Notícias

Governo prepara projeto de lei que regulamenta mineração em terras indígenas

Segundo secretário de mineração, Alexandre Vidigal de Oliveira, medida será enviada ao Congresso até o final deste mês

Sabrina Rodrigues ·
25 de setembro de 2019 · 2 anos atrás
O secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energia, Alexandre Vidigal de Oliveira, em evento no Rio, afirma que governo enviará projeto de lei para regulamentar mineração até o final do mês. Foto: Saulo Cruz/MME.

O governo federal deverá enviar ao Congresso, até a semana que vem, um projeto de lei para regulamentar a exploração de mineração em terras indígenas. A informação veio do secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energia (MME), Alexandre Vidigal de Oliveira, em evento sobre commodities realizado no Copacabana Palace, no Rio de Janeiro, na terça-feira (24).

Segundo Vidigal de Oliveira, ainda está sendo definido qual o critério de compensação para as tribos indígenas que tiverem seus territórios explorados. O secretário afirmou que o governo estuda fixar royalties sobre a exploração e participação nos lucros. O projeto se encontra na Casa Civil.

Indígenas não terão poder de veto

Vidigal de Oliveira defendeu a tese de que os índios querem se beneficiar das riquezas produzidas e que já se incorporaram à cultura ocidental dos homens, e que passaram a querer conforto, bem-estar, recursos tecnológicos. 

Mas caso a tribo não queira explorar — nem deixar que terceiros explorem — seus territórios, eles não terão direito a veto. 

“A Constituição não fala de veto do índio, mas que ele tem de ser ouvido”. Isso [a vontade dos índios] não é vinculativo”, afirmou o secretário de mineração.

O secretário ainda minimizou os impactos ambientais derivados da exploração mineral. “Minério de ferro, pelos padrões contemporâneos, não é tão degradante. Impacto, toda atividade tem. Hoje, o raio da mineração é pequeno. A mineração que se fazia no passado era sem compromisso”, defendeu Vidigal.

Aumenta o número de invasão de terras indígenas

No mesmo dia das declarações do secretário de mineração, Vidigal de Oliveira e do discurso do presidente Jair Bolsonaro na Assembleia Geral das Organização das Nações Unidas (ONU), o Conselho Indígena Missionário (Cimi) divulgou o relatório Violência Contra Povos Indígenas do Brasil, no qual informa o aumento não só de invasão de territórios indígenas, mas também, da violência contra seus povos.

Embora o relatório do Cimi se debruce sobre o ano de 2018, dados parciais e preliminares do Cimi indicam que até setembro de 2019, teve 153 casos de invasão em 19 estados brasileiros, isso representa mais que o dobro de todo o ano de 2018, com a ocorrência de 76 terras indígenas invadidas em 13 estados. 

Segundo relatório do Cimi, estima-se que foram instalados mais de 500 garimpos apenas na Terra Indígena (TI) Munduruku. Foto: Vinícius Mendonça/Ibama.

Sobre 2018, os dados apontam para um aumento do desmatamento ocorrido dentro de reservas indígenas: “Em 2018 ocorreram dezenas de invasões por madeireiros e garimpeiros. Nunca se desmatou tanta floresta dentro das terras indígenas como neste período. As invasões de garimpeiros também impactaram dramaticamente a vida de centenas de famílias nos estados do Pará, Rondônia e Roraima. Estima-se que foram instalados mais de 500 garimpos apenas na Terra Indígena (TI) Munduruku. Há o registro da presença de milhares de pessoas explorando ouro ilegalmente na TI Yanomami”, afirma o relatório. 

O ano de 2018, último do governo de Michel Temer, foi considerado o de pior desempenho entre os presidentes da República desde 1985, no que se refere à homologação de terra indígena, com apenas uma demarcação. A terra em questão foi a TI Baía dos Guatós, em Mato Grosso, que ainda teve sua homologação suspensa por decisão do juiz federal Leão Aparecido Alves. 

“No Brasil existem atualmente 305 povos indígenas, falando mais de 274 línguas (IBGE, 2010), habitando 1.290 terras indígenas, sendo 408 homologadas e 821 em processo de regularização e/ou reivindicadas. As terras indígenas – demarcadas ou não – em sua quase totalidade, encontram-se invadidas, depredadas e em processo de profunda devastação”, informa o documento.

O levantamento ressalta sua preocupação sobre o que está acontecendo na Amazônia. “Na região Norte há um devastador processo de invasão dos territórios, mesmo que já tenham sido demarcados ou até mesmo homologados. Em todo o país, a natureza está sendo dragada por madeireiras, mineradoras, garimpeiros, grileiros e pelo latifúndio, mas a cobiça é ainda mais explícita sobre a Amazônia, expressa em projetos de exploração indiscriminada da terra e de todos os seus bens naturais”.

Segundo o levantamento, a invasão de terras indígenas tem sido impulsionado por discursos de autoridades contrárias às demarcações dos territórios. “Os povos indígenas, ao reivindicarem a demarcação de seus territórios, tornaram-se, no decorrer dos últimos anos, alvos a serem combatidos. Os discursos de autoridades, como os do atual presidente da República, contrários à demarcação das terras indígenas no Brasil impulsionou invasões a essas áreas tradicionalmente ocupadas. A realidade do Sul do Brasil nas últimas décadas agora se reproduz, de modo ainda mais acelerado e intenso, na Amazônia”, declara o levantamento.

A não-demarcação de terras indígenas já era uma promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro que na terça-feira (24), durante discurso de abertura da  Assembleia Geral da ONU, reforçou sua posição: “Quero deixar claro: o Brasil não vai aumentar para 20% sua área já demarcada como terra indígena, como alguns chefes de Estados gostariam que acontecesse. (…) O índio não quer ser latifundiário pobre em cima de terras ricas. Especialmente das terras mais ricas do mundo. É o caso das reservas Ianomâmi e Raposa Serra do Sol. Nessas reservas, existe grande abundância de ouro, diamante, urânio, nióbio e terras raras, entre outros”, discursou o presidente.

O Cimi, por sua vez, é enfático no relatório: “é importante sublinhar que as terras indígenas – tão duramente questionadas por políticos, governantes e empresários rurais (ou do veneno, dos maquinários agrícolas, do boi, da soja e dos minérios) – não são propriedades dos indígenas e nem fazem parte do rol de áreas devolutas ou desabitadas. São bens da União, destinados ao usufruto exclusivo dos povos, conforme se explicita no Artigo 231 da Constituição Federal”.

Saiba Mais

Violência Contra Povos Indígenas do Brasil

 

Leia Também

Governo se reúne com garimpeiros e acena regularizar áreas de garimpo

MPF entra com ação para proibir mineração em Florestas Nacionais

Em reunião com governadores, Bolsonaro ataca terras indígenas

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
27 de agosto de 2019

Em reunião com governadores, Bolsonaro ataca terras indígenas

Em meio à crise ambiental, presidente defendeu explorar mineração em encontro com governantes de 9 estados da Amazônia Legal marcado para discutir queimadas

Salada Verde
23 de maio de 2019

MPF entra com ação para proibir mineração em Florestas Nacionais

Órgão pede que Justiça proíba garimpo dentro das Flonas Itaituba I e II, no município de Itaituba e Trairão, no Pará e que Agência Nacional de Mineração pare de autorizar as atividades

Notícias
17 de setembro de 2019

Governo se reúne com garimpeiros e acena regularizar áreas de garimpo

Após reunião dos garimpeiros com os ministros Onyx Lorenzoni e Ricardo Salles, em Brasília, representantes garantem que governo mudará decreto que permite queima de maquinário 

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 12

  1. Freitas diz:

    As consequências do progresso "acima de tudo e todos" são desastrosas e seguem a todo vapor. Ainda assim, temos que lidar com os lunáticos que se sentem mais evoluídos do que povos indígenas, e com essa ganância defendem o avanço da mineração e agropecuária nessas terras. São tão hipócritas que vivem estereotipando esses povos como "esquerdistas", "atrasados", "massa de manobra", mas quando aparece a possibilidade de lucrar em cima de suas terras surgem "bons samaritanos" preocupados com a situação dessas pessoas. Essa gente, assim como seu grande representante, têm suas vidas pautadas no lucro e na ganância, sem falar na imposição do falso moralismo. Entendam, reprodutores do grande boçal, o que vocês tem como modelo de vida e civilização não o é para outros. Pessoas mais inteligentes e sensíveis sabem que os benefícios da natureza não são negociáveis.


    1. Flávio diz:

      Olha, todo urbanoide conectado canhoto possui uma volúpia pela pobreza alheia. Não se emocionam com as condições precárias de sobrevivência dos indios, da mortalidade infantil, dos suicidios, da pressão de madeireiros, traficantes, garimpeiros, grileiros…., contanto que continuem afetando esta pseudo bondade assassina. Com a palavra os índios!


      1. Paulo diz:

        Esqueça Flávio. Presta atenção, vives no Brazzilll.


        1. Flávio diz:

          Infelizmente tem razão: Maia recebeu Raoni , Rede, PT, PCdoB, PSOL e se posicionaram contra, conforme previsão. Afinal, a galera ganha uma fábula mantendo os indios na pobreza e dependencia de ongs.


  2. Paulo diz:

    Bela teoria. Mas na prática desta catiguria politiqueira. Esqueça Flavio.

    Bem , sonhar é um direito.


    1. Flávio diz:

      Quem vai se preocupar com teorias, políticos e sonhos, são os índios, a menos que considere que sejam incapazes de decidir seus proprios destinos no momento em que se libertarem da militância da Teologia da Libertação do Sínodo da Amazonia, de ONGs vampiras e de oportunistas em geral. O que mais assusta a zumbilandia politicamente correta no governo Bolsonaro , é sua incrivel capacidade de desfazer esquemas e libertar grupos de oportunistas. Com a palavra, os índios…


      1. João Rambo diz:

        É lo governo quer empurrar exploração de mineração e os índios não poderão dizer que não querem e você vem falar com as palavras os índios? Vc é idiota ou o q?


        1. Flávio diz:

          Pelo nível da argumentação meu amigo, já dá para entender sua limitação,oois certamente acredita que o garimpo ilegal sem ser incomodado ocorre porque os índios não recebem…
          Agora imagina a tristeza da comunidade recebendo milhões e até bilhões em royalties da Vale e mineradoras norueguesas e alemãs, sob controle fiscal da receita Federal….
          Devem estar desesperados 😉😂😂😂😂😂


        2. Vanderlei diz:

          E vc e pilantra ganancioso, pra comecar vc nem brasileiro e os verdadeiro brasileiro sao nos que somos indio nos queremos o bem para brasil porque nosso..So que esses politicos gananciosos que so querem tirar as riquesas do nosso brasil …


          1. Flávio diz:

            Meu amigo, na hora que os indios começarem a receber royalties de mineração, exploração sustentável de recursos florestais, hidreletricas e ainda turismo e produção agropecuária, a população indigena não só aumentará como deixará de ser massa de manobra da igreja via teologia da libertação, ongs malandras e partidos oportunistas.
            Isso terá um efeito devastador junto aos vampiros da miséria indígena e traidores como Raoni et caterva serão uma triste lembrança, ppmente quando rememorarem as taxas de suicídio e os infanticidios culturais.
            Mas há quem pense o contrário, porque a pobreza e a desgraça alheia é importante para a zumbilandia politicamente correta …


  3. Flávio diz:

    Excelente iniciativa e certamente terá profundo impacto na qualidade de vida dos indigenas, ppmente os grupos que posuem taxas de suicidio superior a 3 x a nacional. A legalização terá consequencias profundas sobre atividades ilegais como trafico de animais, madeira, garimpo ilegal, biopirataris, etc, para o desespero das ongs que administram com dedicação a manutenção da pobreza e exclusão social dos indigenas. A ver.


  4. Paulo diz:

    Negócio é grana. O resto éééééééé´´e´´´resto ponto.