Notícias

Vale repete Mariana e rejeitos poderão chegar ao rio São Francisco

Cerca de 1 milhão de metros cúbicos de lama foram derramados no acidente. Rejeitos chegarão à hidrelétrica de Retiro Baixo em dois dias. Objetivo é que ela amorteça a onda de lama

Daniele Bragança ·
25 de janeiro de 2019 · 2 anos atrás
Rompimento da barragem em Brumadinho. Foto: WhatsApp.

A mineradora Vale adotou em 2017 o lema ‘Mariana nunca mais’, em alusão ao acidente na barragem da mineradora Samarco, ocorrido há 3 anos, e que destruiu a bacia do rio Doce. A Samarco é controlada pelas mineradoras Vale e BHP Billiton. Pois Mariana voltou a acontecer nesta sexta-feira (25), em doses (por enquanto) menores do ponto de vista ambiental e maiores do ponto de vista humano. Se a tragédia ocorrida em novembro de 2015 deixou 19 mortos, na de hoje estão confirmados 7 mortos e mais de 150 pessoas desaparecidas.

No total, três barragens de rejeitos de mineração se romperam no fim da manhã desta sexta-feira (25), mudando a paisagem do município de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com o Corpo de Bombeiros, até o início da noite 189 pessoas foram resgatadas com vida. Parte são funcionários da própria Vale, que estavam almoçando no momento do acidente.

A lama atingiu o rio Paraopeba, ‒ que faz parte do sistema de abastecimento de água da região metropolitana de Belo Horizonte ‒, e segue a caminho do município de Betim e Pará de Minas. As prefeituras pediram para que moradores esvaziem casas próximas das margens do rio. A lama deverá atingir a hidrelétrica de Retiro Baixo, localizada entre os municípios de Curvelo e Pompeu, no domingo. Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), órgão agora ligado ao Ministério do Desenvolvimento Regional, a hidrelétrica deve amortecer a onda de rejeitos.

Se a lama for segurada, Furnas terá uma hidrelétrica a menos, mas isso evitará que a lama chegue ao rio São Francisco. Se transbordar, a tragédia de Brumadinho tem chances de superar Mariana no posto de maior tragédia ambiental da história.

Desculpas

Fabio Schvartsman, presidente da vale, durante coletiva. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil.

O presidente da Vale, Fábio Schvartsman, pediu desculpas às vítimas e disse que estava surpreso e transtornado por causa do rompimento. Segundo ele, a barragem estava inativa há três anos e não apresentava riscos. “Há mais de três anos [a barragem] não opera e estava em processo de descomissionamento. Ela sequer vinha recebendo rejeitos da mineração. (…) Quando digo surpreso, é que há laudos das consultorias que atestam a estabilidade da barragem. Daí nossa surpresa”, afirmou, em coletiva. “Como vou dizer que a gente aprendeu [com Mariana] se acaba de acontecer um acidente desses?”, disse.

Neste sábado, o presidente Jair Bolsonaro sobrevoará a região, junto com os ministros de Minas e Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional, além do  Secretário Nacional de Defesa Civil. O presidente da Vale participará da comitiva.

 

 

Leia Também

Tragédias como Mariana deviam ensinar

BHP Billiton é processada na Inglaterra por desastre em Mariana

Um desabafo por Mariana

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Colunas
25 de novembro de 2015

Um desabafo por Mariana

Mariana chora assolada em lama que se arrasta até o oceano. A chance de recuperação é pequena, seja pelo grau da devastação ou pela omissão política.

Salada Verde
12 de novembro de 2018

BHP Billiton é processada na Inglaterra por desastre em Mariana

Vítimas do rompimento das barragens de rejeitos da mineradora Samarco entraram com uma ação coletiva em Liverpool. Valor do processo é de £ 5 bilhões de libras

Análises
17 de dezembro de 2015

Tragédias como Mariana deviam ensinar

Desastres ambientais ao redor do mundo deixaram lições valiosas para aqueles que sofreram com eles. Por aqui, parece que não aprendemos com nossos erros.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta