Notícias

INPE registra pela quarta vez consecutiva recorde de desmatamento na Amazônia

Os alertas de desmatamento na Amazônia registraram 1.062 km² no mês de junho, a maior marca para o período desde 2016, quando teve início o projeto Deter-B, do INPE

Bruna Martins ·
9 de julho de 2021

Junho é o quarto mês consecutivo que o desmatamento bate recorde na Amazônia, registrando 1.062 km² de floresta derrubada na Amazônia Legal em 30 dias. Tal resultado indica que o desmatamento anual pode ultrapassar de novo a marca de 10 mil km² de destruição florestal. Desde 2008 o país conseguiu manter o desmatamento anual abaixo de 10 mil km². Essa marca foi alcançada em 2019 e vem se repetindo desde então, mesmo com reforço dos militares na fiscalização da Amazônia.

Junho registrou a maior alta verificada desde a estreia do projeto Deter-B, do INPE. Falta apenas julho para acabar o ano do desmatamento, que começa em agosto de um ano e fecha em julho de outro. Os dados oficiais do desmatamento são medidos pelo Prodes, do INPE, e os dados preliminares saem no final do ano, normalmente antes do início da reunião da COP do Clima.  

Embora os dados dos alertas do Deter não sejam usados oficialmente para afirmar que o desmatamento está aumentando – o Deter auxilia as equipes do Ibama, ICMBio, PF, Secretarias Estaduais de Meio Ambiente na escolha de alvos a fiscalizar – os números apontam uma tendência, e ela é de terra arrasada. 

“Desde o início, o regime Bolsonaro sabota os órgãos de fiscalização ambiental e adota medidas para favorecer quem destrói nossas florestas. Os altos índices de desmatamento não ocorrem por acaso: são resultado de um projeto do governo. Bolsonaro é hoje o pior inimigo da Amazônia”, afirma Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, em nota divulgada para a imprensa.

Também em nota, o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia chama atenção para o fato de existem 5 mil quilômetros quadrados de vegetação desmatada desde 2019 esperando o fogo, e um efeito somado do fenômeno La Niña e o aquecimento de partes do Atlântico Tropical Norte pode criar condições mais secas para a região – o que facilita o espalhamento do fogo.

“A sinalização de que alguma ilegalidade é admitida, somada a projetos como o PL 2633, que em nome da regularização fundiária pode anistiar grilagem, tendem a estimular ainda mais desmatamento”, diz diz Paulo Moutinho, pesquisador sênior do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia).

  • Bruna Martins

    Jornalista em formação pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Leia também

Reportagens
30 de novembro de 2020

Desmatamento na Amazônia chega a 11.088 km² e é o maior em 12 anos

Cifra é quase 3 vezes superior à meta fixada pela Política Nacional de Mudança do Clima para 2020. Alta ocorre mesmo depois de 6 meses da presença do Exército no bioma

Notícias
29 de junho de 2021

Militares voltam a atuar na Amazônia, por apenas 2 meses

Bolsonaro autorizou retomada de uma nova operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) ambiental, mesmo com os baixos resultados da 1ª e 2ª GLO

Salada Verde
17 de junho de 2021

Em apenas um mês, desmatamento na Amazônia aumentou 70%

Com 1.125 km² de floresta desmatada, é a terceira vez consecutiva que a destruição no bioma bate o recorde em uma década, tendo o pior saldo para o mês de maio desde 2010

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta