Notícias

Ministério do Meio Ambiente tem menor orçamento das últimas duas décadas

O orçamento previsto de R$1,72 bilhão para todo o Ministério, Ibama e ICMBio funcionarem em 2021, traz redução de 27,4% na verba para fiscalização e combate a incêndios

Duda Menegassi ·
24 de janeiro de 2021
Governo Bolsonaro e gestão do ministro do meio ambiente, Ricardo Salles, são analisados em relatório que aponta desmonte da área ambiental. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O Ministério do Meio Ambiente terá no bolso o menor orçamento das últimas duas décadas, para lidar com desafios como o desmatamento e o fogo no ano de 2021. A previsão é de que apenas R$1,72 bilhão sejam destinados à pasta e aos seus dois órgãos ambientais (Ibama e ICMBio) para cobrir todas as despesas, inclusive as obrigatórias. Se aprovado, o ministério terá uma redução de 27,4% no orçamento para fiscalização ambiental e combate a incêndios. O Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) será analisado pelo Congresso em fevereiro.

Os dados foram levantados pelo Observatório do Clima, a partir de informações públicas, e estão disponíveis no relatório “Passando a boiada – O segundo ano de desmonte ambiental sob Jair Bolsonaro”, publicado na última sexta-feira (22). O documento analisa as ações do governo federal ao longo de 2020 na área ambiental e projeta o cenário para 2021.

Fonte: Relatório “Passando a Boiada” do Observatório do Clima. Reprodução

A análise da organização alerta para os impactos do orçamento minúsculo do Ministério – o menor desde 2000 em valores atualizados. Se considerado todo o orçamento discricionário (gastos não obrigatórios), o PLOA 2021 representa queda de 56,5% para o ICMBio e de 32,5% para o Ibama em relação aos valores autorizados em 2019.

O PLOA 2021 prevê que 88% do orçamento discricionário da administração direta do ministério seja destinado a gastos administrativos rotineiros, como aluguéis e terceirizados. Caso o cenário se confirme, sobrariam apenas R$4,6 milhões para outros gastos não obrigatórios.

Outro alerta é sobre a redução no orçamento de fiscalização e combate a incêndios florestais nas duas autarquias do ministério, Ibama e ICMBio, em desconexão aos aumentos registrados tanto no desmatamento na Amazônia, quanto dos focos de queimadas. Estão previstos R$127 milhões, uma queda é de 27,4% em relação a 2020, quando foram autorizados R$174,9 milhões para este fim, e de 34,5% em comparação à 2019, quando o orçamento foi de R$193,9 milhões.

Em específico dentro do ICMBio, o órgão responsável pelas unidades de conservação (UCs), houve um corte de 61,5% dos recursos previstos para apoio à criação, gestão e implementação de UCs em comparação ao orçamento de 2018. O relatório alerta ainda que a precarização do instituto pode ser mais um passo na intenção do ministro, Ricardo Salles, de fundí-lo com o Ibama. Em outubro de 2020, Salles criou um Grupo de Trabalho, que já vem se reunindo, para avaliar a fusão das autarquias, com prazo de 120 dias para emitir um parecer conclusivo.

“O governo Bolsonaro colocou em prática suas promessas de campanha em relação à política ambiental. O Ministério do Meio Ambiente (administração direta) se apequenou como produtor de políticas públicas e, atualmente, gere valores irrisórios que nem justificam sua própria existência. O Ibama está fragilizado e deslegitimado pela narrativa do próprio presidente da República e de outras autoridades. Além disso, há evidências de que o Instituto Chico Mendes tende a ser extinto ainda no primeiro semestre deste ano, um retrocesso que não podemos deixar ocorrer. É um projeto de destruição que está sendo concretizado”, destaca Suely Araújo, especialista sênior em Políticas Públicas Observatório do Clima e ex-presidente do Ibama.

A análise do Observatório do Clima também ressalta que 2020 foi o ano com o menor número de multas ambientais desde 2004 ( quando foi implementado novo sistema informatizado de gerenciamento de multas), com 9.516 autos de infração, o que representa uma queda de 20% em comparação a 2019, e de 35% em relação a 2018, anterior ao início da gestão de Bolsonaro.

“O relatório mostra que, nos últimos dois anos, a pauta ambiental e climática no Brasil sofreu retrocessos inimagináveis e em escala assustadora. Bolsonaro adotou a destruição do meio ambiente como política e sabotou os instrumentos de proteção dos nossos biomas, sendo responsável diretamente pelo aumento das queimadas, do desmatamento e das emissões nacionais. A situação é dramática, porque o governo federal, que é quem poderia trabalhar soluções para esse cenário, hoje é o foco do problema”, analisa Marcio Astrini, secretário executivo do Observatório do Clima.

No projeto enviado pelo governo ao Congresso, o Inpe também perde 10% do total na ação orçamentária referente a monitoramento por satélite, na comparação com o ano anterior, uma redução de R$ 3,03 milhões para R$2,73 milhões.

“Em 2021 essas duas forças – o desmonte promovido por um governo que frustra qualquer esperança de “normalização” e as barreiras institucionais a ele – serão testadas. No plano doméstico, a prova mais importante será a eleição para a presidência da Câmara, em fevereiro. Caso Jair Bolsonaro obtenha o controle da presidência daquela Casa legislativa, a enorme pauta anti ambiental represada durante a presidência de Rodrigo Maia tende a avançar. No entanto, a ameaça que o controle bolsonarista do Legislativo representa para a democracia brasileira é tão grande que subjuga todas as demais, tornando o meio ambiente mais uma preocupação neste caso”, alerta o relatório em sua projeção para 2021.

 

Leia também

Grupo formado por militares deve decidir futuro do Ibama e ICMBio

Grupo que discute fusão do Ibama com ICMBio já se reuniu seis vezes 

Estudo aponta penúria financeira das UCs federais em Minas Gerais

  • Duda Menegassi

    Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
13 de janeiro de 2021

Estudo aponta penúria financeira das UCs federais em Minas Gerais

A pesquisa revela que as 18 UCs federais em Minas Gerais sofreram uma redução de 73,63% no orçamento em 2019 em relação a 2018, no maior corte orçamentário na história do ICMBio

Salada Verde
16 de novembro de 2020

Grupo que discute fusão do Ibama com ICMBio já se reuniu seis vezes 

Instituído no início de outubro, grupo formado por militares que ocupam cargos de chefias no MMA e autarquias estão se reunindo uma vez por semana 

Notícias
2 de outubro de 2020

Grupo formado por militares deve decidir futuro do Ibama e ICMBio

Ministro do Meio Ambiente instituiu um Grupo de Trabalho com o objetivo de estudar a fusão entre os órgãos ambientais sem a presença de nenhum servidor ambiental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. AvatarReginaldo B.J. diz:

    Junta logo Ibama e ChicoBio, compartilhando área-meio (administrativo, RH, apoio jurídico, setor financeiro, etc) já otimiza e economiza a pouca verba


    1. AvatarPaulo diz:

      E na fiscalização deixa a boiada passar.


      1. AvatarEbenezer diz:

        Caro Paulo, se vc apresentasse qualquer argumento, seria possível compreender sua opinião em relação a fusão dos órgãos e sua eventual influência na eficiência da fiscalização. No entanto, vc só "lacrou", sem nem tentar debater!