Notícias

Restaurar florestas pode fazer o Rio economizar 156 milhões em 3 décadas

Investir em plantio reduz a quantidade de sedimento nos rios e pode melhorar a vida financeira da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae)

Daniele Bragança ·
13 de dezembro de 2018 · 3 anos atrás
Estação do Guandu – Foto: TRT RJ/Flickr.

Investir em restauração florestal pode fazer a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) economizar 156 milhões de reais em 30 anos. A conclusão é do estudo “Infraestrutura Natural para Água no Sistema Guandu, no Rio de Janeiro”, lançado na tarde desta quinta-feira (13) no Museu do Amanhã.

O estudo foca na estação de tratamento de água de Guandu, considerada a maior do mundo. O ETA Guandu realiza o tratamento da água que abastece 92% da população da região metropolitana do Rio. De acordo com os dados, caso sejam incentivados a preservação de áreas naturais existentes e o plantio de até 3 mil hectares de áreas consideradas altamente degradadas, a quantidade de sedimentos que chega nos rios seria reduzida em 33%. Essa redução significaria uma economia de 4 milhões de toneladas de produtos químicos e 260 mil MWh em energia usados no tratamento de água, gerando o retorno do investimento de 13%, compatível com os resultados financeiros de obras no setor.

“O estudo mostra que a restauração florestal torna o sistema de abastecimento do Rio mais resiliente e a economia mais eficiente”, diz Rafael Feltran-Barbieri, economista do WRI Brasil e um dos autores do estudo.

Os governos normalmente usam obras de infraestrutura para enfrentar crises hídricas, como obras de transposição, reservatórios e canais. Um dos objetivos do estudo lançado nesta quinta-feira é apresentar o investimento em florestas como alternativa, tanto na preservação da existente quanto no reflorestamento de áreas degradadas.

“Conservar as florestas remanescentes e recuperar aquelas que foram derrubadas ao longo de anos são investimentos possíveis. Gestores dos serviços hídricos de todo o país devem considerar essa alternativa, benéfica para a sociedade e para o planeta”, afirma Malu Nunes, diretora-executiva da Fundação Grupo Boticário.

O estudo foi produzido pelo WRI Brasil, Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e The Nature Conservancy (TNC), e contou com apoio de Fundação FEMSA, União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), Instituto BioAtlântica (IBio) e Natural Capital Coalition.

Saiba Mais

Infraestrutura Natural para Água no Sistema Guandu, no Rio de Janeiro

 

Leia Também

MPF pede que Cedae seja condenada por crime ambiental na Reserva do Tinguá

Saneamento e Código Florestal em debate no Dia da Água

Saneamento básico está longe de ser para todos no Brasil

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Salada Verde
13 de junho de 2012

Saneamento básico está longe de ser para todos no Brasil

Pesquisas mostram que, em regiões do Norte e Centro Oeste do país, mais de 50% da população não tem acesso à água ou à rede de esgoto.

Salada Verde
23 de março de 2011

Saneamento e Código Florestal em debate no Dia da Água

Comissão de Meio Ambiente convoca autoridades para discutir gestão dos recursos hídricos.

Notícias
30 de agosto de 2018

MPF pede que Cedae seja condenada por crime ambiental na Reserva do Tinguá

Entre 2006 e 2010, companhia captou e tratou de água no interior de unidade de conservação de proteção integral sem autorização e licenciamento ambiental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta