Notícias

Incêndio consome 332 mil hectares no Parque Nacional do Araguaia

Unidade de conservação sofre há quase um mês com queimadas que já destruíram 332.412 hectares. Equipes de combates estão no local

Sabrina Rodrigues ·
19 de setembro de 2017 · 4 anos atrás
Nesta época do ano, ocorrem muitos incêndios, com período de seca intenso. Foto: Ibama.
Nesta época do ano, ocorrem muitos incêndios, com período de seca intenso. Foto: Ibama.

Há quase um mês, o Parque Nacional do Araguaia (TO) vem sofrendo com queimadas que já destruíram 332.412 hectares. Os incêndios se concentram na região da Mata do Mamão, mas há outros focos em alguns pontos da unidade.

O saldo dessa destruição até agora é o equivalente a duas cidades de São Paulo. No local, há presença de brigadistas da própria unidade, do IBAMA Prevfogo e da Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins.

O clima seco não ajuda. As temperaturas estão acima dos 40 graus celsius, com sensação térmica por volta de 53 °C, umidade abaixo de 25% e ventos acima de 40 km/h. Situação favorável para o aparecimento de grandes incêndios florestais.

O Parque Nacional do Araguaia está localizado no norte da Ilha do Bananal, no sudoeste de Tocantins, em pleno cerrado, e abrange os municípios de Pium e Lagoa da Confusão. Com área total de 557.714 hectares, a unidade de conservação abriga espécies da fauna como a ariranha, ameaçada de extinção em algumas regiões, onça-pintada, e tamanduá-bandeira.

Os incêndios constituem uma das principais ameaças ao parque que em 99% dos casos são provocados pela ação humana. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o município de Lagoa da Confusão está entre 10 municípios brasileiros com mais focos de incêndios acumulados neste mês e nos últimos cinco meses. Entre ontem (18) e nesta terça-feira, havia 1234 focos de incêndio no Parque Nacional.

A previsão do INPE é que o período seco se estenda até o mês de outubro.

*Com informações da Assessoria de Imprensa do ICMBio.

Leia Também

Fogo atinge 10 UCs e 113 mil hectares do Parna do Araguaia

Queimadas em Unidades de Conservação dobram no primeiro semestre de 2015

Brasil está mais inflamável, dizem estudos

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Reportagens
23 de julho de 2015

Brasil está mais inflamável, dizem estudos

Mesmo com redução na taxa de desmatamento, número de incêndios e período de fogo cresceram nas últimas décadas; cientistas culpam clima e fragmentação de florestas.

Reportagens
25 de junho de 2015

Queimadas em Unidades de Conservação dobram no primeiro semestre de 2015

 Foram identificados 10.036 focos de incêndio entre 1º de janeiro e 22 de junho de 2015, enquanto em 2014 havia 4.798, um aumento de 109,23%.

Salada Verde
31 de agosto de 2012

Fogo atinge 10 UCs e 113 mil hectares do Parna do Araguaia

De acordo com o ICMBio, em 6 unidades de conservação os incêndios atingiram nível 2, que exige esforço regional para combater as chamas.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 4

  1. George diz:

    Não é culpa do Icmbio nem dos "ruralistas". Os índios que invadiram o Parque tem completo controle sobre seu território, e ninguem entra lá sem permissão deles. Se 99% dos incêndios são provocados por gente, como diz a reportagem, a responsabilidade é dos ocupantes ilegais da área.


    1. João José diz:

      Comentário cirúrgico. Parque Nacional só no nome, na real é terra indígena e sob TOTAL controle dos mesmos.


  2. antonia diz:

    esses malditos ruralistas vao acabar com o parque e atar todos os animais em nome da ganancia demonios e esse temer maldito afrouxando todas as leis ambientais o que acabaria de vez co todas as florestas brasileiras vermes desgraados


  3. Jose Alves diz:

    Todo ano mesma coisa. Pouco e nenhum dinheiro para prevencao e fiscalizacao e uma fortuna gasta em combate. E os inumeros criadores de gado que arrendam terra dos indios? Alguem vai coibir isso? Gostaria que o ICMBIO respondesse isso.