Notícias

Ministério confirma intenção de ceder prédio do Museu do Meio Ambiente à iniciativa privada

Um projeto de concessão para iniciativa privada do prédio, localizado no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, está em análise junto ao Ministério do Meio Ambiente

Duda Menegassi ·
7 de dezembro de 2020
Fachada do prédio hoje ocupado pelo Museu do Meio Ambiente, no Jardim Botânico. Foto: Divulgação

As redes ficaram em polvorosa com a notícia de que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, teria o objetivo de transformar um prédio histórico dentro do Jardim Botânico do Rio de Janeiro em um hotel-boutique. A construção, datada do final do século XIX, hoje abriga o Museu do Meio Ambiente. Por meio de nota oficial, o Ministério do Meio Ambiente se pronunciou sobre o caso e esclareceu que “o projeto de concessão do espaço ainda está em fase de análise e estudos”, sem confirmar se o plano seria ou não transformar o lugar em um hotel. A justificativa para a concessão são os altos gastos de funcionamento e manutenção do do museu, que teria um custo mensal superior a 100 mil reais, de acordo com o Ministério.

“A administração do JBRJ tem buscado soluções para a gestão eficiente dos seus espaços, alguns muito onerosos e subutilizados. A participação da iniciativa privada, especialmente no corredor cultural, tem muito potencial”, descreve o comunicado oficial, publicado nesta segunda-feira. O museu ocupa uma área de 800 m² dentro do prédio, de dois andares e 1.780 m², que está localizado no interior do Jardim Botânico do Rio de Janeiro – que é quem administra atualmente o espaço. O JB possui uma média de 600 mil visitantes por ano.

A notícia de que a intenção de Ricardo Salles seria transformar o museu em hotel-boutique foi dada pelo jornalista Lauro Jardim na edição deste domingo (06) do jornal O Globo. Em resposta ao rumor, foi criado um abaixo-assinado no próprio domingo, contra a proposta do hotel-boutique, que já conta com mais de 20 mil assinaturas. O texto da campanha reforça que o atual museu é um espaço que abriga exposições, palestras e eventos relacionados à causa ambiental, assim como à pesquisa sobre a natureza. “Não podemos permitir que este espaço público seja oferecido à iniciativa privada e transformado em lazer para poucos. O Museu do Meio Ambiente é de todos e assim deve permanecer”, alerta o abaixo-assinado.

Segundo a nota oficial do Ministério, em breve será inaugurada uma reserva técnica inédita, com área adequada para organização e centralização de todo o acervo histórico do órgão. O valor da transferência não foi divulgado.

 

Leia também

Jardim Botânico do Rio de Janeiro reabrirá a partir desta quinta-feira

O triste saldo da destruição do grande museu brasileiro de história natural

Conheça o herbário virtual do Jardim Botânico do Rio de Janeiro

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
1 de outubro de 2013

Conheça o herbário virtual do Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Ferramenta abriga fotos de alta resolução e informações sobre mais de 420 mil amostras de plantas brasileiras. O acesso é gratuito

Reportagens
3 de setembro de 2018

O triste saldo da destruição do grande museu brasileiro de história natural

Perdeu-se o crânio de Luzia, a "primeira brasileira", fósseis de dinossauros, milhões de insetos e invertebrados, 700 antiguidades do Egito e muito mais

Salada Verde
7 de julho de 2020

Jardim Botânico do Rio de Janeiro reabrirá a partir desta quinta-feira

Presidente do JBRJ publica portaria em que autoriza a reabertura do espaço, com agendamento de visitas e medidas preventivas contra o novo coronavírus

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Citadao Dumundo diz:

    Evidente que o poder público deixa muito a desejar na preservação de patrimônio histórico de qualquer ordem. Daí a elitizar espaços públicos, transformando-os e hotel, vai lá uma grande distância. Creio que no futuro, assim como o australopithecus, alguns apoiadores de iniciativas oportunistas terão seus crânios exibidos em museus.


  2. Samuel diz:

    Se tivesse passado para iniciativa privada o Museu do Rio de Janeiro acho que teríamos muito de nossa história e relíquia preservando