Notícias

Incêndio causado por “golpe de seguro” atinge reserva biológica na Serra do Rio

Dois incêndios, um na Reserva Biológica das Araras e outro no Parque Nacional da Serra dos Órgãos atingiram áreas de 560 e 45 hectares. Bombeiros seguem no combate

Duda Menegassi ·
28 de julho de 2020
Incêndio na Reserva Biológica de Araras já atingiu 560 hectares. Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Um fogo criminoso que começou por causa de um “golpe do seguro” resultou em um incêndio florestal de grandes proporções que já consumiu cerca de 560 hectares dentro da Reserva Biológica das Araras, na região serrana do Rio de Janeiro. O incêndio começou na zona de amortecimento da reserva, na noite de domingo (26) depois que um homem ateou fogo ao próprio veículo para conseguir ganhar o dinheiro do seguro. As chamas saíram do controle e entraram na área protegida, onde brigadistas e bombeiros atuam no combate. Segundo atualizações do Corpo de Bombeiros, resta apenas uma frente ativa do foco, que chegou a ter quatro flancos.

De acordo com o Coronel do 15º Grupamento de Bombeiros Militar de Petrópolis, Gil Kempers, o combate deve ser concluído amanhã (29).

Um outro incêndio, também criminoso, mas ainda sem causa definida, atingiu outra unidade de conservação serrana: o Parque Nacional da Serra dos Órgãos. O fogo começou na noite de segunda-feira (27), na região do Cobiçado, em Petrópolis, no início da travessia Cobiçado x Ventania. Da zona de amortecimento, as chamas rapidamente avançaram para dentro da área protegida.

Um dos focos ainda está ativo e as equipes seguem no combate. Cerca de 45 hectares já foram atingidos pelas chamas. Segundo o Coronel do Corpo de Bombeiros, tudo indica que também foi um incêndio criminoso. A causa ainda está sendo investigada.

O combate nas duas unidades de conservação envolve um efetivo de 72 brigadistas e bombeiros, além de apoio aéreo de aeronaves para ajudar a apagar o fogo em locais de difícil acesso no topo das montanhas.

As equipes enfrentam condições desfavoráveis como alta temperatura, baixa umidade, vento forte e vegetação muito seca, o que favorece o alastramento do fogo. Além disso, o terreno acidentado dificulta o combate terrestre.

Homem é suspeito de colocar fogo no próprio carro para dar ‘golpe do seguro’. Foto: Polícia Civil/Divulgação

Suspeito é preso

Um homem de 66 anos foi preso na segunda (27). Ele é suspeito de ter posto fogo no próprio carro para receber o dinheiro do seguro. Segundo a Polícia Civil, o homem compareceu à 106ª DP, na manhã de segunda, para registrar o roubo do veículo. No depoimento, ele disse que foi assaltado e os criminosos teriam colocado fogo no carro.

A polícia suspeitou da versão e investigou as imagens de câmeras de segurança em postos de combustíveis da região. Através delas, a polícia viu imagens do homem comprando gasolina no dia anterior ao crime.

Uma perícia foi realizada no local onde o carro foi encontrado e os policiais constataram que o incêndio na Reserva Biológica de Araras teve início devido ao veículo incendiado.

Leia também

Queimadas no Pantanal aumentam 189% em relação a 2019 e batem recorde

Incêndio na Serra Fina: combates continuam do lado paulista das montanhas

Incêndio florestal que atinge a Serra Fina já queimou cerca de 500 hectares

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
21 de julho de 2020

Incêndio florestal que atinge a Serra Fina já queimou cerca de 500 hectares

Fogo começou na noite da quinta-feira (16) e está próximo a Pedra da Mina, dentro da Área de Proteção Ambiental da Serra da Mantiqueira. Incêndio ainda não foi totalmente controlado

Notícias
23 de julho de 2020

Incêndio na Serra Fina: combates continuam do lado paulista das montanhas

Segundo dados do Corpo de Bombeiros de São Paulo, o incêndio atingiu 600 hectares na Serra Fina, dentro da Área de Proteção Ambiental da Serra da Mantiqueira

Notícias
22 de julho de 2020

Queimadas no Pantanal aumentam 189% em relação a 2019 e batem recorde

Este ano já foram registrados 3.415 focos de queimada, o maior número já registrado desde 1998, quando começou o monitoramento do INPE no bioma

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Rocha diz:

    Incêndio Florestal precisa ser levado mais a sério em suas campanhas de prevenções, antes da época crítica em que a vegetação fica vulnerável por conta da estiagem do inverno. Na minha opinião é inaceitável que o ICMBIO possa fazer contratações do corpo de brigada somente neste período de 6 meses. A pauta sobre prevenção e uso do fogo deve ser diária, esses profissionais deveriam estar efetivamente atuando nas comunidades do entorno, área de amortecimento da UC, escolas, etc.