Notícias

Morre o entomólogo Angelo Machado, aos 85 anos

Médico, escritor, dramaturgo e a maior autoridade sobre libélulas do país, Machado deixa filhos, netos e uma legião de alunos em luto

Daniele Bragança ·
6 de abril de 2020 · 1 anos atrás
Angelo Machado. Foto: Foca Lisboa/UFMG.

Morreu nesta segunda-feira (06), vítima de um infarto, o médico, escritor, dramaturgo, entomologista e ambientalista Angelo Barbosa Monteiro Machado, professor emérito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 

Machado faleceu em Belo Horizonte, cidade em que nasceu e fincou raízes. Era viúvo, pai de 4 filhos e avô de 7 netos. Por causa das restrições da pandemia do Coronavírus, não haverá velório. 

Formação

Médico de formação, Angelo Machado se especializou em Neuroanatomia e por muito tempo se dedicou ao ensino e à pesquisa na área de neurobiologia. Por mais de 60 anos foi professor da UFMG. Até 1987 foi professor titular de Neuroanatomia, quando se aposentou. No mesmo ano fez novo concurso e virou professor adjunto de Entomologia, sua paixão da vida toda.

“Tenho uma tia, Lúcia Machado de Almeida, que foi escritora de literatura infantil. Em dois de seus livros os insetos são importantes: O escaravelho do diabo e O caso da borboleta Atíria. Um dia ela me disse, “Tem um professor chamado Newton Dias dos Santos que está dando um curso no Instituto de Educação e entende muito de libélulas. Leve suas libélulas lá que ele pode dar os nomes científicos”. Eu tinha 16 anos, fui até ele com uma caixinha com cinco libélulas e disse, “Professor, a tia Lúcia falou que o senhor poderia dar o nome dessas libélulas para mim”. Ele me olhou e falou assim, “Não vou dar nome de libélula nenhuma”. Eu me apavorei. Mas ele continuou, “Você mesmo vai achar os nomes”. E me deu o manuscrito da tese dele sobre libélulas de Lagoa Santa com a recomendação de ir para casa, estudar e descobrir sozinho. Fiz isso. No dia seguinte voltei lá, acertei alguns nomes, errei outros e ele me mostrou por que eu tinha errado. Aquilo foi decisivo. Em vez de simplesmente dar a solução, me mostrou o caminho. Aquelas libélulas eram banais. Se ele tivesse dado o que pedi eu teria apenas cinco nomes. Como não deu, mexo com libélulas até hoje”, disse Machado à revista Fapesp, em 2007

Já como pesquisador, Machado descreveu 98 espécies e 11 gêneros novos de libélulas e reuniu uma coleção de mais de 35 mil exemplares, montada ao longo de seis décadas e iniciada na adolescência. Essa coleção particular, a maior da América do Sul, foi doada em 2015 à UFMG. 

No meio tempo entre estudar, ensinar e colecionar libélulas, o entomologista escreveu 37 livros infanto-juvenis, 3 adultos e 8 peças de teatro. 

Era, acima de tudo, dedicado à ciência. Membro da Academia Brasileira de Ciências e da Academia Mineira de Letras, foi presidente do Conselho Curador da Fundação Biodiversitas e participou do grupo que que elaborou o projeto da revista Ciência Hoje das Crianças nos anos 80. 

 

Leia Também 

Aos 96 anos, morre o ambientalista Paulo Nogueira-Neto

Cadê os insetos que estavam aqui?

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Colunas
7 de dezembro de 2018

Cadê os insetos que estavam aqui?

Há uma diminuição na quantidade de insetos no mundo e o efeito desse desaparecimento pode ter implicações sobre toda a vida na Terra, da planta ao homem

Notícias
25 de fevereiro de 2019

Aos 96 anos, morre o ambientalista Paulo Nogueira-Neto

Secretário Especial do Meio Ambiente durante o período militar, Nogueira-Neto foi um dos responsáveis pelo aumento de áreas protegidas entre os anos 70 e 80

Análises
17 de setembro de 2021

O Brasil no coração da conservação mundial da natureza

O Congresso da IUCN anunciou a agenda de conservação da natureza para a próxima década, invocando os governos a empreender uma recuperação baseada na natureza no pós-pandemia

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta