Notícias

Peixe das nuvens ameaçado é encontrado no estado do Rio 

Pesquisadores da UFRRJ realizaram o resgate da espécie, criticamente ameaçada de extinção, no meio de uma área industrial no município de Seropédica 

Duda Menegassi ·
5 de janeiro de 2021
Em sua fase adulta, os Leptopanchax opalescens atingem o tamanho máximo de aproximadamente 3 centímetros. Imagem: Divulgação/ LEP – UFRRJ.

Habitantes de áreas úmidas temporárias, como brejos e poças, os peixes das nuvens são animais fascinantes, resilientes e muito ameaçados. Recentemente, pesquisadores tiveram mais uma prova disso ao encontrar uma espécie criticamente ameaçada de extinção de rivulídeo – o nome formal e menos poético dado aos peixes das nuvens – no meio de uma área industrial, situada no município de Seropédica, no estado do Rio de Janeiro.

O Leptopanchax opalescens foi resgatado por pesquisadores do Laboratório de Ecologia de Peixes (LEP) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). O último registro da espécie havia sido feito há mais de oito anos, na cidade do Rio de Janeiro.

A iniciativa faz parte de um projeto de monitoramento de rivulídeos feito pelo Laboratório em parceria com a empresa do ramo alimentício BRF S.A., através de um convênio com a Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica da UFRRJ (Fapur).

“O objetivo principal do monitoramento é a detecção de áreas de ocorrência de peixes da família Rivulidae no interior da unidade de Seropédica da BRF. Quando os peixes são detectados, essas áreas são georreferenciadas e demarcadas para serem protegidas de intervenções humanas. Logo após o registro dos peixes, é iniciado o processo de monitoramento da qualidade da água e do habitat, além da análise de parâmetros populacionais dos peixes. Essas informações abastecem bancos de dados de órgãos ambientais, como o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), e são a base para ações de manejo e conservação das espécies”, explica o biólogo Gustavo Henrique Soares, que integra a equipe de coletas da pesquisa.

Equipe do LEP-UFRRJ durante atividade de campo. Imagem: Divulgação/ LEP – UFRRJ.

Os principais resultados da coleta do Leptopanchax opalescens foram divulgados em artigo publicado na revista científica Zoologia, da Sociedade Brasileira de Zoologia. Além do histórico de registros de ocorrência da espécie, informações sobre o habitat, parâmetros físico-químicos da água dos brejos, também foram descritos – pela primeira vez para o L. opalescens – dados populacionais, como relação peso-comprimento, proporção sexual e tamanho.

Existem 350 espécies conhecidas de peixes das nuvens no Brasil, distribuídas por todos os biomas. Dessas, 125 aparecem na última Lista Nacional de Espécies Ameaçadas de Extinção elaborada pelo Ministério do Meio Ambiente, em 2014. Ou seja, mais de um terço de todos os rivulídeos conhecidos estão sob algum risco de extinção.

A principal ameaça para esses peixes é a perda de habitats pela ação humana. Para sobreviver aos períodos de seca, os rivulídeos passam longos períodos enterrados no fundo dos brejos, o que faz com que sua presença muitas vezes passe despercebida.

“Quando os gestores de uma empresa são informados da ocorrência de uma espécie ameaçada no interior de um empreendimento, são necessárias adequações no projeto, de modo a amortizar ou mesmo interromper o impacto. Isso faz com que uma área antes prevista para ser edificada converta-se em uma área de proteção ambiental. A recuperação de habitats degradados, um plano de manejo de longo prazo, demarcação de reserva legal e programas de educação ambiental são medidas futuras cabíveis que podem contribuir para a conservação dessa espécie”, completa o biólogo.

O município de Seropédica possui outra espécie de peixes das nuvens listada no Livro Vermelho da Flora Brasileira Ameaçada de Extinção: a Notholebias minimus, com distribuição conhecida na Floresta Nacional Mário Xavier. Em dezembro, os pesquisadores obtiveram a permissão do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) para dar início a um plano de coletas dessa espécie no local. O último registro oficial da Notholebias minimus no município ocorreu no ano de 1983.

Brejo alagado onde o Leptopanchax opalescens foi encontrado pelos pesquisadores, em Seropédica/RJ. Imagem: Divulgação/LEP-UFRRJ.

 

Leia também 

Governo publica plano de proteção para 52 espécies de peixes de nuvens

Floresta do Camboatá, onde as nuvens dão vida a um peixe

Milhões de anos pelo brejo

 

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Reportagens
19 de julho de 2005

Milhões de anos pelo brejo

Ciência corre para conhecer os peixes anuais, que só existem em alagados intermitentes. Hidrelétricas, aterros e transposição podem fazê-los sumir para sempre.

Análises
11 de agosto de 2020

Floresta do Camboatá, onde as nuvens dão vida a um peixe

Camboatá foi mantida preservada ao longo dos anos em uma região que sofreu intenso processo de urbanização, representando uma importante ilha de Mata Atlântica com mais de 100 hectares

Notícias
21 de junho de 2013

Governo publica plano de proteção para 52 espécies de peixes de nuvens

Plano protege 52 espécies de peixes conhecidos como anuais: sobrevivem em poças nos tempos chuvosos e na seca, quando a poça seca, morrem

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 5

  1. roberto salvador junior diz:

    Encontrei dessa espécie de peixe das nuvens aqui na minha cidade praia grande litoral de são Paulo capturei uns exeplares


  2. Francisco Mendes diz:

    Os caras trabalham com uma espécie criticamente ameaçada matando os bichos ….


  3. Myck diz:

    Essa espécie aí de peixe da nuvem, da família killfish eu conheço um local aqui na minha cidade que todo ano eles aparecem no entanto estão cada vez mais raros, tenho até uns exemplares em meus aquários onde tentei a reprodução dos mesmo, mas até agora sem resultados.


  4. AAI diz:

    Ih!!! Esses daí, já era!!! Alguma dúvida?


  5. Francisco Assis Néo diz:

    A permitindo uma correcao. A presença de N. minimus P. Soares foram, espécies ameaçadas de extinção foram confirmadas em visita técnica dos analistas ambientais dos ICMBio/CEPTA/Pirassununga e ICMBIO/RAN/Goiánia quando do implantação do Arco Metropolitano do Rio de Janeiro. Um grande motivo para paralisar e ajustar o andamento e a configuração da obra.