Notícias

Quanto mais seco, pior

Estudo indica que distribuição de árvores na Amazônia indica tolerância à seca e traz advertência sobre consequências do aquecimento global para a Floresta Amazônica

Vandré Fonseca ·
21 de agosto de 2017 · 4 anos atrás
Seca limita a diversidade de árvores na floresta amazônica. Foto: Vandré Fonseca.
Seca limita a diversidade de árvores na floresta amazônica. Foto: Vandré Fonseca.

Manaus, AM — A intolerância a longos períodos sem chuvas limita a diversidade de árvores floresta amazônica. Espécies encontradas nas regiões mais úmidas da Amazônia, como matamatás, ucuúbas e ingás, não suportam bem a falta de água e podem ser prejudicadas por um clima mais seco.

A conclusão está em um artigo publicado nesta segunda-feira na revista Scientific Reports, que também traz um alerta sobre as consequências do aquecimento global sobre a Amazônia. “Se aumentar a frequência de secas e atemporalidades que aumentam o estresse hídrico, essas plantas não vão tolerar “, afirma a bióloga brasileira Adriane Esquivel Muelbert, autora principal do artigo e pesquisadora da Universidade de Leeds, Reino Unido.

Pela primeira vez, o efeito da seca sobre a diversidade das florestas tropicais no Novo Mundo foi analisado em escala continental. Os pesquisadores examinaram dados de experimentos e observações de mais de 100 gêneros de árvores, para comparar a distribuição de cada um deles, em 11 países da Amazônia e América Central.

Foto: Vandré Fonseca.
Foto: Vandré Fonseca.

Os resultados do estudo indicam que secas mais frequentes e longas, como previsto nos cenários de Aquecimento Global, podem provocar a extinção de espécies exclusivas da região. As mais vulneráveis à seca seriam substituídas ao longo do tempo por outras, mais tolerantes. As áreas úmidas, onde está a maior diversidade e árvores que precisam de mais água, seriam as mais afetadas pelas mudanças climáticas, conforme destaca Adriane.

Os pesquisadores descobriram também que as árvores adultas sofrem mais com a falta de água do que plântulas ou jovens. Adriane afirma que ainda não se sabe os efeitos dessa substituição de espécies sobre a absorção de carbono pela floresta. E ainda há outras coisas a serem estudadas.

São necessários, por exemplo, estudos sobre a fisiologia das árvores, para saber como as espécies de áreas úmidas são afetadas pela seca. Além disso, as mudanças na floresta podem ter efeitos, ainda desconhecidos, sobre a interação biótica, ou seja, pode afetar também outros grupos de seres vivos, como pássaros ou insetos.

 

Saiba Mais

Artigo:  Biogeographic distributions of neotropical trees reflect their directly measured droughttolerances. 

Leia Também

O contra-ataque do aquecimento global sobre a Amazônia

A vegetação do planeta vista do espaço

Aquecimento pode triplicar seca na Amazônia

 

Leia também

Reportagens
15 de outubro de 2015

Aquecimento pode triplicar seca na Amazônia

Modelos de computador sugerem que leste amazônico, que contém a maior parte da floresta, teria mais estiagens, incêndios e morte de árvores, enquanto o oeste ficaria mais chuvoso.

Notícias
23 de setembro de 2013

A vegetação do planeta vista do espaço

Veja as mudanças no cobertura vegetal do planeta durante o ano e entenda porque é importante monitorar o verde do planeta.

Notícias
29 de janeiro de 2013

O contra-ataque do aquecimento global sobre a Amazônia

Tempestades e secas recorrentes matam e danificam árvores, causando efeitos que podem durar anos: consequências do aquecimento global.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. paulo diz:

    Com a palavra o Ministério do Meio Ambiente.

    Quais são as providências e ações, senhores e senhoras!!!!!!!!!!!