Brasil lidera (de novo) o número de assassinatos de ambientalistas

Brasil lidera (de novo) o número de assassinatos de ambientalistas

Fabíola Ortiz
terça-feira, 24 julho 2018 8:56
Maria do Socorro faz campanha junto a comunidades contra empresas de alumínio, supostamente responsáveis pelo envenenamento das águas na cidade de Barcarena, no Pará. A defensora é alvo de ameaças de morte e intimidações. Ela lidera Cainquiama, uma coalizão de comunidades locais e indígenas na Amazônia. Crédito: Thom Pierce, Guardian/Global Witness/UN Environment.

O ano de 2017 bateu o recorde com o maior número de assassinatos de ambientalistas no mundo, pelo menos 207 em 22 países. E o Brasil continua liderando o ranking de mortes, segundo o relatório da ONG britânica Global Witness divulgado nesta terça feira, 24 de julho. No mundo, a média foi de quatro assassinatos por semana. O Brasil responde por 57 das mortes violentas contra ambientalistas, destacou o informe “A que preço?”.

Segundo Ben Leather, um dos autores do estudo, este foi o pior ano da série histórica, sendo a América Latina a região com a maior proporção dos casos, 60%.

“Não há dúvidas que os defensores da terra e do meio ambiente [da América Latina] têm enfrentado altos níveis de risco no continente”, disse a ((o)eco.

Na região, depois do Brasil vem a Colômbia, com o registro de 24 homicídios; México, 15; Peru, 8;  Honduras, 5; e por último Nicarágua que, apesar de ter tido 4 casos, concentra um alto número de casos per capita.

Desde 2002, quando a organização lançou seu primeiro relatório, o Brasil tem liderado o ranking. A maioria dos casos está concentrada na Amazônia. Em números absolutos, a ONG informa que o Brasil tornou-se o país mais perigoso para atuar como um defensor da terra e do meio ambiente. Desde 2002, a média foi de 40 assassinatos por ano, entre líderes indígenas, ativistas comunitários e ambientalistas.

Crédito: Global Witness.

“Infelizmente, o Brasil sempre esteve no topo da lista. Se olharmos para as estatísticas per capita, o país está geralmente entre os cinco primeiros. Não há dúvida de que o Brasil é um dos países mais perigosos do mundo para defender o meio ambiente, a terra e especialmente a região amazônica”, afirmou.

Subnotificação

Perguntado sobre a metodologia utilizada, Leather explicou que a dificuldade em obter dados e registros dos casos prejudica na hora de tentar realizar um levantamento preciso. Segundo ele, os números são provavelmente muito maiores que os registrados pela ONG.

“As nossas estatísticas representam apenas a ponta do iceberg. Há, certamente, mais defensores sendo mortos do que somos capazes de documentar. Muitas vezes não são feitos os registros e as pessoas preferem não denunciar pelos riscos que enfrentam. Confiamos que os casos que documentamos são rigorosamente verificados pelos nossos parceiros locais”, destacou Leather.

A Global Witness tem como parceiros no Brasil a Comissão Pastoral da Terra (CPT), Conectas Direitos Humanos, Terra de Direitos e Justiça Global.

Segundo Leather, o assassinato de ambientalistas é uma prática notória para silenciar os defensores. Muitos vivem sob o temor de ameaças de morte, prisões, intimidação, ataques físicos e são de ações judiciais.

Agronegócio: o mais sangrento

O fato novo neste relatório, disse Leather, foi que o agronegócio ultrapassou a mineração como o setor mais associado aos ataques. Pela primeira vez, o “agronegócio foi a indústria mais sangrenta”, denunciou o estudo, com pelo menos 46 assassinatos no mundo ligados ao setor, comparado com 23 registrado no último ano. Os homicídios ligados à mineração aumentaram de 33 para 40 em relação ao ano passado, e as mortes associadas à exploração madeireira se mantiveram constantes, com 23 casos.

O aumento da violência que envolve o setor do agronegócio, especialmente no Brasil, se deve ao “poderoso lobby” que utiliza seu poder político para aprovar ou mudar leis e enfraquecer a legislação existente, informou o estudo.

José Claudio Ribeiro, assassinato junto com sua esposa em Nova Ipixuna, no Pará, há 7 anos. Foto: Felipe Milanez.

“Vemos um aumento gradual da violência e ameaças contra defensores quando estes se opõem a projetos de agricultura em grande escala. E, no Brasil, o que ocorre é emblemático, pondo em rota de colisão o lobby e as comunidades locais que não querem que suas terras sejam engolidas pela agricultura de grande porte. Esta tem sido a tendência no Brasil, o que só aumenta os conflitos com as comunidades que querem defender seus direitos”, argumentou o ativista.

A Global Witness dedicou um capítulo inteiro ao Brasil sob o título de “Fazendo uma situação ruim ficar pior”. A ONG critica a atuação da bancada ruralista no Congresso Nacional e seus laços com o presidente Michel Temer. Ao invés de tomar medidas para reprimir os ataques, os poderes legislativo e executivo têm atuado de forma a “enfraquecer as leis e instituições destinadas a proteger os direitos à terra e povos indígenas”, alertou o informe. Ao mesmo tempo que, ambos têm “facilitado as grandes empresas a acelerar sua exploração de ecossistemas frágeis”.

“No papel, o Brasil tem muitas políticas e instituições que poderiam resolver o problema e ajudar a proteger os direitos das comunidades locais. O que nos preocupa é que sob o atual governo, as políticas e instituições têm sido enfraquecidas. Talvez esta tenha sido uma das razões para o recorde nos números de assassinatos em 2017”, avaliou Leather.

Queda no orçamento

Wayne Lotter, fundador membro da Organização Não-Governamental de Conservação, foi assassinado a tiros por dois homens na Tanzânia ano passado. Foto: PAMS Foundation in Tanzania/Facebook.

A diminuição orçamentária das instituições acontece em meio ao cenário de ajustes fiscais do governo federal para equilibrar as contas públicas.

Em 2017, o INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), responsável pela titulação de terras quilombolas e distribuição de assentamentos agrários no país, teve seu orçamento reduzido em 30%. Desde 2000, seu orçamento apresentou uma queda de 94%, segundo a Comissão Pró-Índio. Para 2017, o órgão dispôs de apenas R$ 4 milhões para encaminhar mais de 1.600 processos de titulação. Em 2010, eram R$ 64 milhões.

Já a FUNAI (Fundação Nacional do Índio) reduziu pela metade e foi forçada a fechar alguns escritórios regionais. Em 2016, o seu orçamento foi o menor em quatro anos, R$ 533,7 milhões. Em 2017, o valor foi um pouco maior, de R$ 547,9 milhões, mas, com a correção da inflação, houve uma queda de mais 2% em relação ao ano anterior.

A política indigenista deve enfrentar “severas dificuldades políticas e operacionais” em 2018, anunciou o INESC (Instituto de Estudos Socioeconômicos) em nota no início do ano. O orçamento autorizado para o órgão em 2018 é de R$ 596,90 milhões. Contudo, esse ganho não é capaz de recompor a capacidade orçamentária da Funai, que segue como uma das mais baixas dos últimos dez anos.

Entre as recomendações da Global Witness, o relatório defende que o orçamento e a capacidade institucional tanto do INCRA quanto da FUNAI sejam restabelecidas; ademais de priorizar o programa de proteção aos defensores dos direitos humanos e garantir a sua efetividade em todo o país.

Impunidade: placa em homenagem à Irmã Dorothy está crivada de balas. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil.

Por último, a ONG recomenda que os crimes contra defensores ambientais sejam “federalizados”, isto é, deixem de ser investigados no âmbito local e sejam transferidos para as mãos de promotores federais quem, segundo a ONG, poderão garantir mais “imparcialidade, criar um ambiente mais seguro para as testemunhas e reduzir a impunidade”.

O informe da Global Witness também mencionou o trabalho da CPT, que atua desde 1975, documentando os casos de violência contra defensores da terra, do meio ambiente e de trabalhadores rurais. Em junho deste ano, a CPT lançou seus dados de 2017 e também registrou o crescente número de mortes em conflitos no campo dos últimos 14 anos, com 71 casos. Os dados já davam conta de que as tentativas de assassinatos subiram mais de 60% e ameaças de morte 10% em relação ao ano anterior.

 

 

Leia Também

Marco Aurélio solta mandante do assassinato de Dorothy Stang

IUCN lamenta morte de defensor da vida selvagem Wayne Lotter

Governo só demarca se indígenas apoiarem usina no Tapajós

 

 

 

 

1 comentário em “Brasil lidera (de novo) o número de assassinatos de ambientalistas”

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.