre as espécies mais afetadas pelos incêndios) para alimentar os animais. 

Através de helicópteros, as equipes do NPWS estão lançando cenouras e batata-doces para garantir a sobrevivência dos animais.

A operação foi divulgada pelo ministro australiano da Energia e do Meio Ambiente, Matt Kean, através da sua conta oficial no Twitter

Em entrevista ao canal de TV americana CNN, o ministro afirmou que os cangurus geralmente sobrevivem ao fogo, “mas ficam presos com número limitado de alimentos naturais, à medida que o fogo destrói a vegetação ao redor de seus habitats rochosos”.

Desde setembro do ano passado, a Austrália sofre com um incêndio de grandes proporções que já resultou na morte de 27 pessoas e em milhares de animais mortos. A estimativa mais conhecida, do professor Chris Dickman, da Universidade de Sydney, afirma que 1 bilhão de animais foram afetados pelos incêndios. Parte desses animais foram mortos e outra parte perdeu o habitat e comida disponível para as chamas. Os dados são baseados em um relatório feito em 2007 pela ONG WWF sobre o impacto do fogo no estado de Nova Gales do Sul. 

Para o combate às chamas, a Austrália conta com cerca de 3700 bombeiros, 3 mil reservistas das Forças Armadas, mais de 240 equipes de bombeiros vindas das Nova Zelândia, Estados Unidos e Canadá. 

Temperaturas superiores a 40ºC, chuvas escassas e um longo período de seca estão entre os fatores que podem ter provocado os incêndios que assolam o país há 4 meses.

Câmeras flagram os animais se alimentando dos legumes lançados. Veja

 

Leia Também

Fumaça de incêndios da Austrália chega ao Rio Grande do Sul

Governo boliviano denuncia queimadas na Amazônia

Clima tornará Amazônia duas vezes mais inflamável neste século

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
12 de janeiro de 2020

Clima tornará Amazônia duas vezes mais inflamável neste século

Estudo sugere que 16% da floresta queimará em 2050 e que incêndios emitirão mais carbono; zerar desmatamento atenua, mas não resolve problema

Reportagens
17 de dezembro de 2019

Governo boliviano denuncia queimadas na Amazônia

Após exílio de Evo Morales, a nova administração do país foi à Conferência do Clima (COP25) em Madri, para pedir recursos internacionais para recuperar florestas

Salada Verde
8 de janeiro de 2020

Fumaça de incêndios da Austrália chega ao Rio Grande do Sul

Divisão de Sensoriamento Remoto do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (DSR/Inpe) postou imagem de satélite que aponta a chegada da fumaça na tarde de terça-feira (08)

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta