Notícias

Redução de áreas verdes em São Paulo favorece mosquitos vetores

Mais adaptados às áreas urbanas, mosquitos como Aedes aegypti são beneficiados pelo declínio de outras espécies. Quanto menos áreas verdes, menos diversidade de habitats

Sabrina Rodrigues ·
18 de janeiro de 2018 · 3 anos atrás
Mais adaptados às áreas urbanas, mosquitos como Aedes aegypti são beneficiados pelo declínio de outras espécies. Foto: Wikipédia.
Mais adaptados às áreas urbanas, mosquitos como Aedes aegypti são beneficiados pelo declínio de outras espécies. Foto: Wikipédia.

 

A redução de áreas verdes nas cidades é terreno fértil para mosquitos vetores de doenças, como o Aedes aegypti (dengue) e o Culex quinquefasciatus (filariose linfática). Mais adaptados às áreas urbanas, eles são favorecidos pelo declínio da população de outras espécies de mosquitos.

Um estudo  publicado pela revista Scientific Reports explica que enquanto a maioria das espécies de mosquitos mostram preferência por tipos específicos de habitats larvais e são muito sensíveis às mudanças ambientais, alguns tendem a prosperar em ambientes com impacto humano, como as áreas urbanas. Com isso, vetores de patógenos que causam doenças em humanos acabam sendo beneficiados adaptativamente.

O município de São Paulo é um exemplo e serviu como cenário para a pesquisa. Dos insetos coletados no estudo em nove parques municipais da cidade, 68% pertenciam a cinco espécies: Culex nigripalpus, Aedes albopictus, Cx. quinquefasciatus, Ae. fluviatilis e Ae. scapularis. Outras espécies de vetores – Cx. declarator, Ae. aegypti, Cx. chidesteri, Limatus durhami e Cx. lygrus – também foram encontradas com maior frequência nos parques urbanos.

Esses resultados sugerem que existe uma relação área-espécie, uma vez que as maiores áreas têm maior diversidade de habitat, são metas maiores para os colonizadores e mantém populações maiores, tornando as espécies menos vulneráveis à extinção. Sete das oito espécies mais comumente encontradas são consideradas vetores de agentes patogênicos humanos, sugerindo uma possível ligação entre a perda de espécies e o aumento do risco de transmissão de patógenos.

Não é possível afirmar com certeza se há um maior risco de transmissão de patógenos, mas sim uma possibilidade maior de contato entre os mosquitos vetores e humanos. O que o estudo mostra é que existe um desequilíbrio, áreas menores e menos preservadas têm menor diversidade de espécies.

Na pesquisa, os autores apontam para a necessidade de se realizar mais trabalhos que busquem entender como a perda de espécies pode afetar o risco de doenças infecciosas em áreas urbanas.

*Com informações da Agência FAPESP

Saiba Mais

Mosquitoes in urban green spaces: using an island biogeographic approach to identify drivers of species richness and composition

 

Leia Também

Áreas Protegidas municipais fazem parte do planejamento urbano

Áreas Protegidas Urbanas melhoram a vida e aproximam brasileiros da Natureza

Benefícios das Unidades de Conservação municipais para a sociedade

 

 

 

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Análises
14 de setembro de 2017

Benefícios das Unidades de Conservação municipais para a sociedade

Entender como essas áreas geram serviços ambientais é fundamental para a promoção de políticas que enfrentarão o desafio de aliar conservação, bem-estar humano e desenvolvimento

Análises
29 de agosto de 2016

Áreas Protegidas Urbanas melhoram a vida e aproximam brasileiros da Natureza

Parques e unidades de conservação nas cidades salvaguardam a biodiversidade, mas também colocam as pessoas em contato e em defesa da Natureza

Análises
6 de setembro de 2017

Áreas Protegidas municipais fazem parte do planejamento urbano

As UCs municipais representam 41% da área protegida na Mata Atlântica e tal protagonismo as coloca como elemento essencial nos processos de desenvolvimento territorial

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 4

  1. AvatarRoberto Rocha diz:

    A eliminação do vetor pu hospedeiro intermediário (mosquito) pode contribuir para controlar uma determinada doença. Ou ainda eliminar ou impedir a ação do agente causal (vacinas). Não interessa eliminar o hospedeiro definitivo (nós e os macacos, por exemplo). Na natureza esses "vetores" (consumidores hematófagos) fazem parte da dieta de diversos predadores insetívoros, alados ou não. Fatores limitantes (físicos, químicos ou biológicos) contribuem para a depleção de suas populações e alteram a relação presa-predador. Considero que um estudo sobre quem são os predadores mais atuante em cada região ( e quem são os fatores mais relevantes) poderia ajudar a compreender a realidade atual. Áreas florestadas urbanas visitadas por espécies predadoras ajudam a eliminar esses vetores. É como ocorre no controle biológico de "pragas", onde a bibliografia é vasta. No entanto o uso de inseticidas como preferência nacional (propaganda maciça) pode estar mascarando soluções relevantes para o controle biológico de "vetores" que não estão sendo devidamente consideradas. É possível que já existam trabalhos nesse sentido mas pode ser que não estejam sendo bem aproveitados como deveriam. Assim como existe oportunismo para vetores podemos ter oportunismo para predadores. Ocorre por exemplo, que peixes que comem larvas precisam ter água com qualidade mínima para sua sobrevivências. A poluição e drogas químicas não estão permitindo que predadores possam se instalar "saudavelmente" em diversas áreas urbanas. Quem sabe possa ser uma sugestão interessante.


  2. AvatarPaulo diz:

    Então, explique Ciro.
    Estamos a aguardar.


  3. AvatarCiro Siqueira diz:

    Fosse na Amazônia era desmatamento. Mas como é em São Paulo é redução de áreas verdes.
    Muito legal o viés da página de vocês.
    Parabéns!!