Em reunião com governadores, Bolsonaro ataca terras indígenas

Em reunião com governadores, Bolsonaro ataca terras indígenas

Sabrina Rodrigues
terça-feira, 27 agosto 2019 21:34
Bolsonaro se reuniu na manhã desta terça-feira (27) com governadores de 9 estados da Amazônia Legal. Foto: Marcos Corrêa/PR.

Em encontro marcado para discutir desmatamento e queimadas com os nove governadores da Amazônia Legal ‒ região formada pelos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Maranhão, Pará, Roraima, Rondônia, Tocantins ‒, o presidente Jair Bolsonaro aproveitou boa parte da reunião para defender a exploração de mineração em terras indígenas e falar mal da criação dessas áreas e das unidades de conservação. 

Política adotada pelo estado brasileiro a partir da Constituição Federal de 1988, terras indígenas são áreas da união ocupadas historicamente pelas comunidades indígenas e de usufruto dessas populações. Para Bolsonaro, a demarcação dessas áreas e a criação de unidades de conservação, ato feito inclusive durante o regime militar, são imposições  estrangeiras. 

“Se eu demarcar [as terras indígenas] agora, pode ter certeza, o fogo acaba na Amazônia daqui a alguns minutos”, afirmou Jair Bolsonaro, em referência à reunião do G7, onde foi discutido as queimadas na floresta amazônica.

“A questão ambiental tem que ser conduzida com racionalidade e não com selvageria que foi conduzida dos últimos governos”, afirmou Bolsonaro. E acrescentou: “Muitas reservas tem o aspecto estratégico, que alguém programou, isso o índio não fez, [ele] não fala nossa língua, e tem 14% do território nacional. A intenção é nos inviabilizar”.

A fala foi endossada por parte dos governadores presentes, interessados em abrir as terras indígenas para a exploração. “Roraima não é a porção de terra mais rica do Brasil, é a porção de terra mais rica do mundo. E as áreas indígenas e as ONGs de todo o Brasil estão concentradas exatamente nessas áreas onde tem as nossas riquezas”, disse o governador Antônio Denarium (PSL). 

Para o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), é preciso retirar as riquezas “que estão lá”. “Não queremos tirar o indígena, não, nós queremos as riquezas que lá estão. Para tirar essas riquezas, nós podemos afetar 1%, 2% dessas áreas, não mais do que isso. Não podemos ter uma casa com um quadro na parede que vale milhões e ter os nossos filhos passando fome. E é isso que acontece nesse país”.

Já Waldez Góes (PDT), governador do Amapá, disse que não está interessado em abrir terras indígenas para a exploração, nem que vê problemas com o número de demarcações em seu estado: “Eu, enquanto governo do Amapá, não tenho nenhum problema do fato das terras indígenas hoje no Amapá, inclusive talvez tenha sido o estado que teve as suas terras indígenas primeiras demarcadas e nós não temos problema com isso. A bem da verdade, queremos criar outros mecanismos de planejamento estratégico público-privado para mobilizar as terras que estão disponíveis, pelo menos no Amapá agora não existe preocupação em querer produzir em terras indígenas ou em reservas extrativistas ou florestais”, disse.

A reunião desta terça-feira contou com a presença de 7 ministros e 9 governadores da Amazônia Legal. Foto: Marcos Corrêa/PR

O Instituto Socioambiental, organização da sociedade civil brasileira que trabalha com questão indígena, lançou nota na tarde desta terça-feira (27) condenando as falas do presidente. 

“Todos sabem – e ele também – que o desmatamento e o fogo são causados por frentes predatórias que, nesse momento, atuam livres de qualquer constrangimento por parte do seu governo e incentivados por declarações suas, como esta, e de assessores seus”, disse o Instituto Socioambiental. “A demarcação das terras indígenas e a titulação de quilombos são mandamentos da Constituição que o presidente jurou cumprir e a sua omissão deliberada constitui crime de responsabilidade”.

Para o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Bolsonaro afronta a Constituição brasileira ao atacar os povos indígenas. “O Artigo 20 da Constituição Brasileira estabelece que as terras indígenas são Bens do Estado brasileiro. Frente a isso, as acusações, públicas e recorrentes, do presidente da República de que a demarcação de terras indígenas atentaria contra o interesse e a soberania nacional são conscientemente falsas, injustas e potencializam o preconceito, o racismo e o sentimento de ódio contra os povos indígenas, cidadãos brasileiros historicamente vilipendiados e violentados em nosso país”, escreveram, em nota.

 

Leia Também

Dispara desmatamento em Terras Indígenas no Sul da Amazônia

No Amazonas, pedidos para mineração em terras indígenas estão suspensos

Em Bonn, indígenas pedem boicote a commodities brasileiras

 

 

4 comentários em “Em reunião com governadores, Bolsonaro ataca terras indígenas”

  1. Com a brilhante performance de Raoni na Europa declarando que precisam de ajuda para retirar Bolsonaro do poder e as denuncias de venda de terras indigenas para estrangeiros há alguns anos e as atuais denuncias de arrendamento ilegal, o modelo deve mesmo ser discutido o que significa inclusive a autodeterminação de muitos grupos indigenas, hoje refens da ditadura do subdesenvoleiemnto politicamente correto.
    Com as ONGs na berlinda, a discussão pode avançar e indigenas deixarem de ser tratados como massa de manobra e reféns de politicas autoritárias.

  2. parabéns presidente porque os índios vendem tudo que tem mas reservas, e agora estes fila da ppp ainda quer defender eles certamente eles faz parte dos rombos que temos de diamantes e todas as riquezas que são tirada de dentro das reservas indiginas, tem que mostra para este povo que o brasil tem homem de coragem para defender o nosso pais,,,,,

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.