Senador pede urgência em projeto que reduz Parque Nacional de São Joaquim

Duda Menegassi
terça-feira, 20 outubro 2020 19:07
Senador Esperidião Amin (PP-SC). Foto: Pedro França/Agência Senado.

Nesta segunda-feira (19), o senador Esperidião Amin (PP-SC) solicitou urgência ao Senado para deliberação sobre o projeto que propõe a redução do Parque Nacional de São Joaquim, em Santa Catarina. O pedido do parlamentar foi encaminhado à Comissão de Meio Ambiente, que atualmente avalia o Projeto de Lei do Senado (PLS nº 208), cujo teor propõe que a unidade perca cerca de 20% do território atual do parque.

Esperidião assina o requerimento enviado ao Senado como líder do bloco partidário Unidos pelo Brasil, do qual fazem parte outros 22 senadores, entre eles Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Renan Calheiros (MDB-AL) e a ex ministra da agricultura, Kátia Abreu (PP-TO). Um dos autores do projeto, o senador Dário Berger (MDB/SC), também integra o bloco.

O Parque Nacional de São Joaquim, localizado entre os municípios de Urubici, Bom Jardim da Serra, Grão-Pará, Lauro Muller e Orleans, foi criado em 1961 e ampliado em 500 hectares no ano de 2016. De acordo com o novo desenho proposto pelo PLS, o parque perderia cerca de 10 mil hectares dos 49.800 hectares que possui hoje. O novo traçado de 39.440 hectares, uma área 20% menor, também teria novo nome: “Parque Nacional da Serra Catarinense”.

Cachorro do mato (Cerdocyon thous) no Parque Nacional de São Joaquim. Foto: Wikiparques.

Além de Berger, o projeto é de autoria de outros dois senadores: Dalirio Beber (PSDB/SC) e Paulo Bauer (PSDB/SC). Eles justificam a redução devido a inclusão indevida, com a alteração feita em 2016, de “glebas de terras sem o devido processo legal, afetando um número muito grande de famílias que vivem e tiram seu sustento daquela área rural”. O texto cita ainda o potencial de São Joaquim para empreendimentos eólicos.

O PLS, discutido desde 2018, é rejeitado por ambientalistas que apontam que a revisão de limites exclui áreas como o Cânion do Funil e dos Campos de Santa Bárbara – onde ocorrem os campos de altitude – que são pouco povoadas e possuem alto valor ecológico e cênico. 

 

Leia também

Parque Eólico poderá instalar aerogerador a 60 metros do Parque Nacional São Joaquim

ICMBio cria grupo para analisar redução do Parque Nacional de São Joaquim

https://www.wikiparques.org/o-primeiro-episodio-do-pe-no-parque-esta-no-ar/

 

 

18 comentários em “Senador pede urgência em projeto que reduz Parque Nacional de São Joaquim”

  1. Bom dia

    Esta família Amin, sempre "dando rasteiras" contra a Biodiversidade. $ão os parque$ eólico$$, $omente i$to que move os Amin$$$$.

    Tem rolinho aí……..

    Responder
    • Isto é reparação de uma injustiça quando em 2016 alteram as medidas do parque, incluindo terras de pessoas que sobrevivem delas. O parque eólico é uma iniciativa dos proprietários para aumentarem suas rendas, vendendo energia que é uma necessidade futura. Te dou certeza não tem Robinho!!!

      Responder
  2. Amim em 1985 como governador fez um comodato com um clube de futebol de joinville que iria destruir no bairro Floresta uma APP de 40.000 m2. Felizmente o clube não utilizou área que hoje funciona como regulador do clima neste bairro e representa um dos mais ricos fragmentos da Mata Atlântica de Joinville.

    Responder
  3. Deve ser porque eles querem deixar para seus filhos e netos uma Terra Árida sem condições de sobrevivência.
    Só Deus para da jeito nesses Políticos.

    Responder
  4. Sempre o maldito olho no dinheiro Público para beneficiar poucos BANDIDOS e piorando a situação hídrica na qual passamos,… Afinal está em risco o último corredor ecológico do Estado e principal fonte das três maiores Bacias Hidrográficas de Santa Catarina. ESSE CRIME ambiental e Social não pode ir adiante URGENTE um estudo sério no impacto ambiental é indispensável e certamente não será reduzido ao contrário Ampliado em compensação.

    Responder
  5. Esse bloco está, realmente, aproveitando a pandemia para "passar a boiada. Lamentável! Enquanto o mundo inteiro está, seriamente, preocupado com o aquecimento global, os políticos, insensatos, aqui no Brasil andam na contramão. Que tristeza!

    Responder
  6. Por favor antes de comentar se informem bem!!! Isto se trata da reparação de uma injustiça que aconteceu em 2016. Famílias que tiram seu sustento da terra tiveram as mesmas incluídas nas terras do parque que já existia desde 1961. Imagem-se no lugar destas pessoas???

    Responder
  7. Cambada de genocidas, já fizeram da ilha de Florianopolis uma latrina a ceu aberto, com uma expeculação imobiliaria de enoxar os piores degradadores de ambientes naturais do mundo, agora querem destruir um parte aleijando 1/3 a sua area de abrangencia,certa de mais de 10000 ha,e tem um energume, imbecil que diz e para recompensar um aumento de 500 ha em 2016.O mundo todo lutando para aumentar as areas naturais visando refrigerar um clima cada vez mais insuportavelmente quente e com tantas anomalias no clima, que já é enormemente sentido em Santa Catarina, com enchentes e tornados anormais. Esse Amim é uma fascista conhecido que a muito destroi e empobrece o Estado de Santa Catarina,

    Responder
  8. Lamentavelmente vcs não sabem do que se trata. A ampliação ocorreu de forma irregular( sem audiencias publicas) . Procurem saber o real motivo do porque da ampliação em 2016 ( cuidado com as mentiras) . Consultem o conselho do eco museu serra do rio do radtro, em Lauro Muller SC

    Responder
  9. Entendo que as delimitações de UC's por vezes são problemáticas e não levam em consideração populações de entorno, porém a manutenção de matas nativas e áreas protegidas é imprescindível para a nossa permanência nesse planeta. Co tanta terra improdutiva, nas mãos de empresários, temos que aprender a priorizar quais terras terão determinados destinos. UC's TEM QUE SER PRIORIZADAS. PARA O NOSSO PRÓPRIO BEM!!!!

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.