Notícias

ICMS Ecológico no RJ: falta de transparência ainda é gargalo, aponta pesquisa

De acordo com o levantamento conduzido pela SEAS-RJ, apenas 43 dos 92 municípios fluminenses divulga dados sobre arrecadação e aplicação dos recursos para sociedade

Duda Menegassi ·
13 de janeiro de 2021
Nova Friburgo é um dos municípios fluminenses que recebe uma fatia do ICMS Ecológico distribuído pelo governo estadual. Município é um dos que não disponibiliza dados para população sobre o programa. Foto: Marcio Isensee e Sá

O ICMS Ecológico é uma iniciativa do estado para financiar e fomentar as boas práticas na gestão ambiental municipal. O programa foi instituído no estado do Rio de Janeiro em 2007, mas ainda sofre com gargalos, sendo o principal deles a falta de transparência dos dados. De acordo com pesquisa conduzida pela Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (SEAS) do Rio de Janeiro, apenas 43 dos 92 municípios fluminenses divulgam dados sobre a arrecadação e aplicação dos recursos do ICMS Ecológico para a sociedade. Além disso, mais da metade não repassa nenhuma parte do valor para o Fundo Municipal de Meio Ambiente.

Os dados são de uma pesquisa inédita conduzida pela SEAS-RJ, que teve como objetivo avaliar a satisfação dos municípios fluminenses com o ICMS Ecológico e identificar as lacunas que ainda precisam ser trabalhadas pelo programa. A pesquisa contou com a participação de 87 dos 92 municípios do estado.

A pesquisa mostrou que 44 municípios não realizam nenhuma divulgação dos dados para a sociedade. Em setembro de 2020, a SEAS lançou o Observatório do ICMS Ecológico do Estado do Rio de Janeiro para tentar enfrentar o problema da transparência dos dados e da aplicação dos recursos do programa pelas prefeituras. Até o momento, 65 municípios já aderiram ao Observatório. Ainda assim, a maioria dos municípios não disponibiliza publicamente os dados referentes ao ICMS Ecológico ou aos valores recebidos anualmente através do programa.

O programa de ICMS Ecológico do estado do Rio de Janeiro transfere uma alíquota do imposto recolhido (2,5% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, o ICMS) aos municípios. O repasse é feito a partir dos índices obtidos por cada um deles em campos como gestão dos resíduos sólidos, coleta e tratamento de esgoto, e áreas protegidas. A pontuação em cada uma dessas áreas garante o cálculo do Índice Final de Conservação Ambiental (IFCA), que reflete no valor que será recebido pela prefeitura. Quanto melhor o índice, maior a fatia do repasse que a cidade recebe. (Lei Estadual n° 5.100/2007)

Além disso, de acordo com o levantamento, 57 municípios ainda não realizam o repasse ao Fundo Municipal de Meio Ambiente (FMMA), enquanto 33 já o fazem. A existência do fundo é um dos pré-requisitos para que o município possa se beneficiar dos recursos do ICMS Ecológico e tem como finalidade garantir o financiamento de projetos em prol da melhor gestão dos recursos ambientais e melhoria da qualidade do meio ambiente.

Em 2020, o programa repassou R$229 milhões a 88 dos 92 municípios fluminenses. Os objetivos são “ressarcir os municípios pela restrição ao uso de seu território, no caso de unidades de conservação da natureza e mananciais de abastecimento; e recompensar os municípios pelos investimentos ambientais realizados, uma vez que os benefícios são compartilhados por todos os vizinhos, como no caso do tratamento do esgoto e na gestão adequada de seus resíduos”, conforme descrito pela Secretaria.

Leia mais: ICMS Ecológico do RJ passa a premiar qualidade e eficiência na gestão ambiental

Na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, por exemplo, que abrange 22 municípios e mais de dois terços da população do estado, a pesquisa mostrou que 55% dos municípios não realizam a divulgação dos dados do ICMS Ecológico para sociedade e 59% não divulgam os valores recebidos anualmente. Além disso, apenas 22% dos municípios realizam o repasse ao fundo municipal e metade trabalha as pautas que compõem o ICMS Ecológico (gestão de resíduos, recursos hídricos, tratamento de esgoto e áreas protegidas) nas redes de ensino.

O levantamento indicou ainda que 298 pessoas trabalham com ICMS Ecológico no estado, sendo que 212 receberam a capacitação disponibilizada pelo governo estadual, uma média de 2,4 profissionais capacitados por município (dentre os 87 que participaram da pesquisa).

A avaliação sobre transparência teve a menor nota geral na pesquisa (7,17), enquanto o critério melhor avaliado foi apoio técnico dos avaliadores SEAS/INEA (8,48). Já a nota de satisfação dos municípios com a utilização do Observatório do ICMS Ecológica ficou em 6,37.

Os dados completos levantados pela pesquisa foram disponibilizados pela SEAS e podem ser consultados através deste link.

 

Leia também

ICMS Ecológico do RJ passa a premiar qualidade e eficiência na gestão ambiental

Reserva particular, patrimônio coletivo

Prefeitos recebem ICMS ecológico, mas não repassam para as áreas protegidas

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Reportagens
11 de abril de 2017

Prefeitos recebem ICMS ecológico, mas não repassam para as áreas protegidas

Estudo feito pela Associação Mineira de Defesa do Meio Ambiente afirma que as prefeituras mantêm APAs no papel, mas não investem na implementação. Foram 11 municípios investigados

Reportagens
17 de dezembro de 2020

Reserva particular, patrimônio coletivo

Estratégia fundamental para proteção dos remanescentes de Mata Atlântica, as Reservas Particulares do Patrimônio Natural e seus proprietários têm ganhado força – e voz – no estado do Rio

Reportagens
9 de novembro de 2020

ICMS Ecológico do RJ passa a premiar qualidade e eficiência na gestão ambiental

Repasses em 2021 incluirão bônus de até 10% a prefeituras que reinvestem o dinheiro do mecanismo na área ambiental e implementam planos da mata atlântica, de resíduos sólidos e de educação ambiental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta