Notícias

Responsável por relatório que expõe ineficiência no Ibama, servidor teria sido ameaçado

Rumores indicam que o servidor do Ibama teria sido ameaçado após escrever nota técnica expondo ineficiência do atual sistema de multas do órgão

Duda Menegassi · Daniele Bragança ·
6 de maio de 2021

Um dia após assinar e enviar uma nota técnica ao Tribunal de Contas da União em que expõe a ineficiência do novo modelo sancionador ambiental, o servidor Hugo Ferreira se viu novamente no centro das atenções na sede do Ibama em Brasília. Isso porque na manhã desta quinta-feira (06) começou a circular em grupos de mensagens e redes sociais que o analista ambiental teria sido ameaçado e seu computador de trabalho apreendido. O rumor gerou reações imediatas e ganhou proporção, inclusive com a denúncia de tentativa de agressão ao servidor por policiais militares que hoje ocupam cargos de chefia dentro do Ibama. Uma outra versão dos fatos, ouvida por ((o))eco, conta que o computador de Hugo permanece em sua mesa e quem foi reconduzido foi ele próprio, a princípio para outra sala, e que ele queria levar seu computador, mas teve seu pedido negado. O HD do servidor também teria sido levado. As duas versões entretanto concordam em um ponto: houve discussões entre o analista da Superintendência de Apuração de Infrações Ambientais (Siam) e seu chefe, o Tenente-Coronel da Polícia Militar, Wagner Tadeu Matiota.

Os eventos de uma ou outra versão deixam claro o clima de tensão na Siam um dia depois de encaminhado um relatório feito a pedido do Tribunal de Contas da União (TCU) que realiza auditoria interna do órgão ambiental, e que expõe o estado de quase paralisia nos julgamentos de autos de infração desde que foi imposta a nova regra da conciliação ambiental, assinada em 2019. A nota técnica é assinada por Hugo e veio a público através de veículos de comunicação.

((o))eco procurou o Ibama para comentar as acusações, a assessoria de imprensa disse que o servidor “não foi impedido de trabalhar”.

A nota técnica enviada ao TCU expõe que apesar das 14,9 mil multas emitidas entre 2019 e 2021, foram realizadas apenas 252 audiências de conciliação, 5 em 2020 e 247 em 2021, o que representa menos de 2% do total. Dentre as audiências realizadas, a nota afirma ainda que 76 foram infrutíferas. Para o mês de maio de 2021 estão agendadas apenas mais 55 audiências. A conciliação é um mecanismo criado pelo Decreto nº 9.760, publicado em abril de 2019 por Bolsonaro e Salles, e acrescenta mais uma etapa no processo de sanção ambiental.

O texto alerta ainda para a redução de audiências em função da Instrução Normativa Conjunta nº1/2021, apontada por servidores ambientais como uma norma paralisante que impede o trabalho dos fiscais. “A norma mencionada extinguiu a Equipe de Análise Preliminar (EAP) ligada aos núcleos de conciliação, que era encarregada de fazer a análise inicial das autuações e expedir um parecer a respeito da conformidade da sanção cabível, passível de ser submetida à audiência”, detalha o texto, que explica que essas atribuições passaram para os Núcleos de Conciliação, que possuem apenas uma dupla de servidores.

“Essa é uma situação que leva à precarização do processo sancionador ambiental”, aponta o texto do analista ambiental da Siam. “A nova norma em vigor trouxe impactos negativos ao processo sancionador e à ampliação da quantidade de audiências a serem realizadas, sobrecarregando os conciliadores e propondo estruturas de análises simplificadas que só aumentarão os trabalhos nas fases seguintes (de instrução e julgamento)”, continua a nota.

Além disso, o texto esclarece que “o instituto da conciliação nada mais fez do que interromper a marcha processual para oferecer ao autuado “soluções legais” que já existiam antes – ao menos a maioria delas – e que estavam à disposição do usuário: (i) pagamento da multa com 30% de desconto, (ii) parcelamento do débito em até 60 vezes, também com 30% de desconto (novidade trazida pelo Decreto 9.760/2019) e (iii) conversão da multa em serviços de melhoria à qualidade ambiental. Os três itens oferecidos na conciliação podiam ser pleiteados pelo autuado a qualquer momento, e deferidos após o ato de julgamento confirmatório da sanção, mesmo antes da edição do Decreto 9.760/2019”.

De acordo com Alexandre Gontijo, presidente da Associação dos Servidores da Carreira de Especialistas em Meio Ambiente do Distrito Federal(Asibama-DF), o novo modelo de processo sancionador das multas ambientais já foi denunciado pelos próprios servidores por paralisar o processo de apuração e ratificação das multas. “O TCU solicitou ao Ibama esclarecimentos sobre o desempenho do novo modelo, tal demanda foi encaminhada ao servidor para que o mesmo subsidiasse resposta ao TCU, já de forma extemporânea. O servidor atendeu à demanda, produzindo uma nota informativa na qual descreve de forma técnica e detalhada uma análise do novo modelo, concluindo que o modelo tem um desempenho negativo e tornou o processo sancionador das multas inoperante”, resume Gontijo, em conversa com ((o))eco.

“A posição da Asibama é que nós estamos em posição de defender nossos associados, os servidores da área ambiental. Esse é mais um caso de assédio e de pressão em cima de servidores que estão fazendo seu trabalho. O documento produzido pelo Hugo expõe o que está acontecendo com o sistema de multas, a paralisação desse sistema e ele acaba expondo também toda a série causal envolvendo os autores de gestão e de chefia. A gente tem visto cada vez mais ataques nesse sentido. Os servidores estão muito preocupados, isso é basicamente o trabalho deles. Isso é o que a gente precisa fazer mesmo. Mas nesse contexto é muito complicado. A turbulência tem sido muito grande, em especial por parte dos policiais militares que estão na chefia do Ibama”, completa o presidente da Asibama.

O deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), líder da Minoria na Câmara, pediu informações sobre o episódio ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Com a palavra, o Ibama

Em resposta encaminhada para a nossa reportagem, a autarquia ambiental federal, através de sua assessoria de imprensa, disse: “O Ibama informa que o servidor não foi impedido de trabalhar, mas suas alegações serão analisadas pelas instâncias administrativas próprias.”

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
21 de abril de 2021

Governo paralisa (de novo) fiscalização ambiental, denunciam servidores

Instrução Normativa publicada na semana passada retira autonomia de ação dos fiscais do Ibama e ICMBio, aumenta burocracia e favorece infratores

Notícias
22 de abril de 2021

Novas regras da fiscalização foram feitas para não serem cumpridas, denunciam servidores

Carta assinada por 210 servidores do ICMBio denuncia instrução normativa conjunta que paralisou fiscalização ambiental. Fiscais pedem revogação da norma

Notícias
16 de março de 2021

Ibama enfrenta dificuldades para cumprir meta de julgamento de autos de infração

Instituto convocou servidores para uma força-tarefa para conseguir cumprir a meta até o final de maio, que será quase 40% menor do que originalmente prevista

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta