Notícias

Exército na Amazônia fiscaliza menos com efetivo 5 vezes maior

Número de multas e de propriedades embargadas caiu nos seis meses da operação, apesar de orçamento seis vezes maior e do “reforço” de 3.400 militares

Fakebook.eco ·
17 de novembro de 2020
Contingente da Operação Verde Brasil 2 em Mato Grosso. Foto: Bruno Batista/VPR.

Divulgado pelo Ministério da Defesa, o balanço de seis meses da “Operação Verde Brasil 2” mostra que houve redução das multas ambientais e dos embargos de áreas desmatadas na Amazônia, em relação ao mesmo período do ano passado. A queda de desempenho se dá apesar do orçamento, pelo menos, seis vezes maior e do “reforço” de 3.400 militares na região.

Desde 11 de maio, todas as ações de combate ao desmatamento no bioma são coordenadas pelo Ministério da Defesa. Em três décadas, desde a criação do Ibama, é a primeira vez que o órgão ambiental é retirado do comando de suas atribuições.

Sem detalhar os dados e sua origem, o Ministério da Defesa afirmou em nota que foi aplicado R$ 1,79 bilhão em multas ambientais nos primeiros seis meses da operação, entre 11 de maio e 11 de novembro. Em tese, o resultado inclui autos de infração dos órgãos ambientais federais (Ibama e ICMBio) e dos nove Estados da Amazônia Legal envolvidos na operação.

No mesmo período de 2019, só o Ibama aplicou R$ 2,12 bilhões em multas por infrações contra a flora na Amazônia, segundo dados disponíveis na área de consulta pública do site do instituto tabulados por Fakebook.eco. É um resultado 18% maior, com um quinto do efetivo. O Ibama tinha cerca de 750 fiscais em 2019. Segundo a Defesa, são empregados 3.400 militares e 300 agentes de outros órgãos na Verde Brasil 2.

Período: 11 de maio a 11 de novembro (6 meses)

Na nota, o Ministério da Defesa afirma que o valor das multas (R$ 1,79 bilhão) “corresponde a sete vezes o que foi investido na operação”, ignorando que apenas 3 multas do Ibama foram pagas em 2020, em razão de mudanças impostas pelo governo Bolsonaro. Ou seja, em seis meses foram gastos oficialmente pelo menos R$ 255 milhões na Verde Brasil 2. Em um ano, se o patamar for mantido, seriam R$ 510 milhões. O orçamento do Ibama para a fiscalização em 2019 foi de R$ 85 milhões, seis vezes menor (em 2020 são R$ 66 milhões, quase oito vezes menos).

Apesar do custo da operação militar, o desmatamento na Amazônia deve aumentar cerca de 30% neste ano, segundo dados de alertas do Inpe, e as queimadas no bioma aumentaram 20% até meados de novembro, na comparação com o mesmo período do ano passado (que já havia registrado recordes de desmatamento e queimadas).

O total de áreas embargadas divulgado pelo Ministério da Defesa (99 mil hectares) também representa um fracasso em relação a resultados obtidos pelo Ibama, com efetivo e custo bem menores.

Em todo o ano de 2019 o Ibama embargou 478,8 mil hectares na Amazônia. Em 2018 foram 781,8 mil.

Os 99 mil hectares, ou 990 km2, correspondem a cerca de 10% de tudo o que foi desmatado na Amazônia em 2019, segundo dados oficiais do Inpe. Considerando que quase todo o desmatamento é ilegal, a cada 10 km2 suprimidos o governo só consegue fiscalizar e impedir que 1 km2 seja usado para ocupação e produção ilegal. No entanto, se as projeções para o desmatamento em 2020 (13 mil km2) se confirmarem, o percentual embargado será ainda menor, cerca de 7,6%.

Segundo estudo da Universidade de Brasília, o Ibama – com cerca de quatro vezes menos agentes na época que o efetivo mobilizado na Verde Brasil – embargou no período 2008-2013, em média, 17,3% do desmatamento registrado anualmente pelo Inpe. Com o embargo, as áreas são identificadas no site do instituto e quem compra produtos agrícolas desses locais também comete crime ambiental.

O Ministério da Defesa foi procurado. Assim que houver resposta, este texto será atualizado.

*Publicado originalmente pelo Fakebook.eco

 

Leia Também

MMA regulamenta normas que alteram aplicação e cobrança de multas ambientais no país

Defesa suspende operação contra garimpo em terras indígenas no Pará

Governo pode usar militares na fiscalização ambiental até 2022, diz Mourão

 

Leia também

Notícias
11 de maio de 2020

Governo pode usar militares na fiscalização ambiental até 2022, diz Mourão

Coletiva sobre a Operação Verde Brasil 2 teve defesa da ocupação da Amazônia, da MP da Grilagem e do papel das Forças Armadas na fiscalização

Notícias
6 de agosto de 2020

Defesa suspende operação contra garimpo em terras indígenas no Pará

Fiscalização na Terra Indígena Munduruku, em Jacareacanga, foi suspensa “para avaliação”, justifica o Ministério da Defesa. Salles visitou a região ontem

Reportagens
11 de fevereiro de 2020

MMA regulamenta normas que alteram aplicação e cobrança de multas ambientais no país

Com a regulamentação das mudanças, Bolsonaro consolida suas promessas de campanha de “tirar o Estado do cangote de quem produz” e acabar com “indústria da multa”, defendem especialistas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. AvatarAAI diz:

    Não é só omissão! É conivência, vista grossa, intensão e imcompetência.


  2. AvatarPaulo diz:

    Simples.
    Basta boa vontade do CAR que o governo federal tem todos os dados. Repito todos os dados.

    Se não faz o serviço direito, temos duas causas; omissão ou falta de competência.

    E chega de churumelas, Sr. Mourão.


  3. AvatarCarlos Felippe diz:

    É preciso investigar se essas operações militares na Amazônia não tem sido antecipadas por vazamentos aos fazendeiros (envolvidos em queimadas e desmatamentos, ou não) e, caso positivo, de onde partem esses vazamentos.