Vozes do Planeta discute o impacto da pesca na biodiversidade marinha

terça-feira, 6 abril 2021 2:15

A Netflix lançou no mês passado o documentário “Seaspiracy – Mar Vermelho”, que mostra o impacto da pesca predatória na biodiversidade marinha. A discussão abordada no filme também foi tema, na última sexta-feira (2), do podcast Vozes do Planeta. Para mensurar a quantidade de danos causados pelo pesca predatória, o cineasta Ali Tabrizi analisa dados e entrevista pesquisadores. Nathalie Gil, diretora de desenvolvimento da Sea Shepherd Brasil, conversou com apresentadora Paulina Chamorro sobre o trabalho da organização, que teve destaque no filme. “Um grande desafio são as áreas mais ricas com relação à biodiversidade, as costeiras. São lá que estão a maior quantidade da vida marinha. Portanto, é onde o maior interesse dessa pesca predatória está presente. Nos associamos e fizemos parcerias com governos para termos atuação nas áreas soberanas de alguns governos para garantir o monitoramento de navios de pesca que estão operando de maneira ilegal”.

“A pesca foi se tornando cada vez mais eficiente. Os emalhes e as redes foram se tornando, como o próprio documentarista fala, ‘fábricas de morte’ que não fazem seleção do que está caindo na rede”, explica Nathalie.

Concebido e apresentado pela jornalista Paulina Chamorro, desde 2016 o podcast Vozes do Planeta se dedica a tratar de temas relacionados à sustentabilidade e meio ambiente. 

Na sequência, Paulina conversou com Natalie Unterstell, coordenadora do Política por Inteiro, sobre o relatório, que será lançado em breve, “Pesca por Inteiro”, que analisa movimentações do executivo no setor pesqueiro. “Verificamos que foram editados 79 atos com potencial interesse e relevância para questões ambientais nesse segmento (pesca)”, revela. De acordo com Natalie, as principais mudanças mapeadas pelo estudo favorecem a uma “alienação de órgão ambientais” para que o setor se autorregule. 

Governo reduz participação da sociedade civil 

Na última parte do podcast, a jornalista Duda Menegassi, de ((o))eco, explicou as alterações do ICMBio nos Planos de Ação Nacional (PAN) para conservação de espécies ameaçadas de extinção. 

A partir de uma retificação publicada no fim do mês passado, O Grupo de Assessoramento Técnico (GAT), que implementa e supervisiona os planos, será composto apenas por “agentes públicos da administração pública federal até o limite de cinco membros” e convidados. Antes da alteração, o grupo era formado por membros não-remunerados que normalmente incluíam representantes do ICMBio, da academia, de ONGs e de associações da sociedade civil.

“Todas essas alterações deixaram muitos pesquisadores preocupados sobre como continuarão os grupos dos PANs que já estão em curso, como ficará a transparência dos estudos levantados e a construção das ações de conservação. Sem dúvida, essa é uma pauta que vale a pena ficar de olho”, explica Duda.

O programa ainda abriu espaço para conversas sobre contabilidade ambiental e a recuperação de corais em Tamandaré, em Pernambuco. 

Confira aqui na íntegra a última edição do podcast Vozes do Planeta:

Leia Também

https://www.oeco.org.br/noticias/estudo-inedito-mapeia-areas-prioritarias-para-conservacao-dos-oceanos-no-planeta/

Leia também

Em 2 meses, mais de 300 toninhas foram mortas apenas no Rio Grande do Sul

Animal caminha a passos largos para a extinção – e a captura acidental por rede de pesca é um dos grandes responsáveis. Última toninha encontrada morta estava com rede presa na boca

Estudo inédito mapeia áreas prioritárias para conservação dos oceanos no planeta

Pesquisadores levaram em conta a biodiversidade, manutenção do estoque pesqueiro e combate às mudanças climáticas para mapear zonas chave de proteção marinha no mundo

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.