Notícias

Justiça suspende liberação da cana no Pantanal e na Amazônia

Juíza acatou pedido do Ministério Público Federal e manteve o zoneamento da cana-de-açúcar, que não permite expansão do plantio da monocultura nos dois biomas

Daniele Bragança ·
23 de abril de 2020 · 1 anos atrás
Juíza suspendeu decreto que liberava plantio de cana-de-açúcar na Amazônia e Pantanal. Foto: Pixabay.

A Justiça Federal suspendeu a liberação do plantio de cana-de-açúcar na Amazônia e no Pantanal. A decisão foi assinada na segunda-feira (20). No início de novembro do ano passado (06/11), o presidente Jair Bolsonaro revogou o zoneamento agroecológico da cana. A medida também foi assinada pelos ministros Paulo Guedes, da Economia, e Tereza Cristina, da Agricultura.

Quatro dias depois, o biólogo Lucas Ferrante, doutorando em Ecologia no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), denunciou a medida no Ministério Público Federal, que ajuizou uma Ação Civil Pública.

Nesta semana, a primeira decisão da Justiça, em caráter liminar, ou seja, provisório, atendeu o pedido do MPF e suspendeu o efeito do decreto que liberou o plantio da monocultura nos biomas Amazônia e Pantanal. Na decisão, a magistrada Jaíza Pinto Fraxe retorna o zoneamento, até “que sejam esclarecidas as razões de ordem técnica e científica que motivaram a revogação do ZEE da cana-de-açúcar, bem como que seja cabalmente demonstrado pela União que não haverá retrocesso na proteção ambiental, nem risco de danos graves e irreversíveis”.

A União tem até 180 dias para apresentar os estudos técnicos que motivou a nova legislação.

“No laudo ela menciona os resultados do artigo da Science em específico, então é uma vitória da ciência. Nós conseguimos derrubar um retrocesso ambiental enorme”, comemora Lucas Ferrante, que provocou o MPF a entrar com uma ação com base nos estudos que ele e o pesquisador Philip Fearnside publicaram em 2018 na revista Science sobre as consequências que a liberação da cana traria para a Amazônia. O artigo ajudou a engavetar um projeto de lei que revogava o zoneamento da cana-de-açúcar e a suspender o decreto de Bolsonaro.

 

Saiba Mais

Leia a decisão na íntegra

Leia Também 

Publicação na Nature alerta sobre expansão de biocombustíveis às custas da Amazônia

Dez perguntas sobre o zoneamento da cana

Fim do zoneamento da cana-de-açúcar é crime de lesa pátria

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Análises
7 de novembro de 2019

Fim do zoneamento da cana-de-açúcar é crime de lesa pátria

Com apoio do setor sucroalcooleiro, Bolsonaro revoga decreto que impedia expansão do cultivo para os biomas Amazônia e Pantanal. Medida afetará o clima e o mercado de biocombustíveis

Notícias
11 de novembro de 2019

Dez perguntas sobre o zoneamento da cana

Entenda por que governo e indústria mentem quando dizem que instrumento era desnecessário para sustentabilidade do etanol

Notícias
26 de janeiro de 2020

Publicação na Nature alerta sobre expansão de biocombustíveis às custas da Amazônia

Suspensão do decreto que proibia cana-de-açúcar, planos de produção de óleo de palma, abertura de estradas e consórcio para instalação usinas de etanol devem ampliar desmatamento

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta