Notícias

MPF dá 10 dias para que governo comprove que dados do INPE não são confiáveis

Órgão enviou ofícios para os ministérios do Meio Ambiente e Ciência e Tecnologia e para a nova diretoria do INPE. Em julho, o presidente da República questionou publicamente a veracidade dos dados

Sabrina Rodrigues ·
26 de agosto de 2019 · 2 anos atrás
Queimada em Altamira, Pará. Foto: Victor Moriyama/Greenpeace

O procurador da República Luís Eduardo Marrocos de Araújo, coordenador do Grupo de Trabalho de Mudanças Climáticas da 4ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal, pediu para que os ministérios do Meio Ambiente (MMA) e da Ciência e Tecnologia (MCTI) esclareçam se os dados sobre desmatamento fornecidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) são confiáveis ou não. O pedido foi formalizado na sexta-feira (23). 

Em julho, após toda crise iniciada com as críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro sobre os dados do INPE, que culminou com a exoneração do diretor do Instituto, Ricardo Galvão, e com o ministério do Meio Ambiente licitando um sistema complementar de monitoramento, ((o))eco entrou com pedido de lei de acesso perguntando qual a posição oficial do MMA sobre os dados do INPE. A resposta, assinada pelo chefe de gabinete do ministro Ricardo Salles, Antônio Roque Pedreira Júnior, foi de que o ministério “não emite posição oficial acerca dos dados do INPE”. 

A pergunta do Ministério Público deverá receber uma resposta menos evasiva. Além de questionar sobre os dados do INPE, o mesmo grupo de trabalho do MP solicitou ao Ministério da Ágricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e ao Ministério de Minas e Energia (MME) informações sobre o que as pastas estão fazendo para cumprir a Lei de Política Nacional sobre Mudança do Clima de 2009; o Acordo de Paris, ratificado pelo poder executivo em 2017 e o compromisso do Brasil com as Nações Unidas sobre Mudança do Clima, assinado em setembro de 2015.

O MPF deu 10 dias para que os órgãos respondam aos questionamentos dos ofícios.

 

Leia Também

Sistema Deter corre risco de ser descontinuado, alerta Ricardo Galvão, ex-diretor do INPE

Imazon: desmatamento dispara em julho e confirma tendência de alta no ano

Pesquisadores descrevem fenômeno que escureceu SP e sua relação com as queimadas na Amazônia

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
22 de agosto de 2019

Pesquisadores descrevem fenômeno que escureceu SP e sua relação com as queimadas na Amazônia

Escurecimento do céu foi combinação de dois fenômenos de natureza distinta, dizem especialistas. Fato não minimiza gravidade do problema das queimadas

Notícias
16 de agosto de 2019

Imazon: desmatamento dispara em julho e confirma tendência de alta no ano

No acumulado do ano, houve um aumento de 15% no número desmatamento detectado, em comparação com o mesmo período do ano anterior. só em julho, foram desmatados 1.287 km²

Reportagens
16 de agosto de 2019

Sistema Deter corre risco de ser descontinuado, alerta Ricardo Galvão, ex-diretor do INPE

Declaração é feita num contexto de descredito dos dados fornecidos pelo INPE sobre desmatamento da Amazônia e testes de sistema privado pelo governo Bolsonaro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta