Reportagens

Maior banco suíço volta ao Brasil e coloca em risco compromisso ambiental

O maior banco suíço, o UBS, quer fazer negócios com empresas de carne, soja e agrotóxicos no Brasil, mas sem abrir mão da responsabilidade ambiental. A realidade, no entanto, mostra que não é tão fácil separar o agronegócio sustentável daquele associado ao desmatamento

Fernanda Wenzel · Olivier Christe ·
16 de maio de 2021

O UBS, maior banco da Suíça e que diz “se esforçar para estar na vanguarda da sustentabilidade”, voltou ao Brasil no final do ano passado através de uma parceria com o BB Investimentos, uma subsidiária do Banco do Brasil. A joint venture, como este tipo de acordo é chamado, recebeu o nome de UBS BB Investment Bank e ambiciona tornar-se um dos maiores bancos de investimento da América do Sul. 

Segundo Sylvia Coutinho, a idealizadora e vice-presidente da joint venture, o foco é no agronegócio. Em entrevista em dezembro do ano passado, ela disse que o UBS quer apoiar as transações financeiras de grandes empresas de carne e soja e administrar o patrimônio dos donos destas corporações. 

Para isso, o UBS filiou-se à Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG), que inclui empresas como a processadora de carne JBS e a comerciante de grãos Cargill, ambas acusadas de colaborarem com o desmatamento da Amazônia em diversos relatórios internacionais

Coutinho acredita que é possível fazer negócio com o agro brasileiro sem envolver-se com problemas ambientais. Ela argumenta que há como separar o agro “esclarecido” – que entende que é preciso preservar a floresta – daquele associado ao desmatamento. 

A complexidade dos atores e das próprias cadeias produtivas, no entanto, indicam que esta tarefa não é tão simples. 

O Brasil é o segundo maior produtor de carne bovina do mundo e o maior produtor mundial de soja – grão que ocupa uma área equivalente a nove suíças. Um quarto do PIB brasileiro vem do agronegócio, que cresceu 24% no ano passado, a despeito da pandemia.

Não é à toa que o UBS está interessado neste setor. 

Mas o agronegócio brasileiro tem várias facetas. Há um agro altamente tecnológico, voltado para o mercado externo e cujas boas práticas são atestadas por certificadoras internacionais. Mas há também o agro que opera no arco do desmatamento e à revelia da legislação ambiental. 

Alguns representantes do agronegócio inclusive falam abertamente que a floresta é um empecilho ao desenvolvimento. É o caso de Assuero Doca Veronez, presidente da Federação de Agricultura do Acre. “O Acre tem as melhores terras do Brasil. Só que esta terra tem um problema, uma floresta em cima”, disse ele ao ((o))eco em 2020.

Os negócios do UBS no Brasil

Gado no município de São Félix do Xingu, Pará. Foto: Marcio Isensee e Sá.

Com a joint venture, o UBS passa a ter acesso à extensa carteira de clientes do Banco do Brasil – o maior financiador mundial do agronegócio, segundo a Forest and Finance. Um dos mais antigos clientes do banco, por exemplo, é a JBS, a maior processadora de carne do mundo. Outro é a Bunge, o segundo maior exportador do agro brasileiro e um dos maiores produtores de soja do país. A base de clientes do novo parceiro do UBS inclui ainda uma série de empresas menores de agronegócio, várias das quais estão comprovadamente envolvidas com a derrubada da mata nativa. 

O UBS alega adotar rígidos critérios de exclusão para barrar de seu rol de clientes empresas que não conseguirem provar que estão livres de desmatamento, mas estes critérios não são tão rigorosos assim. 

O principal requisito para os produtores de soja com quem o UBS faz negócios, por exemplo, é ser membro do Round Table on Responsible Soy (RTRS). Entre os membros do RTRS, estão empresas como Cargill, Bunge, e Cofco, que estiveram envolvidas diversas vezes com a derrubada de florestas e foram classificadas nas três últimas posições em um ranking recente da Mighty Earth, que avaliou o impacto da soja sobre o desmatamento.

Quando o assunto é pecuária – o maior vetor de destruição na Amazônia – os critérios de exclusão do UBS são ainda mais frágeis. Em um levantamento da rede “Forest 500”, que avaliou a qualidade destes critérios, o UBS obteve 19 pontos de um total de 64. Para os critérios aplicados à soja, a pontuação foi 33. 

Desde que foi criado, há seis meses, o UBS BB Investment Bank atuou, por exemplo, na captação de recursos para o Grupo Scheffer – um dos maiores produtores de soja do Brasil e que também se destaca na criação de gado. Segundo relatório da Mighty Earth, a empresa já esteve envolvida com desmatamento no Mato Grosso. A associação com derrubadas ilegais também foi citada como um dos riscos envolvidos na operação de captação de recursos da empresa operacionalizada pelo UBS – o documento, destinado a possíveis investidores, menciona um auto de infração por desmatamento ilegal em 2019.

A empresa pertence às famílias Maggi e Scheffer, que também são donas de parte do Grupo Bom Futuro, maior produtor de soja do mundo. As duas empresas, que são entidades jurídicas separadas e comandadas por sócios diferentes da mesma família, somam mais de 8.000 km² de terras – o equivalente a mais de cinco cidades de São Paulo. 

Dois proprietários do Grupo Bom Futuro – os irmãos Elusmar e Erai Maggi Scheffer – são investigados por suspeita de terem comprado soja de Antônio José Junqueira Vilela Filho. Segundo o Ministério Público Federal, Vilela Filho “possui uma extensa ficha de autuações ambientais” e foi apontado como “responsável pelo desmatamento de mais de trinta mil hectares” no Pará,  entre 2012 e 2015. O processo envolvendo os irmãos tramita em segredo de justiça na Justiça Federal do Mato Grosso. 

O Grupo Bom Futuro também enfrenta problemas ambientais na sua cadeia de fornecimento de gado. No ano passado, um fazendeiro apontado como fornecedor da empresa estava entre os suspeitos de promoverem incêndios no Pantanal, que teve 30% de sua área varrida pelo fogo.

Queimada consumiu quase 30% do Pantanal em 2020, no maior incêndio do século no bioma. Foto: Ernani Júnior/Instituto Homem Pantaneiro

Para evitarem a compra de animais de áreas desmatadas ilegalmente, empresas como Scheffer e Bom Futuro precisam monitorar suas cadeias de fornecimento. Mas isso é complicado. Tão complicado que, alguns anos atrás, o Procurador da República Daniel Azeredo disse que “nenhuma empresa que compra da Amazônia pode dizer que não tem gado vindo de desmatamento em sua atividade produtiva”. O Procurador foi quem articulou a criação do TAC da Carne, acordo firmado em 2009 no qual os frigoríficos se comprometem a eliminar o desmatamento de suas cadeias de fornecimento. 

Pressionados, os grandes frigoríficos implementaram sistemas de rastreamento para verificar a conformidade ambiental das propriedades de onde elas compram o boi. Mas este monitoramento tem um ponto cego: os fornecedores indiretos. Antes de o animal chegar nos abatedouros, ele passa por até dez diferentes fazendas – mas apenas a última é verificada. 

É por isso que é tão difícil separar o agronegócio sustentável daquele associado ao desmatamento. Se o UBS realmente quiser ficar longe dos crimes ambientais, vai ter que inspecionar empresas como Scheffer e Bom Futuro de maneira particularmente cuidadosa – o que por enquanto não se verifica. O Grupo Scheffer não é membro do RTRS nem de nenhuma das certificadoras mencionadas nos critérios ambientais do banco. 

O Grupo Scheffer informou ao ((o))eco que trabalha de forma responsável há mais de 30 anos e que optou pela certificação regenagri, de Agricultura Regenerativa, “que possui padrões de sustentabilidade e cuidados com a natureza maiores do que os solicitados na RTRS”. Em relação ao relatório do Mighty Earth, a empresa afirma que “a área monitorada em questão não pertence ao contrato de arrendamento que Scheffer tem com o senhor Carlos Simoneti”, que é o proprietário flagrado com desmatamento ilegal. Sobre o auto de infração por desmatamento, a companhia diz que já apresentou as documentações necessárias e que o processo está em análise no órgão ambiental competente. Leia a íntegra da resposta do Grupo Scheffer aqui

((o))eco tentou checar o grau de rigor da regenagri junto a especialistas em sustentabilidade, mas eles desconheciam esta certificação. Questionada pela reportagem, a assessoria de imprensa da regenagri disse que os requisitos para a obtenção deste selo não são públicos. 

Já o Grupo Bom Futuro informa que “não compra gado da área do Pantanal mato-grossense há três anos” e que “só adquire animais com Nota Fiscal e Guia de Transporte Animal (GTA), o que assegura a legalidade do gado produzido pelo pecuarista”. A empresa não se manifestou sobre suas relações comerciais com Vilela Filho.

Agrotóxicos em terras indígenas

Além da soja e do gado, o interesse do UBS também se volta para o mercado de insumos agrícolas no Brasil. O país é o maior consumidor mundial de agrotóxicos, e mais da metade deles é usado na soja. O Mato Grosso é o campeão na produção do grão e também é o estado que mais aplica pesticidas.

Estudos da Universidade Federal do Mato Grosso mostraram repetidamente que os agrotóxicos contaminam alimentos e a água potável no estado. Muitas empresas estão envolvidas nisso: produtores (incluindo a suíça Syngenta), importadores e vendedores de agrotóxicos. 

Uma das maiores empresas do setor é a Agrogalaxy, que cresceu rapidamente nos últimos anos a ponto de decidir abrir seu capital na bolsa de valores – o que deve acontecer até o final do ano. O UBS BB Investment Bank está envolvido na transação como um co-organizador da Oferta Pública Inicial de ações.

No maior mercado de agrotóxicos do mundo, cientistas se esforçam para estudar os efeitos nocivos destes produtos sobre o meio ambiente e a saúde humana. Mas conseguir uma verba para isso é quase impossível, diz o pesquisador da Universidade Federal de São Paulo (USP), Diogo de Oliveira Silva. Importantes programas de incentivo à pesquisa, como CNPQ e Capes, tiveram cortes significativos no orçamento. Além disso, a liberdade acadêmica está em xeque. A renomada pesquisadora da USP, Larissa Bombardi, deixou o país no começo de março após ser ameaçada por ter publicado um importante relatório sobre o uso de agrotóxicos no Brasil. 

A pesquisa científica é essencial para a proteção de comunidades como as que habitam o Parque Indígena do Xingu, no Mato Grosso. Há quatro anos, lideranças da mais antiga terra indígena do Brasil procuraram Diogo de Oliveira Silva porque estavam preocupados com as consequências do uso de pesticidas nas plantações que cercam o território.

“As famílias que vivem nas bordas da nossa terra volta e meia têm doenças de pele e diarréia. A água dos nossos rios está poluída”, diz Watatakalu Yawalapiti, liderança feminina do Xingu. Os casos de câncer, raros antigamente, hoje são comuns. “A gente também encontra peixes deformados, com um olho no lugar errado”, conta a indígena. A contaminação foi confirmada pelos testes feitos pela USP. “Se você pegar uma amostra de água do Xingu, dificilmente ela vai estar livre de pesticidas”, diz Silva. 

A falta de controle sobre estes produtos químicos piorou durante o governo do Presidente Jair Bolsonaro, que abriu o mercado brasileiro para uma torrente de novos pesticidas. Desde que Bolsonaro chegou ao poder, foram aprovados 967 novos agrotóxicos no Brasil.

UBS e Bolsonaro

Pode ser uma coincidência que o UBS tenha anunciado seu plano de trabalhar com o Banco do Brasil no mesmo ano em que Bolsonaro tomou posse. Mas também parece fazer sentido do ponto de vista empresarial. O UBS está “bem posicionado na era Bolsonaro”, escreveu a revista suíca Finews, especializada em indústria financeira. 

O Banco do Brasil é uma empresa de economia mista cujo controle acionário pertence ao governo federal, o que ficou claro algumas semanas atrás quando o presidente André Brandão teve que deixar o cargo após desentendimentos com o presidente Bolsonaro. A política tem uma influência, ainda que indireta, no nova joint venture do UBS. 

Como um membro da ABAG, o UBS também ajuda a financiar um importante grupo de sustentação do governo Bolsonaro, que é a Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) – foi o site De Olhos Nos Ruralistas quem mostrou a ligação financeira entre a ABAG e a FPA. A ABAG é uma das mais influentes organizações do agronegócio brasileiro, incluindo 67 pesos-pesados do setor como Cargill, Bayer, John Deere, JBS e Syngenta.

Desmatamento para a expansão da fronteira agrícola em Rondônia. Foto: Amazônia Real.

Infraestrutura para o agro

A agenda do governo Bolsonaro também inclui o estímulo a diversas obras de infraestrutura, como portos e ferrovias – projetos que são um dos pilares dos bancos de investimento, como o UBS BB Investment Bank. Estas obras visam facilitar o escoamento da crescente produção agrícola dos estados produtores — principalmente do Centro-Oeste — para o mercado externo. Hoje, dois terços da safra é transportada por rodovias, encarecendo o preço do frete. 

Uma rede de linhas de trem está sendo planejada, e a mais importante delas é a Ferrogrão. A ferrovia deve sair da cidade de Sinop, no Mato Grosso, e cruzar 1.000 km até a beira do Rio Tapajós, em Itaituba, no Pará – dali, os grãos serão exportados de navio para o mercado internacional. O traçado é paralelo ao da BR-163, às margens das quais são registradas algumas das maiores taxas de desmatamento da Amazônia.

A construção e operação da Ferrogrão vão ser entregues à iniciativa privada através de um leilão a ser realizado até o final do ano. Um consórcio formado pelas maiores traders de soja do país – Amaggi, ADM, Bunge, Cargill e LDC – já demonstrou interesse em assumir a concessão.

Uma destas empresas, a Amaggi, contratou recentemente o UBS (não a joint venture, mas sua controladora suíça) para organizar a captação de $90 milhões através de títulos verdes. Neste tipo de título, o dinheiro captado pela empresa só pode ser investido em iniciativas sustentáveis

Títulos verdes também devem ser usados para financiar a Ferrogrão, o que tornaria esse projeto ainda mais atrativo para o UBS. Ao menos é o que está nos planos do governo federal, que argumenta que a ferrovia vai atrair parte das cargas hoje transportadas pela BR-163, reduzindo as emissões de gases do efeito estufa. É uma conclusão questionável, já que o projeto também deve estimular novos desmatamentos.

Um estudo do Climate Policy Initiative estima que o Ferrogrão poderia levar ao desmatamento de mais de 2 mil km² de floresta e gerar emissões de 75 milhões de toneladas de CO² (cerca de o dobro do que a Suíça emite em um ano).

A especulação de terras também deve aumentar ao longo da linha do trem. “Apenas grandes fazendeiros que plantam soja e criam gado vão lucrar com esta ferrovia”, diz Watatakalu Yawalapiti, do Xingu, um dos territórios que devem sofrer impactos indiretos do projeto. “Nós não somos contra o progresso, mas queremos ser respeitados”.

Em março, uma decisão do Supremo Tribunal Federal suspendeu temporariamente o processo de concessão do Ferrogrão – a decisão ainda precisa ser votada no plenário do STF. 

Ainda não se sabe se o UBS vai ajudar a levantar recursos para a ferrovia, nem como o banco seguirá conduzindo suas relações com o agronegócio do Brasil. A joint venture ainda é recente, mas o plano de apostar no agro está tomando forma. No final de março, o UBS também anunciou publicamente o seu interesse em assumir o departamento de administração de ativos (asset management) do Banco do Brasil. 

Essa expansão suscita dúvidas sobre a implementação da estratégia de sustentabilidade do UBS no contexto brasileiro, sobre a garantia da transparência nas cadeias de abastecimento da soja e da pecuária, sobre os planos para a indústria de agrotóxicos e, finalmente, sobre a aproximação do UBS com o governo Bolsonaro. 

O UBS não quis comentar nenhuma destas questões. Questionada, a assessoria de imprensa da instituição respondeu: “Por uma questão de princípio, não comentamos as relações com os clientes. Também não comentamos sobre parcerias a este nível de detalhe”.

*Editado às 12h50, do dia 17/05/2021, para corrigir uma informação. Ao contrário do que afirmamos, o rio que passa por Itaituba é o Rio Tapajós, não o Amazonas.

  • Fernanda Wenzel

    Fernanda Wenzel é jornalista freelancer especializada em Amazônia e meio ambiente.

  • Olivier Christe

    Olivier Christe é um jornalista suíço especializado no setor financeiro e na justiça climática. Além de seu trabalho jornalístico, ele conduz pesquisas sobre o poder corporativo para movimentos sociais e faz parte do projeto de organização comunitária basel2030.ch.

Leia também

Reportagens
18 de novembro de 2020

BNDES poderia ter mudado o curso do desmatamento na Amazônia, mas lavou as mãos

Banco público de desenvolvimento injetou R$ 11 bilhões em frigoríficos sem exigir rastreabilidade completa da cadeia, prevista em norma de 2009. E diz que está tudo bem

Reportagens
8 de dezembro de 2020

Por aposentadoria, médicos e professores estrangeiros alimentam destruição da Amazônia

Fundos de pensão holandeses e japoneses investem R$ 3 bilhões em frigoríficos que compram bois de áreas desmatadas. É a ponta do iceberg, já que setor é uma caixa-preta

Reportagens
13 de janeiro de 2021

Operações em paraísos fiscais engordam cofre de frigoríficos em R$ 49 bilhões

Valor foi rastreado em apenas três subsidiárias de Marfrig e Minerva. Mas indústria da carne, incluindo JBS, possui dezenas de empresas financeiras no exterior para reduzir custos com impostos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Tatiana Moreno diz:

    Parabéns pela reportagem.


  2. Fernando Tupinambá diz:

    Desde o início a reportagem demonstra uma certa crença ingênua na economia verde, no agrobusiness, o que reduz a contundência da denúncia, infelizmente