Reportagens

Madeira? Não. Biomassa!

Líderes das maiores florestas lamentam ausência nos debates sobre o efeito estufa e as indefinições do mercado de carbono e discutem se o futuro das árvores está na biomassa.

Manoel Francisco Brito ·
17 de novembro de 2008 · 13 anos atrás
Tasso Azevedo, do Serviço Florestal Brasileiro, diz que a instituição que ele comanda não está oficialmente envolvida nas discussões de governo sobre o aquecimento global. Mas ele, pessoalmente, está. “Em quase todos os países, quem faz parte do círculo oficial de discussão sobre esse assunto não conhece florestas”, afirma.
Tasso Azevedo, do Serviço Florestal Brasileiro, diz que a instituição que ele comanda não está oficialmente envolvida nas discussões de governo sobre o aquecimento global. Mas ele, pessoalmente, está. “Em quase todos os países, quem faz parte do círculo oficial de discussão sobre esse assunto não conhece florestas”, afirma.
Na manhã seguinte, Azevedo liderou a visita dos Megaflorestais aos 400 mil hectares onde operam uma operação madeireira de baixo impacto ambiental e uma usina de geração de energia da Precious Woods. A área fica a mais ou menos uma hora de Itacoatiara e depois do que disse Roberts, a visita a ela ganhou significado especial. De certo modo, pelo menos ali em Itacoatiara, a Precious Woods está com um pé no futuro que ele desenhou. Ela já tira renda queimando biomassa na usina que supre 70% das necessidades de luz de Itacoatiara. Essa operação é responsável por  40% de sua receita operacional anual.

*Manoel Francisco Brito acompanhou a reunião dos Megaflorestais à convite do Serviço Florestal Brasileiro

Leia também

Salada Verde
17 de junho de 2021

Em carta, SBPC se manifesta contra aprovação da nova Lei Geral do Licenciamento

Para a entidade, a versão do PL 3729/2004, aprovado na Câmara, é incompatível com a Constituição Federal e fere princípios da gestão ambiental nacional

Salada Verde
17 de junho de 2021

Em apenas um mês, desmatamento na Amazônia aumentou 70%

Com 1.125 km² de floresta desmatada, é a terceira vez consecutiva que a destruição no bioma bate o recorde em uma década, tendo o pior saldo para o mês de maio desde 2010

Reportagens
17 de junho de 2021

Cheia histórica no Amazonas é uma mistura da variabilidade natural com mudanças climáticas

Porto de Manaus registrou nível do Rio Negro de 30,02 metros, a maior altura desde 1902. Com a água invadindo casas à margem dos igarapés, população local fica em situação de extrema vulnerabilidade

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta