Medidas de isolamento aumentam a quantidade de lixo doméstico e hospitalar

Sandrah Guimarães, do Observatório de Justiça & Conservação
quinta-feira, 21 maio 2020 19:01
As medidas de quarentena e isolamento social geraram no país um aumento de 15% a 25% na quantidade lixo residencial e, para os resíduos hospitalares, o cálculo é de um crescimento de 10 a 20 vezes. Descarte correto é fundamental. Crédito: Alamy Stock Photo.

Durante o período de quarentena imposto por autoridades de saúde globais para controle da pandemia do coronavírus (Covid-19), a população deve reforçar os cuidados com o descarte dos resíduos. O isolamento social e a prática do trabalho em casa aumentaram o volume de lixo produzido nas casas. A Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), estima que as medidas de quarentena e isolamento social geraram no país um aumento de 15% a 25% na quantidade lixo residencial. Já para os resíduos hospitalares, o cálculo é de um crescimento de 10 a 20 vezes.

Mesmo com a interrupção dos trabalhos em grande parte dos setores, a coleta de resíduos entrou na lista dos serviços considerados “essenciais” e que, portanto, não podem parar, por vários motivos, mas, principalmente, pela importância em relação à proteção do meio ambiente e da saúde humana, mesmo durante processos epidêmicos.

“Por conta desse caráter de essencialidade, é indispensável assegurar que tais serviços sejam diariamente executados, porque eles contribuem para auxiliar na prevenção da transmissão do coronavírus, bem como de outras doenças e endemias decorrentes de acúmulo e má gestão de resíduos. Se não houver trabalho efetivo nessa área, a imunidade e a saúde das pessoas ficariam comprometidas, o que seria um agravante bem sério diante do quadro atual”, observa Carlos Silva Filho, diretor-presidente da Abrelpe.

Em relação aos trabalhadores, a Abrelpe recomendou o afastamento das atividades dos empregados que integram grupos de risco (idosos, portadores de doenças crônicas, grávidas e lactantes, por exemplo), o uso e a higienização constantes dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), além de orientações frequentes para que os funcionários evitem de tocar olhos, nariz e boca antes de sempre higienizar muito bem as mãos.

No Paraná, a Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo estima que a produção do lixo residencial dobrou nas últimas semanas. Segundo o engenheiro e coordenador de Projetos Sustentáveis, Charles Carneiro, os restaurantes e comércio em geral pararam de funcionar, mas as pessoas estão produzindo mais lixo em casa. Parece ser uma transferência simples de local. Porém, a situação é mais complexa.

“O agravante desse cenário é que esses setores compram no atacado e a aquisição da sociedade civil é no varejo. As pessoas em casa geram, portanto, muito mais material de acondicionamento de produtos, assim como sobras e aquilo que não é aproveitável para o consumo, aumentando, com isso, ainda mais o volume de lixo”, explicou o secretário Márcio Nunes.

Edélcio Marques dos Reis, diretor de limpeza pública de Curitiba, afirma que não houve aumento na produção de resíduos na capital paranaense, devido a um equilíbrio que ocorreu com a paralisação da atividade de bares, restaurantes, empresas e a presença menor de moradores da Região Metropolitana circulando na cidade.

“Talvez a resposta esteja aí. As pessoas estão em casa, estão gerando um pouco mais de resíduo, mas, em compensação, milhares de pessoas deixaram de vir diariamente à cidade, que são moradores da Região Metropolitana da cidade. Essas pessoas ficam nos municípios de origem e deixam de gerar lixo na capital”, avalia.

Curitiba gera, em média, 1,6 toneladas de resíduos domésticos por dia, de acordo com a média do ano de 2019. Nos primeiros meses de 2020, essa média se manteve e houve até uma pequena redução em março, para 1.585 quilos por dia.

Quanto aos resíduos recicláveis, a coleta pública cresceu. De 1.600 a 1.700 toneladas por mês e o total passou para o volume de duas mil toneladas. Mas isso não significa que a população esteja separando mais, mas sim, que existem menos coletores informais transitando pelas ruas.

Descarte em larga escala de máscaras de proteção contamina oceanos

Algumas das muitas máscaras cirúrgicas achadas na praia das Ilhas Soko. Crédito: OceansAsia

Em alguns pontos do mundo, a pandemia pelo Covid-19 gerou contaminações tão inéditas quanto preocupantes. O alerta é de ambientalistas da ONG OceansAsia, que denunciaram o impacto desse novo tipo de lixo nas Ilhas Soko, na costa sudoeste de Hong Kong.

A equipe da OceansAsia realiza vários projetos de pesquisa sobre poluição plástica e, duas vezes por mês, visita as ilhas para realizar análises de microplásticos e do acúmulo de lixo na praia, procurando pistas da origem dos detritos. Também em conjunto com a WWF, a pesquisa monitora a superfície do oceano com drones. No início da epidemia, já foram vistas máscaras no ambiente marinho e, com o agravamento do problema, elas foram vistas ao longo da linha da maré alta e do litoral, à deriva nas correntes, chegando até a costa.

O município está fazendo um tipo de quarentena com o lixo coletado que é enviado às associações de catadores parceiras. Unidades que têm espaço nos barracões recebem o material em um ponto do depósito, onde ele fica por, no mínimo, por 24 horas. Só depois desse tempo é que o material vai para triagem e para venda. Para o diretor de limpeza pública, Edélcio Marques dos Reis esse é o protocolo adequado para que se evite a propagação do coronavírus e se garanta mais segurança para a saúde dessas pessoas que prestam um trabalho fundamental para o meio ambiente.

“Também vivemos um momento de epidemia de dengue. É muito importante para quem está em casa, até para ocupar o tempo, que faça a limpeza do quintal, desentulhe e desapegue das coisas sem uso. Se for material reciclável, as pessoas podem apresentá-los para a coleta seletiva. Se for orgânico, entregar para o caminhão da coleta. Jamais jogue o lixo em terreno baldio, nos cantos das ruas ou na beira dos rios.”

Iniciativas privadas também perceberam alteração na geração de lixo doméstico. A startup Composta+ coleta sobras orgânicas em mais de duzentas casas e em mais de cem empresas para fazer compostagem e fabricação de adubo e fertilizantes orgânicos. Em épocas normais, a empresa coletava uma média de 45 toneladas por mês. Após a quarentena iniciar, a quantidade de lixo orgânico gerada nas casas aumentou 26%.

A humanidade precisa repensar o consumo de plástico e o descarte do lixo. Essa imagem nos faz lembrar a urgência de medidas responsáveis, para que não se tornem tão frequentes como hoje. Créditos: Projeto Tamar.

A startup viu neste momento uma oportunidade de negócio e, para as pessoas, uma chance de construir hábitos sustentáveis e saudáveis. A empresa até lançou promoções, com uma isenção no 1°mês, para conseguir mais clientes dispostos a separar os resíduos para compostagem. O serviço funciona por assinatura. A empresa leva os baldinhos até os locais e passa uma vez por semana recolhendo os orgânicos gerados. O custo mensal inicial para residência é de R$55 por mês.

“Mesmo com esse momento difícil, queremos compostar o máximo que a gente puder, pois essa é a nossa forma de ajudar a sociedade a enfrentar esse desafio. Queremos levar essa experiência para mais pessoas e famílias, para que possamos gerar esse impacto positivo no mundo – junto com a entrega de mudas e adubo, revivendo momentos como o de cultivo de uma mudinha, até para dar uma desestressada”, diz Igor Gonçalves Oliveira, representante da Composta.

Como jogar fora?
O descarte de máscaras e outros resíduos hospitalares precisam seguir orientações bem específicas e seguem as normas vigentes. Nas unidades de saúde e hospitais, devem ser acondicionados em sacos vermelhos identificados pelo símbolo de substância infectante. Esses sacos possuem coleta e transporte especializados para Resíduos de Serviços de Saúde (RSS) e são submetidos a processos licenciados de tratamento, antes de sua disposição final. No caso do uso de máscaras e luvas pela população, o descarte deve ser feito no lixo comum, nunca no reciclável.

Confira a seguir algumas informações importantes sobre como lidar com os resíduos durante a pandemia. O trabalho dos coletores é essencial e precisa de garantias de segurança. Buscar assegurar isso também é responsabilidade nossa.

Foto: Pixabay.

VEJA ORIENTAÇÕES SOBRE O DESCARTE DO LIXO DURANTE A PANDEMIA

Se você teve confirmação POSITIVA para COVID-19 ou está em quarentena obrigatória:
• Pare de separar o lixo doméstico;
• Todos os resíduos gerados na residência devem ser descartados no lixo comum;
• Use dois sacos plásticos resistentes (um dentro do outro) para descartar seus resíduos e certifique de que ambos estão devidamente fechados;
• Só coloque os sacos para coleta nos dias e horários determinados em sua cidade;
• Animais de estimação não devem ter contatos com os materiais descartados.

Se você NÃO teve confirmação POSITIVA para COVID-19:
• Continue fazendo a coleta seletiva como você faz até agora;
• Se usou máscaras e luvas, descarte-as no lixo comum;
• Coloque seus resíduos de forma adequada para que os trabalhadores da limpeza urbana não tenham contato com nenhum material descartado;
• Apresente os sacos para coleta nos dias e horários determinados em sua cidade. .

 

 

Saiba Mais

Jornal Justiça & Conservação – Quarta Edição.

Leia Também 

Sucata ferrosa: uma alternativa à mineração negligenciada pelo governo

Plástico, como seria bom voltar no tempo e desinventá-lo

Reduzir, reutilizar e reciclar: as regras do empreendedorismo verde

 

 

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.