Reportagens

Reforma tributária sustentável: o que é e como está a tramitação no Congresso Nacional

Ambientalistas apresentaram uma proposta de reforma tributária que tem como princípio a promoção da sustentabilidade

Erick Mota · André Phellipe ·
9 de setembro de 2020 · 1 anos atrás
Proposta de reforma tributária sustentável está em tramitação no Congresso. Foto: Agência Senado

A proposta da reforma tributária já tramita no Congresso Nacional há um bom tempo e, pensando nisso, ambientalistas de todo o país se reuniram e criaram sua própria proposta, chamada de reforma sustentável. Para eles, é preciso ter um sistema “tributário com regras simples e socialmente justas para que haja uma economia de baixas emissões de carbono e que isso gere novos empregos e bem-estar à população”.

Na proposta, lançada juntamente com a Frente Parlamentar Ambientalista do Congresso Nacional, foram apresentados nove pontos essenciais para construir uma reforma sustentável. A primeira visa assegurar que a atual reforma do Sistema Tributário Nacional esteja em concordância com princípios socioambientais e sustentáveis e com os dispositivos constitucionais já consagrados nesse sentido. Os princípios são: prevenção do poluidor-pagador e do protetor-recebedor. De acordo com o texto, essa conjuntura se daria pelo tratamento tributário diferenciado conforme o impacto ambiental e climático.

O segundo ponto proposto tem o objetivo de melhorar a governança climática e socioambiental. Os municípios que estimularem bons resultados em melhorias de saneamento, gestão de resíduos sólidos e adaptação às mudanças climáticas, aponta o texto, terão mecanismos de compensação e transferência financeira dos recursos captados pelo imposto sobre bens e serviços.

O terceiro item do texto destaca que é preciso incentivar, com a criação de um fundo, o desenvolvimento regional sustentável, o combate às desigualdades sociais, a integração nacional e investimentos em infraestruturas econômicas sustentáveis que beneficiem povos indígenas, populações tradicionais locais e pequenos microempreendedores e agricultores familiares.

Frente Parlamentar Ambientalista está a frente do projeto. Foto: Bruno Taitson/WWF-Brasil

A quarta proposta dos ambientalistas é adaptar o atual Imposto Territorial Rural (ITR) conferindo a ele a função arrecadatória para os municípios e além disso, instituir a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE) do uso do solo, com função extrafiscal para desestimular o uso improdutivo e insustentável do solo rural.

O quinto item proposto tem o objetivo de transformar a CIDE-combustíveis em CIDE-carbono para melhorar a efetividade, amplitude e incidência para combater a emissão de poluentes e assegurar estabilidade climática e defesa do meio ambiente, em atenção ao inciso VI do artigo 170 (sobre a livre concorrência) e o artigo 225 da Constituição.

O sexto ponto indica a necessidade de aprimorar a proposta do Imposto Seletivo Federal, explicitando a incidência sobre externalidades ambientais. A proposta é que, com isso, a lei que regulamentar o imposto possa garantir sua incidência seletiva sobre produtos e serviços que prejudiquem o clima, a saúde e o bem-estar da população.
Em sétimo lugar, o texto pontua a existência de um tratamento diferenciado para produtores e prestadores de serviços que contribuem para o clima e a sustentabilidade. Isso se daria mediante a devolução parcial do imposto sobre bens e serviços, como uma forma de incentivo para preservação do meio ambiente.

Para complementar essa ação, a oitava recomendação planeja cortar a concessão de benefícios fiscais e subsídios às atividades altamente emissoras de carbono no Brasil, ou seja, aqueles que exercem ações intensamente poluentes. O último ponto propõe que sejam estabelecidos prazos diferentes e incentivos a setores que respeitam políticas florestais, climáticas e socioambientais nacionais e internacionais.

Para entender melhor esses pontos, ((o))eco procurou André Lima, advogado ambientalista e coordenador do programa Radar Clima e Sustentabilidade do Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS), que foi um dos responsáveis pela articulação da reforma tributária sustentável. A entrevista você pode conferir a seguir.

((o))eco: O parlamento diante de uma proposta de reforma tributária e, até a apresentação da proposta da sociedade civil, estava ignorando o aspecto ambiental da equação. O que falta para o parlamento entender a importância de pensar um futuro de forma sustentável?

André Lima: Hoje o parlamento tem feito um bom bloqueio a propostas muito adversas à sustentabilidade. Eu sinto que, apesar de tudo, a gente tem conseguido resistir. Por mais que haja consenso da questão climática, isso ainda não é prioridade da grande maioria dos políticos, têm uns que atuam na área educacional, saúde, segurança pública, direitos humanos e acho que isso faz parte do processo de evolução da própria democracia brasileira. Acho que agora é uma boa oportunidade da gente começar a discutir essa economia verde e essa sustentabilidade.

Como a proposta de reforma tributária sustentável foi recebida?

Estamos promovendo esse debate e alguns parlamentares já estão se interessando pela proposta. Também estamos realizando reuniões com assessores dos deputados para que eles possam conhecer mais a proposta e estamos ampliando o debate para outros grupos, saindo desse aquário ambiental, mas está sendo bem recebida, com algumas dúvidas, mas estamos buscando esclarecê-las.

De que maneira a tributação pode ser utilizada para promover um futuro sustentável?

A primeira é tributando mais quem polui mais e, por outro lado, é tributar menos quem é mais sustentável. Com o que arrecada é investir mais em sustentabilidade, como por exemplo, um fundo de desenvolvimento regional sustentável e oferecimento de subsídios de créditos ligados a atividades da economia verde.

Como funcionaria a taxação de carbono?

Ela tem que ser desenvolvida gradualmente, não dá para sair tributando tudo porque tem uma série de atividades que precisam de estudos de impacto dessa taxação. Mas a princípio dos combustíveis, essa já é viável, basta uma adaptação da CIDE-combustíveis para uma CIDE-carbono, que precisa calibrar a taxa e aí precisa de análise, mas isso pode ser cobrado no preço do litro da gasolina ou do diesel.

Quais são os principais entraves que a proposta tem enfrentado?

São mais dos órgãos políticos, pois precisam ver se a reforma vai ser ampla mesmo ou se vai ficar restrita ou limitada a poucos tributos e sem grandes ousadias. Se for uma reforma mesmo, a gente avalia que é possível emplacar não necessariamente todas as proposta, mas algumas. Mas o maior obstáculo mesmo é saber se vai ser uma reforma ampla ou restrita e se teremos tempo para dar visibilidade a proposta.

Quais pontos estão mais propensos de avançar?

Eu creio que aquelas questões mais gerais, como a taxação da poluição, terão mais facilidade para aprovar. Agora a questão da taxação de agrotóxicos e da propriedade rural, sabemos que são mais difíceis de passar.

Qual impacto financeiro que essa proposta deve gerar aos cofres públicos?

Um tributo sobre carbono, por exemplo, pode chegar a arrecadar até de R$ 50 bilhões por ano e isso poderia reduzir a tributação de outros, como o próprio IBS. Alguns dados que estamos analisando, demonstram que com a proposta do IBS ecológico, pode-se distribuir, em 10 anos, algo em torno de R$ 50 bilhões aos municípios.

*André Phelipe e Erick Mota, da Agência Regra dos Terços, especial para ((o))eco

Leia também

Proposições de economia verde para sair da crise

“Tem que achatar a curva da crise climática e é um Everest”, alerta Sérgio Besserman

Muito discurso, pouca prática: empresas “verdes” financiam indústria da carne na Amazônia

Leia também

Reportagens
17 de maio de 2020

Muito discurso, pouca prática: empresas “verdes” financiam indústria da carne na Amazônia

Adesão a princípios de investimento responsável cresce no Brasil e no mundo, mas signatários de acordos internacionais seguem apoiando setor mais vinculado ao desmatamento da floresta

Reportagens
29 de abril de 2020

“Tem que achatar a curva da crise climática e é um Everest”, alerta Sérgio Besserman

Em entrevista a ((o))eco, o economista diz que uma economia de baixo carbono não se tornará realidade se não for feita de forma global

Colunas
10 de junho de 2020

Proposições de economia verde para sair da crise

Atividades intensivas em conhecimento e baixo impacto ambiental devem ganhar espaço em detrimento dos setores intensivos em recursos naturais, energia e emissão de poluentes

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta