Notícias

Impactos da Samarco sobre tartarugas vão ser monitorados

Acordo foi celebrado esta semana entre a Fundação Renova e o Projeto Tamar. Estudos serão realizados durante cinco anos

Vandré Fonseca ·
20 de julho de 2017 · 4 anos atrás
Tamar irá monitorar como a lama tóxica afeta as tartarugas. Foto: Outras Palavras.
Tamar irá monitorar como a lama tóxica afeta as tartarugas. Foto: Outras Palavras.

Pescadores e moradores tradicionais vão ser mobilizados, para encontrar e acompanhar fêmeas, ninhos e filhotes de tartarugas marinhas no litoral do Espírito Santo. O contrato para o estudo foi assinado esta semana entre a Fundação Pró-Tamar e a Fundação Renova, responsável por restaurar os danos provocados pelo rompimento da barragem do Fundão.

O monitoramento vai avaliar os possíveis impactos sobre os animais provocados pela lama despejada pela Samarco no Rio Doce e orientar ações de reparação e compensação. Entre os aspectos a serem avaliados estão a reprodução e alimentação das tartarugas. “O monitoramento vai durar 5 anos, em 156 quilômetros de praias, de Aracruz a Conceição da Barra”, conta a bióloga Andréia Azevedo, diretora de Desenvolvimento Institucional da Fundação.

Os primeiros resultados devem ser apresentados dentro de seis meses. O levantamento será realizado ao longo de todo o ano, dia e noite, mas reforçado entre setembro e março, período de desova das tartarugas. A expectativa da Fundação Renova é que, além de apresentar informações sobre a conservação das tartarugas, seja fonte de emprego e renda para a população da região.

IUCN

A IUCN desempenhará o papel de estabelecer uma nova referência para a recuperação do rio, totalmente destruído pela lama. Acima, foto aérea feita em julho de 2016, sete meses após a tragédia. Foto: Felipe Werneck - Ascom/Ibama.
A IUCN desempenhará o papel de estabelecer uma nova referência para a recuperação do rio, totalmente destruído pela lama. Acima, foto aérea feita em julho de 2016, sete meses após a tragédia. Foto: Felipe Werneck – Ascom/Ibama.

A Fundação já havia anunciado no início do mês uma parceria com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, em inglês), que vai liderar o Painel Independente de Assessoramento Científico e Técnico (Istap, em inglês).  A missão do Painel é acompanhar as ações de recuperação na região do Rio Doce pelos próximos cinco anos. A presidente do WWF Internacional, Yolanda Kakabadse, será coordenadora do o trabalho.

A composição do Painel Rio Doce, a agenda, as conclusões e as recomendações do  Painel Rio Doce serão públicas e divulgadas periodicamente. Elas podem ser encontradas em uma página da internet. O Painel será formado por mais seis membros, escolhidos por meio de edital público. A atuação será dividida inicialmente em seis eixos temáticos: vida terrestre, marinha e ribeirinha; estratégia, toxicologia; impactos sobre ecossistemas, remediação dos ecossistemas; gestão de água, resíduos e rejeitos; e práticas sustentáveis.

 

Leia Também 

Lama da Samarco chega no mar e interdita praias capixabas

No rastro do desastre da Samarco, da lama ao caos

Bruno Milanez: “Auditorias apontaram 27 barragens de rejeitos sem estabilidade garantida”

 

 

Leia também

Reportagens
17 de novembro de 2015

Bruno Milanez: “Auditorias apontaram 27 barragens de rejeitos sem estabilidade garantida”

Especialista alerta para "tragédias anunciadas" e para o perigoso isolamento em que governo e mineradoras tomam decisões no setor

A lama invadiu e encobriu todos os cômodos da casa de Geraldo Nascimento, onde ele vive há 40 anos. Na parede, restou apenas um quadro.
Reportagens
24 de novembro de 2015

No rastro do desastre da Samarco, da lama ao caos

As imagens apocalípticas da descida da lama da barragem do Fundão e a perplexidade dos moradores das cidades que margeiam o Rio Doce.

Notícias
23 de novembro de 2015

Lama da Samarco chega no mar e interdita praias capixabas

Onda tóxica poluiu uma faixa de 10 km de comprimento por 40 km de largura no mar do Espírito Santo. Três praias foram interditadas para banho.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta