Notícias

Seca no Pantanal produz árvores sem frutos e animais ficam sem comida

Voluntários têm espalhado frutas por pontos estratégicos para ajudar na alimentação de animais silvestres. Seca severa afetou as árvores frutíferas

Leandro Barbosa · Victor Del Vecchio · Gabriel Schlickmann ·
6 de setembro de 2021

Alice Galvão do Nascimento, dona da Pousada Rio Mutum, foi enfática: “Em 2020, o fogo no Pantanal acabou com a comida dos animais. Este ano, as árvores até ficaram verdes de novo, mas o fruto, a comida, não tem, faltou água com essa seca”. Até mesmo as várias mangueiras que ocupam a área verde da pousada não produziram o fruto. No lugar das mangas que deviam cobrir o chão, há apenas um gramado seco. 

Para alimentar os animais da região e que ocupam os recintos da pousada, onde funciona um projeto de recuperação e soltura branda de animais silvestres, Alice conta com a doação de frutas e legumes. Quando o alimento chega, os funcionários do local se dividem e saem de barco e carro despejando a comida em pontos estratégicos da mata que rodeia o lugar. “A gente faz o que pode, mas não é o suficiente. Quando a gente chega já não tem nem resto de comida”, lamenta Alice. 

Sucuri. Foto: Gabriel Schlickmann.

Estar na Mutum é um momento ‘light’ diante de tudo que encontraremos a partir de amanhã em São Pedro de Joselândia e nos dias seguintes quando chegarmos à Transpantaneira, a porta de entrada do Pantanal matogrossense. Enquanto na pousada os animais encontram comida e água, nestes lugares há apenas seca e fogo. Há semanas bombeiros, brigadistas e voluntários lutam para salvar os animais em meio aos incêndios na rodovia. Lá, lugares como o Parque Encontro das Águas, onde se concentra o maior número de onças-pintadas do mundo, estão em chamas outra vez. Em 2020, o parque teve mais de 80% do seu território incendiado. 

Em redes sociais, inúmeros projetos que atuam no resgate aos animais silvestres feridos são enfáticos ao dizerem que muitos bichos estão morrendo queimados, e, para aqueles que estão feridos e são resgatados, não há recintos para levá-los. Alguns destes projetos, como a Ampara Silvestre, correm contra o tempo para oferecer um local de tratamento. Para isso, contam com financiamento coletivo.

Foto: Gabriel Schlickmann.

Pantanal ameaçado é um projeto de Leandro Barbosa, Victor Del Vecchio, Lina Castro e Gabriel Schlickmann, financiado coletivamente e que conta com o apoio da iniciativa Observa-MT.

  • Leandro Barbosa

    Jornalista, com publicações nos jornais The Intercept Brasil, Ponte Jornalismo, Globoplay, El País Brasil, UOL, Yahoo, Agência Pública e na revista americana Atmos

  • Victor Del Vecchio

    Advogado e mestrando em Direito Internacional pela USP, professor da Casa do Saber

Leia também

Notícias
5 de setembro de 2021

No Pantanal, animais à procura de água param de evitar humanos

Em São Pedro da Joselândia, animais precisam andar quilômetros atrás de água. Em Barão de Melgaço, uma anta veio a óbito por causa seca. Saiba como foi o nosso segundo dia em campo

Notícias
4 de setembro de 2021

Diário de bordo: Chegada ao Pantanal Matogrossense e o objetivo desse blog

Nossa equipe passará 10 dias em campo e contará, aqui, em ((o))eco, a situação das queimadas e secas no bioma que mais perdeu superfície hídrica no país

Notícias
18 de junho de 2021

Duas onças-pintadas e outros 17 animais são encontrados mortos no Pantanal

Polícia suspeita de envenenamento. Animais foram encontrados porque uma das onças estava sendo monitorada com colar transmissor de sinal GPS

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta