Notícias

Projeto focado na conservação de quelônios completa 16 anos

Em sua última temporada, o projeto da Expedição Katerre soltou mais de três mil animais em praias do Rio Jauaperi, que fica na fronteira do Amazonas com Roraima

Marcos Furtado ·
27 de agosto de 2020 · 1 anos atrás
Filhote de tartaruga solta. Foto: Expedição Katerre.

Jabutis, cágados e tartarugas marinhas e de água doce vivem uma constante ameaça: o tráfico de animais silvestres. Com o objetivo de proteger essas espécies, a Expedição Katerre tem um projeto focado na manutenção da vida de quelônios no Rio Jauaperi, localizado na fronteira do Amazonas com Roraima. Neste mês, o trabalho, desenvolvido em parceria com a Associação dos Artesãos do Rio Jauaperi (AARJ), completa 16 anos.

De acordo com a expedição, milhares de animais foram soltos ao longo desse período. Apenas na última temporada do projeto, que foi de setembro de 2019 a abril deste ano, cerca de 3 mil quelônios foram soltos com segurança na natureza.

O trabalho de resgate desses animais é realizado em etapas. O primeiro passo é a fiscalização dos rios e das praias no vazante, período de baixo nível das águas, que acontece entre os meses de setembro e dezembro. Esse monitoramento ocorre, pois essas regiões são propícias para a reprodução de quatro espécies de quelônios mais comuns na bacia: Tracajá, Irapuca, Iaçá e a Tartaruga-da-amazônia.

Na sequência, os ovos são transferidos das zonas de desovas até locais fiscalizados para se desenvolverem com segurança. Após o nascimento dos filhotes, geralmente entre os meses de janeiro e março, a equipe da expedição cuida dos répteis durante um período de 30 dias até a fase de soltura, realizada em abril.

O despertar dos pequenos quelônios. Foto: Expedição Katerre.

Outro ponto importante é a mobilização com moradores das comunidades locais feita pela AARJ. Eles formam equipes de fiscais e voluntários que colaboram com a colheita dos ovos e a liberação dos filhotes em sete praias do rio.

Para que mais pessoas conheçam e entendam a sua importância, o projeto ganhou uma exposição de fotografias na Galeria Jirau, localizado no município de Novo Airão. Com entrada gratuita e apresentação permanente, o local também disponibilizará para compra o trabalho da Associação dos Artesãos do Rio Jauaperi. 

 

Leia Também 

Soltura de filhotes marca esforço para conter a extinção da Tartaruga-da-Amazônia

Pesquisa analisa os locais de desova das Tartarugas na Amazônia em praia

 

  • Marcos Furtado

    Escreveu para ((o))eco, Estadão, Folha de SP, Colabora. Ganhou o Prêmio Santander Jovem Jornalista e teve o 3º lugar em concurso do ICFJ

Leia também

Salada Verde
12 de julho de 2018

Pesquisa analisa os locais de desova das Tartarugas na Amazônia em praia

Estudo feito pelo Instituto Mamirauá monitorou três espécies de quelônios na região e descobriu quais as preferências das “mães tartarugas no momento da reprodução

Reportagens
11 de fevereiro de 2019

Soltura de filhotes marca esforço para conter a extinção da Tartaruga-da-Amazônia

((o))eco acompanha a luta pela preservação da Tartaruga-da-Amazônia, criticamente ameaçada de extinção no rio Trombetas. Comércio ilegal empurra a espécie para o desaparecimento

Análises
17 de setembro de 2021

O Brasil no coração da conservação mundial da natureza

O Congresso da IUCN anunciou a agenda de conservação da natureza para a próxima década, invocando os governos a empreender uma recuperação baseada na natureza no pós-pandemia

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta