Reportagens

Chuvas que devastaram cidades mineiras em 2020 já são efeito das mudanças climáticas, diz estudo

Cientistas estimam que a industrialização e o aquecimento global aumentaram em 70% a probabilidade de ocorrer precipitação em volumes muito acima do esperado

Luciana Constantino ·
20 de agosto de 2021

As mudanças climáticas foram a principal causa das chuvas extremas que atingiram municípios de Minas Gerais em janeiro de 2020, resultando em cenários de devastação. A conclusão é de um estudo publicado sábado (14/08) na revista científica Climate Resilience and Sustainability.

Usando modelagem climática para a região, a pesquisa mostrou que os efeitos da industrialização e do aquecimento global aumentaram em 70% a probabilidade de ocorrer precipitação em volumes muito acima do esperado quando comparado a cenários com temperatura média entre 1°C e 1,1°C mais baixa.

O trabalho também quantificou os danos no Estado: mais de 90 mil pessoas ficaram temporariamente desabrigadas e houve pelo menos R$ 1,3 bilhão (US$ 240 milhões) em perdas computadas pelos setores público e privado. Os maiores prejuízos foram em infraestrutura pública (R$ 484 milhões), moradias (R$ 352 milhões) e comércio/serviços (R$ 290 milhões). Do total, 41% podem ser atribuídos às mudanças climáticas induzidas pelo homem.

A publicação do artigo acontece na semana seguinte à divulgação do relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) que foi enfático: os impactos das alterações do clima, com “inequívoca” influência humana, já estão afetando todas as regiões da Terra, com eventos extremos ocorrendo mais rápido, de modo generalizado e intensificado.

No início de 2020, a região Sudeste do Brasil registrou enchentes e deslizamentos provocados por chuvas intensas, que resultaram em danos de infraestrutura e até mortes. O evento foi decorrente de uma combinação da intensificação da zona de convergência do Atlântico Sul (SACZ) com o surgimento do ciclone subtropical de Kurumí (KSC) também sobre o Atlântico, contribuindo para o aumento da umidade em toda a região.

Em Minas, a capital, Belo Horizonte, teve o janeiro mais chuvoso da história. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o município registrou 935,2 milímetros (mm) de precipitação naquele mês, o que representa quase o triplo da média esperada para o período. Do volume total, 320,9 mm foram acumulados em apenas três dias. À época, pelo menos 56 mortes foram relacionadas com as inundações e os deslizamentos de terra.

“Nossa avaliação traz novos insights sobre a necessidade e urgência de ações sobre mudanças climáticas, pois já estão impactando efetivamente a sociedade na região Sudeste do Brasil. (…) Isso exige melhorias imediatas no planejamento estratégico com foco na mitigação e adaptação. A gestão e as políticas públicas devem evoluir a partir do modus operandi de resposta a desastres, a fim de prevenir outros no futuro”, escrevem os pesquisadores no trabalho, que teve apoio da FAPESP.

A pesquisa é parte de um workshop realizado pela Parceria para Serviços de Ciência do Clima (CSSP, na sigla em inglês), organização liderada pela cientista Sarah Sparrow, da Universidade de Oxford (Reino Unido).

O projeto é uma colaboração entre instituições do Reino Unido e do Brasil, no qual estão incluídos o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) e a Universidade de São Paulo (USP).

Promovido on-line entre novembro e dezembro de 2020, em parceria com a cientista Liana Anderson, do Cemaden, o workshop tratou do método chamado “atribuição de eventos”, que usa a ciência para avaliar as ocorrências climáticas e atribuir causas a elas.

Dois grupos de pesquisadores trabalharam paralelamente na análise das chuvas extremas em Minas Gerais – um se concentrou na avaliação da influência das mudanças climáticas nas chuvas, enquanto o outro quantificou os impactos na população. Por fim, os trabalhos foram integrados no artigo publicado.

“A colaboração intensa com pesquisadores de áreas interdisciplinares permitiu que fosse realizado um trabalho de alto nível em poucos meses com resultados consistentes”, destaca Ricardo Dal’Agnol, pesquisador na Divisão de Observação da Terra e Geoinformática do Inpe e primeiro autor do artigo.

Modelagem

O modelo climático utilizado para atribuição foi o Hadley Center Global Environmental Model versão 3-A (HadGEM3-A), com simulações de eventos extremos de tempo e clima.

Dois experimentos foram conduzidos para traçar cenários: um utilizou apenas forças externas, como a variabilidade na irradiância solar e atividades vulcânicas naturais, fixadas em níveis de 1850 (era pré-industrial); e o segundo considerou, além das causas naturais, também a ação humana (antropogênica) com dados atuais.

Segundo o último relatório do IPCC, a temperatura média do planeta atualmente é 1,1°C maior que a observada no período 1850-1900. Essa fase pré-industrial é usada como base para representar a temperatura antes da interferência humana, que elevou as emissões de gases de efeito estufa, como o CO2 e o metano.

Para avaliar a precipitação, os pesquisadores usaram o Clima Hazards Group InfraRed Precipitation with Station Data (CHIRPS), um banco de dados que incorpora imagens de satélite a informações de estações locais para criar séries temporais de chuva para análise de tendência e de monitoramento.

Já as informações sobre desastres, incluindo dados por município, tipo, causa e danos, foram extraídas do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Nesse sistema, membros da Defesa Civil ou de órgão governamental local preenchem formulário específico com as ocorrências dos desastres até dez dias após o registro.

“Destacamos a importância de ter sistemas integrados de informação de desastres, como o S2iD brasileiro, que veicula informações valiosas e oportunas permitindo quantificar os impactos de eventos extremos”, destacam os autores.

A área do estudo ficou focada no sudeste de Minas, subdividida em 12 mesorregiões, com 194 municípios. O Estado conta com 853 cidades no total. “As mesorregiões mais afetadas foram a metropolitana de Belo Horizonte, Vale do Rio Doce e Zona da Mata. Juntas, foram responsáveis por 91% das perdas econômicas públicas e 93% das privadas, além de concentrar 91% da população deslocada. Também apresentaram os números mais preocupantes em relação às vulnerabilidades a desastres de moradores e moradias em áreas de risco”, conclui o estudo.

Os cientistas destacam ainda que, embora as chuvas tenham sido extremas com influência das mudanças climáticas, a falta de planejamento de gestão de risco urbano, sem estratégias de mitigação e com investimento deficitário em infraestrutura, pode ser chave e ampliar os impactos para os moradores.

“O evento provavelmente afetou de forma desproporcional a população mais pobre da região, que vive em situações de alto risco, como em áreas com topografia íngreme e más condições de habitação. Portanto, interpretamos os impactos desse evento como um desastre climático construído socialmente.”

Por isso, sugerem que estudos futuros venham a investigar os efeitos de eventos climáticos extremos sobre populações pobres e vulneráveis. “Pesquisas futuras também podem abordar as interações cada vez mais complicadas de aspectos humanos, econômicos e políticos dentro dos sistemas ecológicos.”

Segundo Dal’Agnol, a modelagem criada para analisar o caso de Minas pode ser aplicada para outras regiões. “Utilizamos cenários do modelo, dados da chuva observados por satélites e identificamos as probabilidades. Seguindo a metodologia é possível fazer para outros eventos. Quando pesquisamos, localizamos poucos estudos de extremos climáticos no Brasil. Precisamos de mais estudos como esse para identificar as regiões mais vulneráveis às mudanças climáticas no país, mostrar isso para os governantes e, assim, termos políticas públicas para prevenção de futuros desastres”, explica.

A FAPESP apoiou o trabalho por meio de bolsas para Dal’Agnol (19/21662-8), para Carolina Barnez Gramcianinov (20/01416-0) e para Márcia Marques (19/17304-9).

O artigo Extreme rainfall and its impacts in the Brazilian Minas Gerais state in January 2020: Can we blame climate change? pode ser lido em https://rmets.onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/cli2.15.


 

  • Luciana Constantino

    Jornalista com mais de 25 anos de experiência em redação, escreve sobre ciência, meio ambiente e desenvolvimento humano. Foi editora executiva no jornal O Estado de S.Paulo. Também foi repórter e editora na Folha de S.Paulo.

Leia também

Notícias
18 de agosto de 2021

Vida marinha em recifes tropicais pode cair pela metade até final do século com crise climática

Estudo conduzido por pesquisadores brasileiros em Atol das Rocas mostra que se nível de emissões de CO2 for mantido como está, ecossistemas entrarão em colapso

Reportagens
9 de agosto de 2021

Mudanças climáticas já afetam todas as regiões do planeta, afirma IPCC

Extremos climáticos se tornaram mais intensos e frequentes na maioria das áreas terrestres e devem se agravar nas próximas décadas

Notícias
14 de julho de 2021

Jabuti das termelétricas na MP da Eletrobras aumentará em 32% emissões do setor

Nota técnica aponta que estímulo às termelétricas prevista na MP transformada em lei representará um aumento de 32,7% nas emissões de todo setor elétrico no Brasil, em relação a 2019

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta