Notícias

Tubarão é morto com chutes e pauladas no litoral do Ceará

Vídeos do ocorrido revelam cenas de violência enquanto um grupo de pessoas maltrata e por fim mata o tubarão, na praia do Balbino, no Ceará

Duda Menegassi ·
16 de março de 2021
Depois de morto a base de pauladas e chutes, tubarão é arrastado por bugre pela praia. Imagem: Reprodução

No último domingo (14), a praia do Balbino, no município cearense de Cascavel, foi palco de um ato de barbárie. À base de chutes e pauladas, um grupo de pessoas matou um tubarão que havia aparecido no litoral. A ação foi filmada por um dos participantes, que incentiva a agressão com gritos, e circulou pelas redes sociais. As imagens mostram o animal, encurralado nas águas rasas pelo grupo, enquanto leva sucessivos golpes e alguns dos homens tentam agarrá-lo pelo rabo. Depois de resistir por um tempo, o tubarão é amarrado e arrastado até a areia, onde ainda se debate enquanto os ataques continuam. O autor do vídeo exclama então, “cadê o pau para matar?”. Fora d’água, com machucados visíveis e um pedaço de pau enfiado na garganta, o tubarão fica enfim imóvel. Uma criança, que observava a ação, dá a sentença “morreu, ele”.

O vídeo foi divulgado pela plataforma Uol Notícias e pode ser assistido aqui.

A Prefeitura de Cascavel publicou uma nota, através da Secretaria de Agricultura, Pesca, Meio Ambiente e Defesa Civil, em que manifesta seu repúdio ao ato de violência contra o tubarão. “A Secretaria informa que a Polícia Ambiental já está tomando as medidas cabíveis ao caso”, acrescenta.

De acordo com a nota da prefeitura, o animal seria um cação-mangona (Carcharias taurus), uma espécie considerada Criticamente Ameaçada de Extinção no Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção (Volume VI – Peixes – ICMBio, 2018). A distribuição desta espécie de tubarão se limita à porção sul da costa brasileira, entre os estados do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

((o))eco consultou o especialista em tubarões Vicente Faria, da Universidade Federal do Ceará (UFC) sobre a identificação da espécie. De acordo com ele, trata-se na verdade de um tubarão-de-cabeça-chata (Carcharhinus leucas), classificado como Quase Ameaçada pelo ICMBio. Vicente alerta, entretanto, que o grau de ameaça da espécie pode ser revisto em breve, pois já há indícios de declínio populacional em algumas áreas de ocorrência, como a própria costa do nordeste brasileiro.

O vídeo mostra as pessoas dando pauladas no tubarão, enquanto ele se debate nas águas rasas. Imagem: Reprodução

“A minha impressão sobre a situação é que a motivação foi comercial, pela oportunidade de fazer uma renda em cima do animal, porque não tinha ninguém com medo ali envolvido na ação. Ao mesmo tempo, é importante entender que em uma atividade de pesca, esperam-se certos procedimentos para o abate de um animal e o que vimos ali foram chutes, aviso para acertar nos olhos, aquele pau enfiado na boca, que não se parece em nada com procedimento de abate pesqueiro, que visa algo que não prolongue a dor do animal. A própria questão de arrastar o animal pela areia tem uma simbologia muito ruim e até ruim para qualidade do pescado”, aponta o especialista.

O tubarão-de-cabeça-chata é comum nas águas mais rasas da costa, mas Vicente ressalta que não há registros de incidentes nas interações entre tubarões humanos no litoral do Ceará, e bastaria respeitar o espaço do animal para evitar riscos aos banhistas ou mesmo ligar para a Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança do Ceará (Ciops), no 190.

“É uma espécie que gosta de águas costeiras, então não há nada de anormal, e poderia ter até rendido uma bela imagem pro Ceará de um ambiente preservado, mas tivemos o contrário, uma imagem de selvageria”, lamenta o professor.

O ataque pode ser enquadrado como maus-tratos e crime ambiental, conforme especificado no Art. 32 da Lei nº 9.605/98, com pena prevista de três meses a um ano de reclusão e multa. Um dos homens envolvidos na agressão, chega a dar o alerta para quem está filmando de que “não é para mostrar esse vídeo para ninguém”.

O tubarão foi removido por um bugre, que arrastou a carcaça do animal pelas areias do Balbino. De acordo com uma testemunha ouvida pelo G1 Ceará, depois de morto, o tubarão foi levado pelas próprias pessoas envolvidas no “abate”, que seriam pescadores locais, com o objetivo de comê-lo.

 

Leia também

Justiça condena empresa por comércio ilegal de barbatanas de tubarão

Em 2 meses, mais de 300 toninhas foram mortas apenas no Rio Grande do Sul

Kassio Nunes concede liminar para pesca de arrasto na costa do Rio Grande do Sul

  • Duda Menegassi

    Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Salada Verde
17 de dezembro de 2020

Kassio Nunes concede liminar para pesca de arrasto na costa do Rio Grande do Sul

O Ministro do Supremo Tribunal Federal concedeu uma liminar que autoriza a pesca com rede de arrasto dentro das 12 milhas náuticas da zona costeira do Rio Grande do Sul, contrariando lei estadual

Notícias
12 de janeiro de 2021

Em 2 meses, mais de 300 toninhas foram mortas apenas no Rio Grande do Sul

Animal caminha a passos largos para a extinção – e a captura acidental por rede de pesca é um dos grandes responsáveis. Última toninha encontrada morta estava com rede presa na boca

Salada Verde
11 de dezembro de 2018

Justiça condena empresa por comércio ilegal de barbatanas de tubarão

A empresa Pará Alimentos foi condenada a pagar R$ 20 mil a entidades ambientais ou culturais públicas. O estabelecimento ainda pode recorrer da decisão

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. jtrudajtruda diz:

    "Pescador artesanal e sua sabedoria tradicional".


  2. Avatarcarlos diz:

    Que triste. Brasileiro não tem consciência ambiental alguma.