Reportagens

Treze novas cavernas são identificadas na APA da Escarpa Devoniana

O que chama atenção é que as cinco primeiras cavernas identificadas em Ponta Grossa foram reconhecidas por um estudo contratado por uma empresa interessada na mineração da área

Observatório de Justiça & Conservação ·
9 de maio de 2018 · 3 anos atrás
As novas descobertas comprovam o enorme potencial da área e a necessidade de manter a APA da Escarpa Devoniana minimante protegida. Foto: GUPE.

Em fevereiro de 2017, o Grupo de Pesquisas Espeleológicas (GUPE) anunciou a descoberta de dez novas cavernas em uma área de apenas um quilômetro da Escarpa Devoniana, o degrau topográfico de 260 quilômetros que separa o Primeiro do Segundo Planalto paranaense e dá nome à Área de Proteção Ambiental (APA) da Escarpa Devoniana. Agora, outras treze cavernas foram identificadas na região, o que comprova o enorme potencial para novas descobertas e a necessidade de manter a APA minimante protegida.

Seis das novas descobertas ficam no município de Ponta Grossa (Abismo Guabiroba I, Abismo Guabiroba II, Abismo Guabiroba III, Gruta Passo da Natureza, Abismo Passo da Natureza e Abrigo da Pamonha), uma em Balsa Nova (Sumidouro da Panelinha) e outras seis em Campo Largo (Fenda do Velloso I, Fenda do Velloso II, Gruta do Lagarto, Gruta da Lagartixa, Toca Dois e Gruta Crovadore).

O que chama atenção, mas também preocupa, segundo os pesquisadores do GUPE, é que as cinco primeiras cavernas identificadas em Ponta Grossa foram reconhecidas pelo Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) feito por uma consultoria contratada pela empresa Mineração Jundu, que tem interesses na exploração da área e pode, a qualquer momento, ter o licenciamento para a prática concedido pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP).

“As cavernas areníticas da APA da Escarpa Devoniana são locais pouco conhecidos, mas com os estudos que o GUPE realiza, é possível afirmar a alta biodiversidade e geodiversidade desses ambientes. O potencial total da APA é imensurável, por isso, todo e qualquer empreendimento, principalmente, envolvendo mineração e barragens, deve apresentar uma análise detalhada do potencial espeleológico, incluindo prospecção completa na área direta e indiretamente afetada. Mas essa necessidade tem sido ignorada e estudos não são realizados como deveriam”, afirma Henrique Pontes, geógrafo e membro do GUPE.

Gruta do Lagarto. Foto: GUPE.

Para Henrique, a sociedade precisa estar em alerta constante para que as diversas irregularidades existentes no estado do Paraná com relação à liberação de licenças ambientais, não se repitam nos casos em que envolvam o patrimônio espeleológico desenvolvido em rochas areníticas na APA da Escarpa Devoniana. “Com as frequentes novas descobertas, temos a certeza de que a APA da Escarpa Devoniana se tornará, em pouco tempo, uma das regiões com maior concentração de cavernas do Brasil. Por isso precisamos dar valor a este patrimônio e reconhecer a importância desses ambientes, considerados como bens da União, de acordo com nossa Constituição”.

A APA da Escarpa Devoniana é uma unidade de conservação de uso sustentável, o que significa que, nela, práticas conservacionistas e atividades produtivas precisam conviver em harmonia. É também a maior unidade de proteção do Sul do Brasil, mas está ameaçada pelo projeto de lei 527/2016, que prevê a redução de 70% de seu perímetro. Ele ainda pode ser votado pelos deputados da Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP-PR), apesar de tramitar com bem menos força e expressão na casa, em virtude da forte pressão popular que se posicionou contrariamente à ideia.

Projeto de lei que reduz a APA ainda pode ser votado

Em setembro do ano passado, o deputado Luiz Claudio Romanelli, na época líder do governo do Paraná na Assembleia Legislativa do Estado, retirou o apoio ao projeto de lei, do qual ele era um dos autores.

Assinava a proposta junto com os também deputados Plauto Miró e Ademar Traino, este último, presidente da ALEP-PR. Na ocasião, Romanelli disse ter ouvido “a voz das ruas e dos ambientalistas, e feito autocrítica”. “Sempre defendi o meio ambiente, e creio que a redução do perímetro não é a melhor alternativa. Nunca tive compromisso com o erro e por isso retiro a minha assinatura do PL”.

Gruta Crovadore. Foto: GUPE.

O deputado disse, ainda, que não só retirava o apoio, como trabalharia contra a aprovação e apelaria aos outros autores para que arquivassem a proposta, mas, até o momento, Traiano e Plauto não retiraram o projeto de pauta. Os deputados da casa, por outro lado, já sabem que a pressão popular para que a rejeição do projeto ocorra é grande.

Novo esforço busca aprovação da proposta

O mais recente esforço de interessados na aprovação do projeto de lei tem sido a busca pela realização de uma manobra a partir da criação de um novo Conselho Gestor da APA da Escarpa Devoniana.

Depois que o pedido para realização do estudo que embasou a proposta ter sido feito à Fundação ABC – entidade ligada ao agronegócio e com interesses claros na redução da APA – pelo presidente do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Luiz Tarcísio Mossato Pinto em nome do conselho gestor sem o conhecimento do grupo, agora, o IAP trabalha para indicar novos integrantes ao conselho. A maioria seria capaz de decidir pelo apoio ou rejeição da proposta de redução da área defendida pelo projeto de lei.

O que já soa bastante estranho, entretanto, é a aparente estratégia para dificultar a participação de entidades conservacionistas, como a Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS). Ela se candidatou para ocupar uma vaga no grupo, chegou a ter o pedido aceito, mas, pouco depois, teve a solicitação desconsiderada. Agora, o IAP afirma que será ele o responsável por eleger as instituições.

Ministério Público do Estado questiona composição do conselho

Aranha na Gruta do Lagarto. Foto: GUPE.

O critério utilizado pelo Instituto e a qualidade dessas escolhas, no entanto, já vem sendo questionado pelo Ministério Público do Paraná, que encaminhou, na segunda quinzena de março, um ofício ao IAP solicitando resposta à Recomendação Administrativa feita pelo órgão relativa à revisão da composição do conselho gestor.

A orientação exige que seja estabelecida uma divisão equilibrada entre os diferentes setores representados pelo grupo e foi motivada a partir da constatação de que a portaria do IAP (236/2013) estabelecia uma composição desequilibrada no Conselho, contemplando 78% de representação do setor privado e excluindo representantes de setores fundamentais para a gestão da APA. Diante da condição, o MPE recomendou a revogação da portaria e o estabelecimento de nova composição, contemplando representantes de entidades como a Fundação Cultural Palmares (instituição pública voltada à preservação dos quilombos), o Instituto de Terras, Cartografia e Geografia do Paraná (responsável pela certificação de autorreconhecimento dos faxinalenses) e as próprias comunidades tradicionais faxinalenses e quilombolas existentes na área.

 

Republicado do Observatório de Justiça e Conservação através de parceria de conteúdo.

 

Leia Também 

Estudo para mutilar a APA da Escarpa Devoniana não partiu do Conselho da área

APA da Escarpa Devoniana pode perder 70% de sua área

Ameaça à Escarpa Devoniana: mais que uma falta de bom senso

 

 

 

Leia também

Análises
12 de março de 2017

Ameaça à Escarpa Devoniana: mais que uma falta de bom senso

As iniciativas de turismo já existentes no entorno representam os primeiros passos de exploração econômica capazes de transformar essa região num polo de turismo de natureza tão relevante quanto Gramado, Urubici e Campos do Jordão

Análises
10 de janeiro de 2017

APA da Escarpa Devoniana pode perder 70% de sua área

Além do prejuízo ambiental, Projeto de Lei que pretende reduzir a unidade de conservação vai fazer despencar os recursos advindos do ICMS Ecológico

Reportagens
11 de agosto de 2017

Estudo para mutilar a APA da Escarpa Devoniana não partiu do Conselho da área

Solicitação foi feita pelo presidente do IAP, em nome do grupo, cujos membros afirmam não ter acordado coletivamente a necessidade do trabalho

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Moçato diz:

    Não é porque a mineradora pediu licença e "identificou" o patrimônio espeleológico local, que obrigatoriamente destruiria o mesmo. Pelo contrário, pode-se perfeitamente excluir do "processo degradador" a área ocupada pelas feições kársticas. Essa mentalidade tacanha de ecologista xiita é que desmoraliza o normativo ambiental.