Reportagens

Desmatamento no Gran Chaco: a bomba de carbono que o mundo ignora

O Chaco é o maior e mais biodiverso sistema florestal contínuo da América do Sul depois da Amazônia. Sua destruição tem sido particularmente brutal na Argentina, onde perdeu mais de 8 mi de hectares nos últimos 30 anos

Marina Aizen ·
30 de junho de 2021

As campanhas internacionais contra o desmatamento têm historicamente se concentrado nas florestas tropicais. Biomas como a Amazônia ou as matas da Indonésia, onde grandes quantidades de commodities são produzidas para a cadeia agroindustrial global, têm recebido atenção constante. Mas esta narrativa deixou de fora o que vem acontecendo há mais de três décadas em florestas secas.

Devido à profunda transformação que sofreram graças ao pacote tecnológico da soja geneticamente modificada e à expansão da pecuária, o Gran Chaco Americano e o Cerrado brasileiro, entre outros ecossistemas vitais, foram dizimados, gerando emissões de carbono (contribuindo para as mudanças climáticas) comparáveis às da destruição das grandes florestas tropicais.

Isto também afetou, naturalmente, a composição física da atmosfera e o aumento da temperatura planetária, independentemente se foi ou não dada atenção suficiente ao problema.

O Gran Chaco, subestimado

O caso do Gran Chaco, compartilhado pela Argentina (60%), Paraguai (23%), Bolívia (13%) e Brasil (4%), é emblemático. Não apenas as emissões históricas foram subestimadas, mas também houve uma avaliação incorreta sobre a quantidade de carbono restante armazenado na biomassa que ainda está de pé. Isto, naturalmente, torna ainda mais relevante a necessidade de conservação de um sistema que tem apenas uma pequena área de proteção no El Impenetrable argentino, onde a criação do Parque Nacional do mesmo nome foi realizada em parte do que costumava ser a estância La Fidelidad.

O resto do El Impenetrable, uma região tão maravilhosa quanto misteriosa, de enorme biodiversidade, é a nova fronteira quente do desmatamento na Argentina. E  todas as organizações da sociedade civil da província de Chaco estão em guerra contra seu governador, Jorge Capitanich.

Segundo estudos realizados por pesquisadores argentinos e alemães utilizando uma combinação de medições de campo e monitoramento via satélite, o carbono armazenado na ecorregião é 19 vezes maior do que se pensava anteriormente, um valor que não deixa de surpreender os próprios cientistas.

“Só para o Gran Chaco seco, há cerca de 4,65Gt de carbono armazenado na vegetação. Esta é uma quantidade muito considerável de carbono. É lógico pensar que nem tudo vai ser emitido. Mas mostramos, em termos das quantidades de emissões que estão indo para a atmosfera, que o Gran Chaco é comparável a lugares como a Amazônia ou a Indonésia. E esses são os lugares que estão relacionados às grandes discussões sobre a mudança climática”, diz Tobias Kuemmerle, do programa de uso do solo do Departamento de Geografia da Universidade Humboldt em Berlim, Alemanha.

Impenetrable – Río Teuco Bermejo. Crédito: Rewilding Argentina / Matías Rebak.

O Gran Chaco é o maior e mais biodiverso sistema florestal contínuo da América do Sul depois da Amazônia. Sua destruição tem sido particularmente brutal na Argentina, onde perdeu mais de 8 milhões de hectares nas últimas três décadas, e no Paraguai, onde grandes áreas foram desmatadas para a pecuária. A Bolívia, entretanto, tem mais áreas protegidas, embora os dramáticos incêndios florestais dos últimos anos demonstrem sua fragilidade.

Integração ou desintegração?

No total, desde 1985, 14 milhões de hectares do Gran Chaco foram desmatados. Com que objetivo? A integração desses países no ciclo global de mercadorias, seja para grãos inteiros ou processados em farinha ou óleo, carne ou couro. Tudo tem uma demanda que parece não ter teto nos mercados que estão na Europa, China, Índia e outros países asiáticos.

A limpeza do Gran Chaco – e, aliás, do Cerrado – não foi feita para tornar possível a agricultura de subsistência ou a pecuária, como havia ocorrido historicamente. Pelo contrário, foi devido à entrada de capital organizado, já que problemas tecnológicos foram resolvidos a fim de realizar a produção agrícola em florestas mais abertas, secas e sazonais.

“Os atores que intervêm na maioria das vezes são empresas com capacidade de investimento que, quando desmatam, fazem um desmatamento total e passam, em dois ou três anos, por todo um caminho que vai da pecuária à agricultura e, às vezes, à agricultura direta”, diz Ignacio Gasparri, pesquisador do Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Técnica da Argentina (Conicet) na Universidade Nacional de Tucumán.

“Em muitos lugares do Chaco argentino existe um sistema de arrendamento de terras. Não são as pessoas que detêm a terra que controlam os campos, mas alguém que a aluga. Não há motivação para fazer as coisas direito. Estou aqui há 10 anos, espremo cada gota deste campo e depois vou para outro lugar. Tudo isso contribui para uma dinâmica tremenda”, diz Kuemmerle. E acrescenta: “Uma das tragédias do Chaco é que a agricultura provavelmente não tem um bom futuro, mas só pode ser feita por um certo período de tempo e depois tudo é destruído”.

Parque Nacional El Impenetrable. Crédito: Rewilding Argentina / Matías Rebak.

Esta lógica de uso intensivo do capital resultou em um avanço muito rápido e sustentado da fronteira agrícola. Assim, em muito pouco tempo, uma enorme quantidade de emissões foi produzida em lugares que não deveriam liberar tanto carbono para a atmosfera.

Assim como em Bornéu

Durante muitos anos, a comunidade científica internacional nem mesmo notou o que estava acontecendo nesta parte do mundo, considerando-a um local vazio, degradado e inacessível. Também não havia dinheiro para pesquisa. Para tentar atrair a atenção, os pesquisadores começaram a usar o termo “extratropical” para se referir às florestas secas, como se fosse para avisar que algo estava acontecendo aqui também. E que isso era importante. 

Entretanto, um trabalho publicado em 2016 por vários pesquisadores argentinos e alemães, liderados por Matthias Baumann, também da Universidade Humboldt de Berlim, veio para preencher uma lacuna que existia na literatura científica.

“O carbono liberado pela agricultura nos últimos 30 anos é da mesma magnitude que Kalimantan no Sudeste Asiático, que é uma área (na Ilha Bornéu) fortemente afetada pelo desmatamento para a produção de óleo de palma. Todos falam sobre a Indonésia, mas ninguém fala sobre o Chaco. E nossa pesquisa revela que a magnitude das emissões é a mesma”, diz Baumann, que também é o principal autor do trabalho, ainda sob revisão pelos pares, o que estabelece que há 19 vezes mais carbono do que o estimado anteriormente nos estoques do Gran Chaco.

“As emissões são tão fortes porque a mudança no uso da terra tem sido tão drástica e generalizada. Há mais carbono no Chaco do que se supunha anteriormente. Isso significa que, se a expansão da fronteira agrícola continuar, os danos em termos de emissões de carbono deverão ser maiores do que eu pensava”, acrescenta ele.

Por sua vez, Gasparri, um pesquisador que faz as medições no campo, indica: “Em termos da superfície que esta região tem, em comparação com a Amazônia, está emitindo muito, ainda que tenha menos da metade da biomassa que uma floresta amazônica tem por hectare. Entretanto, as emissões são equivalentes em ordens de grandeza”.

Mais desmonte, mais desigualdade 

O desmatamento no Gran Chaco argentino diminuiu na última década, embora os cientistas ainda não consigam descobrir o que realmente aconteceu.

A promulgação da Lei Florestal em 2007 coincidiu com uma queda no preço das commodities. Muitas das áreas que permanecem para serem desmatadas estão longe da infraestrutura de transporte, portanto o custo de transporte da produção para os centros de coleta não é suficiente para garantir uma renda vantajosa. Há lotes que são liberados para a especulação imobiliária e nunca são colocados em uso produtivo. Mesmo assim, a taxa de desmatamento no bioma permanece em torno de 100 mil hectares por ano, o que, embora seja um quarto do pico histórico, ainda é muito alto.

Entretanto, o desmatamento não está apenas avançando sobre a vegetação e a biodiversidade, pondo-a em perigo alarmante. Também o faz em comunidades nativas e crioulas, muitas vezes violando seus direitos humanos. A distribuição da “riqueza” gerada pelo desmatamento tem sido totalmente desigual, gerando o deslocamento de comunidades que historicamente têm vivido na floresta. As províncias do norte da Argentina continuam a figurar entre as mais pobres do país.

Longe de Paris

Parque Nacional El Impenetrable. Crédito: Rewilding Argentina / Florian Von Der Fecht.

O tipo e a dinâmica da mudança de fronteira agrícola influenciam fortemente a quantidade de emissões: a produção de carbono é maior para a agricultura do que para a pecuária. 

Isto acontece por uma razão simples. Quando a agricultura é realizada em um campo limpo, mesmo as raízes são eliminadas, tudo é queimado, liberando no ato o carbono acumulado ao longo de séculos e séculos. Por outro lado, quando a criação de gado é feita, o solo é coberto com gramíneas, como o Gatton de panico, uma espécie subtropical originária do Zimbábue, que captura mais carbono do que a soja.

A discussão sobre as emissões do Chaco deve ser relevante em um mundo que quer limitar o aumento da temperatura média global a 1,5°C em comparação com a era pré-industrial, que é o objetivo mais ambicioso do Acordo Climático de Paris. “Há mais pessoas nos mercados onde são consumidos os produtos da Argentina que começam a se interessar por esta questão”, adverte Baumann.

Segundo o Transparency for Sustainable Economies (Trase), uma plataforma online que torna visível o comércio de commodities para tornar as cadeias de abastecimento transparentes, a União Européia e o Reino Unido estão entre os mercados mais expostos ao desmatamento do Gran Chaco, devido à compra de farelo de soja que é embarcado nos portos de Santa Fé, via hidrovia.

Enquanto o debate sobre o acordo UE-Mercosul está atolado pelo desmatamento desenfreado da Amazônia, estudos de emissões do Gran Chaco também devem destacar o papel da destruição ecológica na região.

Devida diligência

Tanto a União Européia quanto o Reino Unido estão discutindo as chamadas leis de “due diligence” para limpar as cadeias agroindustriais de desmatamento, da mesma forma que os grandes fabricantes de eletrônicos como a Apple ou a Samsung são obrigados a não adquirir componentes de áreas onde os direitos humanos são violados.

A soja processada que compram da Argentina é utilizada para engorda de todo tipo de gado industrial, como porcos, vacas, frangos e salmões, entre outros. Assim, a rica biodiversidade do Chaco, única em muitos aspectos por suas espécies animais e vegetais (em alguns casos endêmicas), está sendo substituída por um punhado de proteína que chega picada magicamente e embalada nas prateleiras dos supermercados. O mesmo vale para os produtos lácteos, em todas as suas variedades, mesmo aqueles vendidos como os mais saudáveis.

“O que usamos para alimentar porcos e frangos, assim como a carne que importamos, pode estar ligado ao desmatamento. Quando se toma a União Européia como um todo, o desmatamento indireto que estamos testando na América do Sul é muito grande”, diz Kuemmerle. 

Responsabilidades coletivas

Entretanto, como os mercados de commodities são globais e funcionam como um grande pote onde tudo vai para o mesmo guisado, as dinâmicas que acontecem fora da Europa e influenciam em todos os lugares não podem ser descartadas. Neste sentido, Gasparri explica que a grande pressão sobre as florestas como as da Argentina coincide com o momento em que os animais começaram a ser criados em estábulos em escala industrial na China, onde havia uma população com deficiências nutricionais e consumo muito baixo de proteína. 

“Todo o processo de urbanização que ocorre ali com a incorporação de uma dieta com mais proteína é feito, em grande parte, com animais que são criados em confinamento: galinhas e porcos. Quando o país se abre para o mercado internacional, aparece um jogador muito importante que aumenta a demanda de um produto que já era alto”, explica ele.

“Os países produtores estão respondendo a uma demanda global. Mesmo para lógicas que podem estar erradas, que é “se eu não o fizer, outra pessoa o fará”. E essa situação nos levou a um ponto difícil de administrar. As políticas de mudança climática têm um grande desafio”, acrescenta ele. “Você tem que olhar para todas as cadeias de valor, para as responsabilidades coletivas. Não é estritamente um problema de produção, é um problema de cadeias de valor”.

Várias organizações estão pressionando as cadeias de fast food e supermercados na Europa por sua exposição ao desmatamento, não apenas as grandes empresas comerciais ou os frigoríficos brasileiros. Essas campanhas mancham sua imagem corporativa, apelando para uma nova classe de jovens consumidores.

“As marcas líderes mundiais de alimentos – incluindo cadeias de restaurantes como McDonald’s e supermercados Tesco e Carrefour – não conseguiram eliminar o desmatamento de sua cadeia global de fornecimento de carne bovina, apesar de se comprometerem a fazê-lo até 2020”, diz um relatório recente da Mighty Earth.

Ele acrescenta: “O gado é o motor mais importante da conversão dos ecossistemas nativos ligados à agricultura, com as pastagens responsáveis por 63% da perda global de cobertura arbórea ligada à agricultura industrial entre 2001 e 2015. Enquanto grande parte da atenção da mídia está focada na Amazônia brasileira, a limpeza de terras com gado também ameaça outros biomas críticos como o Cerrado e o Pantanal no Brasil, a região do Gran Chaco no Paraguai e na Argentina, e uma variedade de ecossistemas nativos em toda a Austrália”.

Onça-pintada no Parque Nacional El Impenetrable. Crédito: Rewilding Argentina / Matías Rebak.

A árvore, a floresta

O Gran Chaco tem uma variedade de árvores de madeira dura. Entre eles, o Quebracho, cuja exploração e pilhagem em escala industrial constituiu uma boa parte da história mais sombria da Argentina e de seu povo mais vulnerável. Além de ter muito tanino e um tronco belamente colorido, tem uma grande capacidade de reter carbono. Este tipo de árvore, que também inclui Quebracho Blanco e Palo Santo, não é encontrado em nenhum outro ecossistema. Os ecologistas não sabem por que: é um mistério da natureza.

São espécies de crescimento lento, sujeitas a um enorme calor. Eles têm a capacidade de resistir por séculos, prestando serviços ambientais por gerações. Um trator bulldozer, no entanto, pode derrubá-los em questão de minutos.

Quebracho forneceu um insumo essencial para a indústria têxtil que gerou a Revolução Industrial. Agora, mais do que o tanino e sua madeira – que também foi super explorada para fabricar dormentes na expansão da ferrovia, assim como postes e cercas de arame –, a melhor ajuda que ela pode dar à sociedade é seqüestrando o excesso de carbono na atmosfera que empurrou, paradoxalmente, a mesma Revolução Industrial que quase a destruiu. E, também, para dar sombra e enobrecer espiritualmente a paisagem.

“É difícil competir com a Amazônia, que é um ecossistema tão importante, com muitas espécies únicas e com grande importância na reciclagem da umidade”. Mas, sistemas como o Cerrado ou o Chaco são retratados enganosamente como terras degradadas vazias, terras que não têm muita biodiversidade. Eles podem não ter a biodiversidade da Amazônia, mas têm muita biodiversidade. O Chaco tem uma grande variedade de pássaros. Na Europa, seria preciso reunir muitos ecossistemas para ter a mesma quantidade de espécies”, reflete Kuemmerle.

“O Gran Chaco sofre à sombra da Amazônia, está mal representado e não há muita pesquisa sobre esses lugares, que são muito remotos”, adverte ele. O que torna o Chaco especial é que ele é “a maior floresta seca subtropical com árvores, arbustos e vegetação lenhosa, e o mais importante, tem mais de um milhão de quilômetros quadrados”.

  • Marina Aizen

    Jornalista. Autora dos livros Contaminados, uma imersão na sujeira do Riachuelo e Trumplandia. Ex-correspondente nas Nações Unidas e em Nova York. Premiada com o Inter Press Service (IPS)-Ambev Water Prize, Príncipe Albert II de Mônaco e UNCA. Co-fundadora da organização argentina Periodistas por el Planeta (PxP).

Leia também

Reportagens
22 de agosto de 2018

Brasil corre risco de perder um bioma inteiro, sem nem ao menos saber que ele existe

Chaco é o mais desconhecido bioma brasileiro e o pouco que resta está sendo destruído. Pesquisa revela que, caso a destruição terminasse hoje, a diversidade genética do Chaco levaria até 3 mil anos para ser recuperada

Notícias
22 de agosto de 2014

Soja e gado agravam desmatamento do Chaco no Paraguai

Monocultivo com uso intensivo de veneno e pecuária alteram configuração do país. Latifundiários brasileiros têm papel decisivo no processo.

Notícias
26 de setembro de 2016

Estudo demonstra diversidade das florestas secas

São áreas diversas, espalhadas pela América Latina e Caribe, que compartilham poucas espécies, mas abrigam juntas quase 7 mil árvores diferentes.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta