Notícias

RPPN Sesc Pantanal: Anta morre de sede em reservatório seco

Unidade de conservação usa caminhões-pipa para encher os reservatórios, mas o esforço tem sido insuficiente devido à seca. Em 2020, 93% da área pegou fogo

Leandro Barbosa · Victor Del Vecchio · Gabriel Schlickmann ·
8 de setembro de 2021

Acordamos no Posto São Luís, base central que abriga os guarda-parques e brigadistas da RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural), área de proteção criada há 24 anos que é gerida pelo SESC Pantanal, onde só circulam pessoas autorizadas. A unidade de conservação carrega as cicatrizes do fogo do ano passado, que atingiu 93% de sua área de 108 hectares. 

Alessandro de Amorim, chefe de brigada, nos levou logo cedo para um reservatório praticamente seco no qual pássaros, mamíferos, insetos e répteis recorrem às fendas e buracos onde a água fica acumulada para matar a sede. Dentre os sons das várias espécies de aves que ali estavam, chamava atenção o zumbido das abelhas, que também sofrem com a crise hídrica e buscavam saciar sua sede.

Alessandro comentou que só resta umidade ali, porque com alguma frequência o caminhão-pipa, que drena água do poço artesiano da base, sai abastecendo os tanques. A água dura em média de 10 a 15 dias nos 50 reservatórios espalhados pela Reserva. Contudo, os esforços não são suficientes para garantir hidratação em toda extensão da RPPN, devido à maior seca que o bioma enfrenta nos últimos 60 anos. 

Um veado em busca d’água. Foto: Gabriel Schlickmann.

Foi o que testemunhamos na parte da tarde, quando visitamos um reservatório recém abastecido que tinha uma fina lâmina de água, mas que chegou tarde demais para uma das antas de um grupo de 8. O animal foi encontrado pelos guardas ainda com vida, mas estava muito debilitado e, mesmo hidratado, não resistiu e veio a perecer quase na beira do tanque.

Nossa tarde contou também com a presença da bióloga, professora aposentada da UFMT e pesquisadora do INAU (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Área Úmidas), Cátia Nunes, que compartilhou um pouco de seus conhecimentos, explicando as dinâmicas de vida antes, durante e depois das inundações, e como elas vêm se alterando e sofrendo com a falta de água que, pelo segundo ano consecutivo, não alaga a região.

Enquanto falávamos com ela no meio da mata, tivemos um suspiro de esperança: uma garoa veio presentear aquele momento. Foi muito lindo ver a emoção com a qual a equipe do SESC vibrou pelo momento: sorrisos, abraços, agradecimentos, olhares de alívio para o céu. Mas foi apenas um breve refresco, infelizmente a chuva foi muito localizada e em volume insuficiente para encher reservatórios, que ainda dependem das ações emergenciais da brigada para não secarem por completo.

O que sobrou do reservatório. Foto: Gabriel Schlickmann.
Um tucano no reservatório seco. Foto: Gabriel Schlickmann.
O brigadista Alessandro de Amorim. Foto: Gabriel Schlickmann.
Foto: Gabriel Schlickmann.

Pantanal ameaçado é um projeto de Leandro Barbosa, Victor Del Vecchio, Lina Castro e Gabriel Schlickmann, financiado coletivamente e que conta com o apoio da iniciativa Observa-MT.

  • Leandro Barbosa

    Jornalista, com publicações nos jornais The Intercept Brasil, Ponte Jornalismo, Globoplay, El País Brasil, UOL, Yahoo, Agência Pública e na revista americana Atmos

  • Victor Del Vecchio

    Advogado e mestrando em Direito Internacional pela USP, professor da Casa do Saber

Leia também

Notícias
8 de setembro de 2021

Pantanal: também falta água para o abastecimento humano

Famílias fazem mutirão para pagar custo de perfuração de poços para alcançar a água no bioma que era conhecido pela fartura hídrica. Nos rios secos, carcaças de jacarés aparecem ao lado das poças que sobraram

Notícias
6 de setembro de 2021

Seca no Pantanal produz árvores sem frutos e animais ficam sem comida

Voluntários têm espalhado frutas por pontos estratégicos para ajudar na alimentação de animais silvestres. Seca severa afetou as árvores frutíferas

Notícias
5 de setembro de 2021

No Pantanal, animais à procura de água param de evitar humanos

Em São Pedro da Joselândia, animais precisam andar quilômetros atrás de água. Em Barão de Melgaço, uma anta veio a óbito por causa seca. Saiba como foi o nosso segundo dia em campo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta