Salada Verde

Justiça determina restituição de parte da madeira apreendida pela PF na Amazônia

Decisão da juíza Mara Elisa Andrade, da 7ª Vara Federal Ambiental, emitida nesta terça-feira (4) determina que parte da madeira e maquinários apreendidos pela Operação Handroanthus precisam ser devolvidos

Duda Menegassi ·
5 de maio de 2021
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

A Justiça Federal do Amazonas determinou, na terça-feira (04), a restituição de parte da carga de madeira e maquinários apreendidos pela Operação Handroanthus, da Polícia Federal, no Pará. A decisão atende a pedido feito pela Associação Comunitária da Gleba Curumucuri, uma das afetadas pela operação da PF que culminou na apreensão histórica de mais de 131 mil metros cúbicos em toras de madeira na divisa entre os estados do Pará e do Amazonas. A decisão da juíza diz respeito a restituição apenas da carga da associação. A PF pode entrar com recurso da decisão judicial.

A associação é formada por 52 comunidades e possui uma propriedade de imóvel rural de cerca de 106 mil hectares no Pará e afirma ter desenvolvido manejo florestal sustentável na área de Reserva Legal com licença ambiental concedida pelo órgão ambiental estadual.

A legalidade ou não da extração das madeiras é objeto de impasse entre a PF e as madeireiras desde o começo – com direito até mesmo à participação do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, em defesa das empresas – e resultou na exoneração do superintendente da PF do Amazonas e responsável pela ação, Alexandre Saraiva, que chegou a protocolar uma notícia-crime contra a posição de Salles no STF.

De acordo com a juíza Mara Elisa Andrade, da 7ª Vara Federal Ambiental e Agrária da Justiça Federal do Amazonas, as investigações contra a associação “ainda estão em fase incipiente, a evidenciar a fragilidade com a qual atos persecutórios ostensivos e restritivos de direitos e liberdades (tal com a apreensão de bens) teriam sido praticados; quando ainda incerta a constatação de crimes e a sua autoria (…) afinal, crime em flagrância e/ou fundadas razões são premissas (circunstâncias jurídicas anteriores) à prática do ato de apreensão penal” (leia a sentença na íntegra).

Em sua sentença, a juíza ressalta entretanto que “esta documentação não afasta a possibilidade de que sejam sim encontradas e confirmadas eventuais infrações ambientais, sejam estar de natureza administrativa ou criminal”.

*Foto em destaque: Polícia Federal/Divulgação

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
15 de abril de 2021

PF encaminha notícia-crime contra Salles por atrapalhar fiscalização ambiental

Chefe da Polícia Federal do Amazonas pede investigação das condutas do ministro Ricardo Salles, do senador Telmário Mota e do presidente do Ibama, Eduardo Bim

Notícias
15 de abril de 2021

Cai superintendente do Amazonas que pediu investigação contra Salles

Diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino, decidiu substituir Alexandre Saraiva, que encaminhou notícia-crime contra Salles por atuação em defesa das madeireiras alvo de operação

Reportagens
19 de novembro de 2020

É do Brasil a batata quente da madeira ilegal

Declarações presidenciais são cortina de fumaça sobre desmonte de órgãos e políticas ambientais e podem prejudicar negócios do país no futuro próximo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Carlos Magalhães diz:

    A decisão da sentença judicial comprova que não houve delito, e que o delegado da PF Saraiva não tem elementos para afirmar ilegalidades e agiu precipitadamente. A noticia crime feita por Saraiva é uma farsa.