Salada Verde

Ferramenta do MPF dá acesso a dados da qualidade água no Brasil

Com informações extraídas de sistema do Ministério da Saúde, o Água Boa para Beber informa sobre riscos de substâncias encontradas

Marcos Furtado ·
30 de março de 2021
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Imagem: Print/MPF

Com o objetivo de incentivar o aumento de práticas para a preservação do meio ambiente e para o cumprimento de direitos humanos, uma iniciativa do Ministério Público Federal lançou neste mês uma ferramenta que deixa público dados de inspeção da água no Brasil. 

Podendo ser acessada de computadores e dispositivos móveis, o Água Boa de Beber dá à população acesso a qualidade hídrica e aos possíveis perigos das substâncias encontradas no monitoramento.

O serviço é uma iniciativa do Projeto Conexão Água, da Câmara de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural do Ministério Público Federal (4CCR/NPF). As suas informações são extraídas do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (SISAGUA), do Ministério da Saúde, que agrupa resultados do trabalho de monitoramento realizado em todo país.

O usuário pode acessar com uma rápida pesquisa os dados de qualidade da água de diferentes regiões, estados e municípios. A ferramenta também apresenta informações sobre os riscos que as substâncias encontradas podem causar à saúde e à natureza, colaborando para a prática de governança social.

Leia Também

  • Marcos Furtado

    Escreveu para ((o))eco, Estadão, Folha de SP, Colabora. Ganhou o Prêmio Santander Jovem Jornalista e teve o 3º lugar em concurso do ICFJ

Leia também

Notícias
22 de março de 2021

Análise da qualidade da água reflete pequenas melhorias durante 1 ano de pandemia

Relatório sobre qualidade da água nas bacias hidrográficas da Mata Atlântica entre março de 2020 e fevereiro de 2021 revela tendência de melhoria em rios e córregos urbanos

Reportagens
15 de setembro de 2021

Escuta o xamã: Davi Kopenawa Yanomami envia mensagem para o povo da cidade

Liderança indígena faz apelo por mobilização contra a aprovação do marco temporal e do Projeto de Lei 490

Reportagens
15 de setembro de 2021

Restaurar pasto degradado custa 72% menos do que abrir novas áreas na Amazônia

Além de mais rentável, restauração pode evitar desmatamento de 1 milhão de hectares por ano até 2030, mostra estudo do projeto Amazônia 2030

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta