Notícias

ICMBio publica portaria que impõe censura à produção científica de servidores

A portaria, assinada pelo presidente do ICMBio, estabelece que qualquer manuscrito, texto e compilado científico produzido pelos servidores precisará de autorização para ser publicado. Servidores denunciam censura

Duda Menegassi ·
14 de março de 2021
Servidores denunciam mais um ato de censura, dessa vez à pesquisa, no ICMBio. Foto: Duda Menegassi

Nesta sexta-feira (12), o presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) assinou uma portaria na qual estabelece que qualquer manuscrito, texto e compilado científico produzido pelos servidores precisará, a partir do dia 1º de abril, de autorização do órgão para ser publicado. A medida foi considerada como um ato de censura à produção científica dentro do instituto e foi denunciada pela Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Especialista em Meio Ambiente (Ascema Nacional), por ferir a própria função do serviço público, “que é a de informar e servir a sociedade”.

De acordo com a portaria, “as solicitações deverão ser dirigidas à Diretoria de Pesquisa, Avaliação e Monitoramento da Biodiversidade/DIBIO para autorização prévia do Diretor e devem ser acompanhadas de declaração de responsabilidade” e que “cabe à Divisão de Comunicação Social/DCOM adotar as providências para promover a divulgação para o público interno e externo do ICMBio, de acordo com sua avaliação quanto à pertinência e com o prévio conhecimento da Presidência do Instituto”.

O atual diretor da DIBIO, que ficará responsável pelas autorizações, é o Tenente Coronel da Reserva da Polícia Militar do Estado de São Paulo, Marcos Aurélio Venancio, que está no ICMBio desde abril de 2019.

Em nota, a Ascema declarou que, com a portaria, “entende que a produção científica estará sujeita à decisão política (e não técnica) sobre a conveniência ou não na divulgação de dados científicos que devem ser públicos, já que são produzidos dentro de uma instituição pública. Para além disso, a norma gera um precedente para que o mesmo ocorra em outras instituições públicas, impondo a elas esse tipo de censura em suas produções técnicas, e que fere a própria função do serviço público, que é a de informar e servir a sociedade”.

O vice-presidente da Ascema, Denis Rivas, ressaltou ao ((o))eco que “essa nova portaria deve implicar em uma censura e inibição aos trabalhos produzidos pelos servidores e no atraso na publicação dos trabalhos científicos e acadêmicos”.

A associação avalia as medidas jurídicas possíveis, já que a nova portaria contém os mesmos problemas identificados pela Ascema no Código de Ética do ICMBio, publicado em 2020, que “institui o sigilo como regra da autarquia, ferindo os princípios constitucionais da publicidade e transparência” que norteiam a atuação do serviço público e que “afronta o direito de acesso à informação e publicização de documentos ambientais assegurada aos cidadãos brasileiros”.

Até o momento, a nova regra vale apenas para servidores do ICMBio.

 

Leia também

IBAMA estende ‘Lei da Mordaça’ para redes sociais pessoais dos servidores

Presidente do ICMBio quer empregar PMs aposentados nas chefias de Unidades de Conservação

Informações sobre Ibama e ICMBio só com o Ministério do Meio Ambiente

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
13 de março de 2019

Informações sobre Ibama e ICMBio só com o Ministério do Meio Ambiente

Autarquias agora são obrigadas a encaminhar demandas da imprensa para o Ministério. Mordaça coincide com mudanças na comunicação dos órgãos subordinados

Notícias
28 de junho de 2019

Presidente do ICMBio quer empregar PMs aposentados nas chefias de Unidades de Conservação

Em comunicado em nome do presidente, diretor da Dibio solicita indicação de policiais militares inativos que possam assumir a gestão de áreas protegidas federais

Notícias
26 de maio de 2020

IBAMA estende ‘Lei da Mordaça’ para redes sociais pessoais dos servidores

Em Nota Técnica, o órgão indica que postagens contrárias ao governo e às políticas ambientais atuais feitas pelos servidores, tanto em redes abertas quanto privadas, poderão ser punidas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 6

  1. Paulo diz:

    Acordem….Icmbio.
    Não estamos em 1970. Claro que ocorrerá ações judiciais.

    Mais uma do $alle$. Pode jogar fora.


  2. MORDAÇA & DITADURA: OBS; 'eles' a Direção MMA, nada Entendem Daquilo que os Técnicos (funcionários) Produzem/Publicam,..Portanto Esta Medida Nada Mais é do que "OS LOUROS DEVEM SER DA CHEFIA, GESTÃO",..'eles ficam melindrados' Quando Algo Importante e Pertinente é Publicado e Tornado Público por Aqueles que Labutam no dia a dia e Pôem a "mão na massa" Então, Estes Funcionário é que (na Minha Opinião) tem Levar Mais Créditos, Pois São Eles que Labutam no dia a dia e Sabem de Fato 'na prática' a Veracidade do Meio.


  3. Pascoal diz:

    "declaração de responsabilidade para poder obter autorização para publicar"…
    Deviam é exigir o mesmo do presundente que declara a vontade e está acabando com o ambiente humano.


  4. AAA diz:

    Não sei porque o Denis tá reclamando. Ele mesmo não tem produção nenhuma no órgão, nem técnica, nem científica, só vive de nota da Ascema.


    1. AAI diz:

      Acho que você não entende qual o papel de uma associação, né? Não é pra defender os interesses e direitos pessoais de um servidor, no caso, mas do coletivo daquele grupo. Pessoas tem funções e atribuições diferentes em todo lugar, pesquisador faz pesquisa, o pessoal da Ascema luta pelos direitos do servidor! Simples assim.


      1. AAA diz:

        Vixe… ficou bravo! "O pessoal da Ascema luta pelos direitos do servidor!" kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk