Reportagens

Haddad promete transição ecológica em programa

Candidato lembra que o PT conseguiu reduzir o desmatamento na Amazônia, mas faz de conta que não tem nada a ver com grandes empreendimentos que causam impactos para o Meio Ambiente na região

Vandré Fonseca ·
1 de outubro de 2018 · 3 anos atrás
O presidenciável Fernando Haddad. Foto: Sérgio Silva/Wikimédia.

Hoje, ((o))eco inicia a publicação de textos sobre as propostas ambientais dos candidatos à presidência da República. Neste artigo, analisamos o programa e as declarações públicas sobre o tema de Fernando Haddad, do PT, segundo colocado nas pesquisas de intenção de voto.

***

No papel, o programa de governo do candidato Fernando Haddad (PT) oferece caminho para uma “transição ecológica para a nova sociedade do Século 21”, aliando a geração de empregos, programas sociais e propostas para chegar ao Desmatamento Zero na Amazônia em 2022, incentivo a energias alternativas e eficiência, e agricultura de baixo impacto.

Essa transição viria com a adoção de tecnologias mais produtivas e menos poluentes, investimentos em geração de energia eólica e solar e claro destaque à agricultura familiar. Em várias momentos as políticas ambientais estão relacionadas a qualidade de vida ou a “viver bem”, segundo o programa. Nesse contexto, Pesquisa, Ciência e Tecnologia teriam 2% do Orçamento da União, conforme foi declarado pelo petista.

Política para a Amazônia

Em visita a Manaus, no sábado (29), onde a indústria sofre uma longa crise que levou ao fechamento de fábricas e perda de milhares de postos de trabalho, Fernando Haddad prometeu, caso eleito, investir parte das reservas do país para atrair empresas ligadas à produção de células fotovoltaicas, dando um exemplo de como a nova economia poderia ajudar a criar empregos.

Mas a contradição entre uma nova economia e a prática de governos petistas, responsáveis por obras de infraestruturas que tiveram enormes impactos sobre a floresta e sobre populações tradicionais, como as hidrelétricas de Jirau, Santo Antônio e, claro, Belo Monte, é encontrada também no discurso do candidato.

Fernando Haddad deixou claro que o partido não encerrou a paquera com o desenvolvimentista de alto impacto ambiental e relações com grandes construtoras. Ele afirmou que não vão faltar recursos para concluir a BR-319, cujos estudos para licenciamento devem ser concluídos no ano que vem.

“Com todo respeito a questão ambiental, mas (o licenciamento) está muito atrasado”, declarou aos repórteres. Afirmou ainda que a obra vai voltar ao Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) e que vai levar o processo à mesa da presidência se for eleito.

A pavimentação da rodovia, que liga Manaus (AM) a Porto Velho (RO), é defendida por empresários e grande parte da população de Manaus, mas criticada por ambientalistas. Eles consideram que ela vai abrir caminho para o desmatamento não apenas ao longo de seu trajeto, mas para outras regiões da Amazônia Central.

Atualmente, apenas um trecho de 400 quilômetros no meio do trajeto, o chamado “Meião”, está sem asfalto. O Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit) aguarda a inclusão do componente indígena para que o licenciamento seja concluído. O processo é acompanhado por um grupo formado pelo Ministério Público Federal.

Mas sim, o programa de governo registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apresenta ideias que apontam para um governo que vai respeitar mais o planeta, em especial com a redução de emissão de gases de efeito estufa e a meta de se chegar ao desmatamento líquido zero em 2022, evitando o avanço da fronteira agrícola.

“Por isso, o governo assegurará seus direitos territoriais, enfrentará os conflitos socioambientais e estimulará a economia da floresta, com políticas de valorização dos produtos da sociobiodiversidade, assim como de mecanismos de garantia de preço e valorização da conservação dos biomas”, afirma o texto registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

“O programa reafirma o destaque do Brasil nas discussões internacionais sobre o Clima e Biodiversidade e lembra da redução do desmatamento obtido ao longo das gestões do PT no governo federal”

Sem fazer referência a outros biomas, o texto destaca a Amazônia, fazendo alusão à extensão, diversidade cultural e reservas de água. A Amazônia teria, segundo o programa, “papel de liderança na criação de alternativas capazes de enfrentar os desafios das crises econômica e ambiental.”

O programa reafirma o destaque do Brasil nas discussões internacionais sobre o Clima e Biodiversidade e lembra da redução do desmatamento obtido ao longo das gestões do PT no governo federal. Mas não cita que nos últimos anos do governo Dilma essas taxas voltaram a subir.

Destaque para a agroecologia

Embora não seja claro no programa, em entrevista para a repórter Marina Lang, em ((o))eco, o responsável pela sessão ambiental do programa de governo do Partido dos Trabalhadores, o advogado Marcos Rogério de Souza, falou sobre a intenção de usar recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para financiar a agroecologia. Há também proposta de uma reforma fiscal verde, com desoneração para investimentos e inovação de baixo carbono.

Souza também falou sobre propostas para políticas de resíduos sólidos e saneamento básico. “No plano do Haddad há uma agenda que chamamos de Economia Circular, que consiste em definir melhor a responsabilidade do setor privado em relação ao lixo que ele produz”, afirmou “Também vai haver o fortalecimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos e a indução de práticas produtivas amigáveis ao meio ambiente, como a substituição de copos e canudos plásticos por materiais de papel, de sacolas plásticas de supermercado por biodegradáveis, e assim por diante”

Ele disse que o partido é contra a medida provisória 844, que institui o novo Marco Legal do Saneamento Básico, que, segundo ele, aponta para a privatização do setor e falou sobre diretrizes da proposta para uma Política Nacional de Saneamento Básico, que incluem apoio aos estados e municípios, revitalização de bacias hidrográficas e fortalecimento da defesa urbana, para evitar enchentes, deslizamentos e contaminação da água por esgoto.

O Saneamento Básico, que foi lembrado no discurso de Fernando Haddad em Manaus, também tem destaque no programa. “O Brasil precisa entender a água como direito humano e o saneamento como política pública essencial para a oferta desse direito”, assegura o programa. Aqui, porém a coerência entre prática e discurso pode ser apontada.

Mas uma das principais críticas à administração do presidenciável frente à prefeitura de São Paulo foi a falta de ações para combater ocupações em torno da Represa Billings, zona Sul da cidade, e de criar um conjunto residencial no Parque dos Búfalos, na margem da represa.

Por fim, o programa de governo de Haddad sinaliza boas intenções, dando destaque a questões importantes e urgentes, como mudanças climáticas e proteção da biodiversidade. Mas não deixa claro o que mudou no jeito petista de governar para que, na prática, sejam dadas às questões ambientais a mesma atenção que se dispensa ao crescimento econômico e programas sociais.

 

Saiba Mais

Plano de governo – Fernando Haddad.

Leia Também 

Código Florestal vira conquista ambiental no programa de Dilma Rousseff

O inaceitável varejo portuário praticado no PAC

Bolsonaro defende o fim do Ministério do Meio Ambiente

 

Leia também

Reportagens
1 de outubro de 2018

Bolsonaro defende o fim do Ministério do Meio Ambiente

Candidato propõe que pasta vire uma secretaria dentro de um novo Ministério de Agricultura e defende o fim das multas feito pelo Ibama e ICMBio

Análises
17 de setembro de 2014

O inaceitável varejo portuário praticado no PAC

O Programa de Aceleração do Crescimento prevê 71 empreendimentos em 23 portos brasileiros, que pedem mais preocupação ambiental.

Reportagens
22 de julho de 2014

Código Florestal vira conquista ambiental no programa de Dilma Rousseff

Plataforma da candidata à reeleição é baseada em resultados, alguns polêmicos. Segurança hídrica e acesso à água são destaques no programa.

Mais de ((o))Eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 4

  1. AvatarFabio diz:

  2. Avatarmarciomottabio diz:

    Embora alguns pontos precisam de maior detalhamento e ampliação, o Programa do Haddad apresenta alguns compromissos importantes, cito como exemplo a questão da economia circular, agroecologia e saneamento básico. É necessário que a equipe que está apoiando o candidato na área ambiental discuta como o programa de governo irá atuar em áreas como a conservação dos demais biomas e se resolver entre as ampliações estruturais e a proteção ambiental.
    Cabe nós, após a eleição, cobrar a aplicação do programa, bem como atuar de forma cidadã em questões que exigem nossa participação, seja para consolidar a política pública ou debater sobre aquilo que é necessário mudar.


    1. AvatarMoro Judge diz:

      O programa de governo é beijar-a-mão de um presidiário! Caso encerrado


  3. AvatarCidadão diz:

    Cara sem a mínima dignidade, office-boy dum presidiário afff