Notícias

França não assinará acordo com Mercosul por Brasil não respeitar a Amazônia

Declaração é da ministra francesa do Meio Ambiente, Elisabeth Borne, que não concorda com as atitudes do país frente à região e ao Acordo de Paris

Sabrina Rodrigues ·
8 de outubro de 2019 · 2 anos atrás
Crise na Amazônia gerou troca de farpas entre o presidente da França, Emmanuel Macron e Jair Bolsonaro. Foto: Frederico Mellado.

A França não vai assinar o acordo entre União Europeia e o Mercosul sobre questões agrícolas nas condições atuais. É o que afirmou nesta terça-feira (08), a ministra francesa do Meio Ambiente, Elisabeth Borne, em entrevista ao canal de notícias BFM. 

“Não podemos assinar um tratado comercial com um país que não respeita a Floresta Amazônica, que não respeita o tratado de Paris (do clima). A França não assinará o acordo do Mercosul nessas condições”, afirmou a ministra.

Foram vinte anos de negociação para que o tratado se firmasse. Em junho deste ano, ele chegou a ser anunciado com entusiasmo pelo presidente Jair Bolsonaro. No entanto, o acordo começa a ir por água abaixo, já que a imagem do Brasil no exterior tem ruído por conta do aumento do desmatamento e das queimadas na Amazônia, provocando um embate público e trocas de ofensas entre o presidente da França, Emmanuel Macron e Bolsonaro.

A  parte econômico-comercial do tratado compreende eliminação de barreiras, investimentos, reduções de tarifas e entrará em vigor quando o Parlamento Europeu e as partes legislativas do Mercosul aprovarem o acordado. 

A parte política, por sua vez, abrange pontos como meio ambiente, direitos humanos e transferência de tecnologia e terá que ser aprovada pelos 28 países que compõem a União Europeia. É aí que vem a grande dificuldade, já que outros países, como a Irlanda, têm manifestado posição contrária ao acordo. Em agosto, o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, afirmou “De maneira alguma a Irlanda votará a favor do acordo de livre comércio UE-Mercosul se o Brasil não cumprir seus compromissos ambientais”, declarou o primeiro-ministro na época.

Em setembro, foi a vez da Áustria que aprovou uma moção rejeitando a proposta de um pacto de livre comércio entre os dois blocos e citou as queimadas na Amazônia para se opor ao acordo.

Fundo Amazônia e queimadas

Em agosto deste ano, Alemanha e Noruega cancelaram os seus repasses  para projetos de conservação na floresta amazônica. A Alemanha cancelou o repasse de R$ 155 milhões e a Noruega, o equivalente a R$ 133 milhões, que iria para o Fundo Amazônia. Na época, o ministro do Clima e Meio Ambiente da Noruega, Ola Elvestuen, teria afirmado que Brasil quebrou o acordo para financiar medidas de desmatamento. 

O dinheiro cancelado fez falta no combate às queimadas que assolaram a Amazônia que começaram em agosto e que provocaram uma crise ambiental internacional colocando o Brasil no foco do mundo. Os recursos ausentes seriam aplicados na contratação de brigadistas, por exemplo. No dia 26 de agosto, a então procuradora-Geral da República, Raquel Dodge entrou com um pedido no Supremo Tribunal Federal para que parte do valor da Petrobras na Lava Jato fosse para o combate aos incêndios florestais na Amazônia. A solicitação só foi atendida em setembro, quando foi acordado que R$ 1,06 bilhão de recursos pagos pela Petrobras na operação Lava Jato iria para proteção ao Meio Ambiente.

 

 

Leia Também

“Pegue essa grana e refloreste a Alemanha, ok?”, diz Bolsonaro sobre Merkel

G20: Merkel quer discutir desmatamento da Amazônia com Bolsonaro

Noruega suspende R$ 130 milhões para o Fundo Amazônia

 

  • Sabrina Rodrigues

    Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Salada Verde
15 de agosto de 2019

Noruega suspende R$ 130 milhões para o Fundo Amazônia

Depois da Alemanha, o maior doador de recursos contra o desmatamento deixará de repassar o aporte financeiro, segundo jornal norueguês. Bolsonaro ironiza decisão

Notícias
26 de junho de 2019

G20: Merkel quer discutir desmatamento da Amazônia com Bolsonaro

Chanceler alemã afirmou nesta quarta-feira (26) que vê com “grande preocupação” as ações do presidente brasileiro. UE e Mercosul discutem um acordo de livre comércio

Notícias
14 de agosto de 2019

“Pegue essa grana e refloreste a Alemanha, ok?”, diz Bolsonaro sobre Merkel

Presidente sugere que chanceler alemã use verba que país não enviará mais ao Brasil para reflorestar no próprio país. Alemanha protege 38% de seu território

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Avatardeocy frança diz:

    Discussões hoje inúteis,pois mercados se utilizam de triangulacões para efetivar vendas.


  2. AvatarPaulo diz:

    Restou chamar a ministra.


  3. AvatarFlávio diz:

    O que abre as portas para os acordos bilaterais. A pergunta é se a França será capaz de bloquear o acordo e por quanto tempo, dispensando um mercado de 365 milhões de consumidores, sendo 200 milhões brasileiros em um momento em que a UE patina economicamente…