Notícias

Quênia produz seu primeiro Censo Nacional de Vida Selvagem

O objetivo é entender melhor o tamanho das populações e sua distribuição, para identificar ameaças aos animais e sugerir estratégias de conservação

Bruna Martins ·
27 de maio de 2021

Famoso por suas áreas protegidas e por sediar o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), o Quênia, na África Oriental, está realizando seu primeiro levantamento nacional sobre a vida silvestre. O censo englobará tanto os animais silvestres terrestres quanto os aquáticos. O lançamento ocorreu no início do mês (07) e terminará em julho. A coleta de dados é importante para criação de políticas públicas de preservação dos animais selvagens, principalmente daqueles em risco de extinção.

A contagem está sendo feita por guardas-parques, pesquisadores e membros da comunidade. Financiado pelo Governo do Quênia e executado pelo Ministério de Turismo e Vida Selvagem, Serviço de Vida Selvagem do Quênia (KWS) e Instituto de Pesquisa e Treinamento da Vida Selvagem, o censo é realizado dentro das áreas de conservação e nos principais condados ricos em animais selvagens.

“É importante realizar esta Pesquisa Nacional para estabelecer uma base de dados e distribuição para uso futuro para entender as tendências da população de vida selvagem e mudanças em sua distribuição”, disse Najib Balala, secretário de gabinete de Turismo e Vida Selvagem, durante o lançamento oficial do censo, na Reserva Nacional Shimba Hills, localizado no condado de Kwale.

Lançamento do censo, na Reserva Nacional Shimba Hills. Foto: Kenya Wildlife Service.

A coleta se concentrará na contagem de espécies ameaçadas, como o pangolim, e o antílope negro, dos quais menos de 100 permanecem no Quênia.

A expansão dos assentamentos humanos, a mudança climática, que torna os recursos mais escassos e a caça ilegal contribuíram para o declínio das populações de vida selvagem. As populações de girafas no Quênia caíram cerca de 40% nos últimos trinta anos, de acordo com a Africa Wildlife Foundation.

Alguns dos animais mais vulneráveis ​​do Quênia, incluindo rinocerontes e elefantes, são contados periodicamente. Mas será a primeira vez que os animais serão contados sistematicamente em todas as áreas do país.

“Sabemos que há grandes lacunas. Provavelmente não sabemos muito sobre o que está acontecendo no norte do Quênia”, disse Winnie Kiiru, presidente interino do Instituto de Treinamento de Pesquisa da Vida Selvagem do Quênia.

  • Bruna Martins

    Jornalista em formação pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Leia também

Reportagens
7 de maio de 2019

Estudo global aponta para o risco iminente de extinção de nada menos do que 10% da vida na Terra

A razão para este cataclisma biológico é a superpopulação do planeta, associada à expansão agrícola para alimentar 7 bilhões de seres humanos e satisfazer suas necessidades de consumo

Reportagens
6 de janeiro de 2020

Ao mobilizar 20 mil estudantes pelo clima, jovem é ícone na defesa ambiental no Quênia

Destaque na Conferência do Clima, Liz Mazingira tornou-se uma voz ambiental reconhecida, após fundar um movimento nas escolas que já plantou mais de 30 mil mudas no país

Análises
14 de março de 2017

Wangari Maathai, uma mulher pelo Quênia e pelas árvores

Em um país pobre e num mundo fechado às mulheres, essa bióloga e Prêmio Nobel da Paz usou sua paixão e força para criar um movimento comunitário de reflorestamento

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1