Notícias

Engenheiros que atestaram segurança de Brumadinho são presos

Cinco mandados de prisão e de busca e apreensão foram cumpridos na manhã desta terça-feira contra engenheiros e funcionários que garantiram a segurança da Barragem que rompeu em Minas

Daniele Bragança ·
29 de janeiro de 2019 · 3 anos atrás
Rompimento da barragem em Brumadinho. Foto: WhatsApp.

Cinco mandados de prisão e de busca e apreensão foram cumpridos na manhã desta terça-feira (29) contra engenheiros e funcionários que garantiram a segurança da Barragem 1 da Mina do Feijão, em Brumadinho, MG. A barragem se rompeu na sexta-feira (25), causando até o momento a morte de 65 pessoas. De acordo com o último boletim do Corpo de Bombeiros, 279 pessoas continuam desaparecidas.

Dois dos engenheiros presos nesta manhã são da empresa alemã TÜV SUD. A empresa foi contratada pela mineradora Vale para auditar e atestar a segurança da barragem de Brumadinho. A polícia quer saber se houve fraudes ou ingerência no laudo emitido pela empresa. Os engenheiros Makoto Namba e André Jum Yassuda foram presos em São Paulo e enviados a Minas Gerais, onde ficarão presos por até 30 dias.

Em Belo Horizonte, a polícia também prendeu preventivamente três funcionários da Vale envolvidos diretamente no licenciamento da barragem. Foram detidos César Augusto Paulino Grandchamp, Ricardo de Oliveira e Rodrigo Arthur Gomes de Melo.

A ordem de prisão foi dada pela magistrada Perla Saliba Brito, da comarca de Brumadinho. As prisões temporárias têm validade de 30 dias. Segundo a juíza, a prisão temporária é importante para o andamento das investigações policiais. Ainda de acordo com a magistrada, há uma contradição entre o teor dos documentos apresentados pela mineradora e o rompimento da barragem.

“Os documentos acostados demonstram que os representados André Jum Yassuda, César Augusto Paulino Grandchamp e Makoto Namba subscreveram recentes declarações de estabilidade das barragens, informando que aludidas estruturas se adequavam às normas de segurança, o que a tragédia demonstrou não corresponder o teor desses documentos com a verdade, não sendo crível que barragens de tal monta, geridas por uma das maiores mineradoras mundiais, se rompam repentinamente, sem dar qualquer indício de vulnerabilidade”, escreveu a magistrada.

Laudos

A empresa Tüv Süd realizou duas avaliações da barragem em 2018: uma em junho e outra em setembro. O laudo de setembro atestava que o dano potencial associado era alto, mas que o risco de rompimento era baixo. O documento foi assinado por Makoto Namba e César Augusto Paulino Granchamp.

Além dos engenheiros estarem na mira da Justiça, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA) instaurou procedimento administrativo para apurar sua eventual responsabilidade dos engenheiros.

Em nota, a Vale disse que está colaborando plenamente com as autoridades. “A Vale permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas”.

 

Leia Também 

Lama de Brumadinho deve chegar ao rio São Francisco em até três semanas

Expansão de mineração em Brumadinho foi aprovada com licença simplificada

“As mineradoras em Minas fazem o que bem entendem”, diz jornalista que escreveu livro sobre Mariana

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
26 de janeiro de 2019

“As mineradoras em Minas fazem o que bem entendem”, diz jornalista que escreveu livro sobre Mariana

A jornalista Cristina Serra diz que a falta de fiscalização das barragens é proposital e tem origem nos laços entre políticos e empresários

Notícias
26 de janeiro de 2019

Expansão de mineração em Brumadinho foi aprovada com licença simplificada

Tanto o Copam quanto o Conselho Gestor do Parque Serra do Rola Moça aprovaram a continuidade e expansão das operações da mina de Córrego do Feijão no fim do ano passado

Notícias
28 de janeiro de 2019

Lama de Brumadinho deve chegar ao rio São Francisco em até três semanas

Relatório do serviço geológico afirma que rejeitos devem chegar à usina hidrelétrica de Três Marias, no rio São Francisco, entre os dias 15 e 20 de fevereiro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. George diz:

    Pegaram uns peixinhos. Agora, delação premiada e mais investigações para pegar os mandantes. Senão são só bodes expiatórios. Conheço técnicos assim. Fazem o que alguém mandou fazer.