Notícias

Como ocorre a caça de peixe-boi-amazônico na região do Médio Solimões

Em dois anos, pesquisadores do Instituto Mamirauá observaram a ocorrência de 95 eventos de caça ilegal nas reservas de desenvolvimento sustentável Mamirauá e Amanã

Sabrina Rodrigues ·
20 de agosto de 2019 · 2 anos atrás
O peixe-boi-amazônico (Trichechus inunguis) é uma espécie de mamífero aquático que ocorre apenas na bacia amazônica e pode pesar até 450 quilos. Foto: Sônia Vill.

De janeiro de 2017 a abril de 2019, ocorreram 95 eventos de caça de peixe-boi nas Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Mamirauá e Amanã (AM). Os dados constam no estudo Mortalidade por efeito Antrópico do Peixe-boi-amazônico (Trichechus inunguis) na região do Médio Solimões do Instituto Mamirauá. Os resultados foram divulgados em pesquisa apresentada no 16º Simpósio sobre Conservação e Manejo Participativo na Amazônia (Simcon), realizada em julho deste ano.

O número foi obtido a partir de conversas informais com os próprios pescadores e por relatos de Agentes Ambientais Voluntários (AAVs) que atuam nas duas unidades de conservação. As pesquisadoras também obtêm informações de como se dão os eventos de caça, os locais onde ocorrem com maior frequência, e se os produtos são comercializados ou não. 

O peixe-boi-amazônico (Trichechus inunguis) é uma espécie de mamífero aquático que ocorre apenas na bacia amazônica e pode pesar até 450 quilos. Atualmente, o Trichechus inunguis está classificado como Vulnerável à extinção na lista da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês). 

A reportagem de ((o))eco conversou com a pesquisadora Hilda Chávez, que coleta dados sobre caça do peixe-boi na região desde 2017.

*

((o))eco- Quais as localidades que especificamente foi observado maior incidência de caça ao peixe-boi?

Por questões éticas e pela continuidade do trabalho, não é possível especificar as localidades (comunidades) com maiores eventos de caça. Podemos declarar que dentro da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (RDSA), os setores Paranã do Amanã e Lago Amanã tiveram maior registro de eventualidades de caça do peixe-boi amazônico de abril de 2017 até junho de 2019. 

Como acontece a caça nessas regiões, como ela é feita?

A caça do peixe-boi é feita tradicionalmente com arpão, técnica utilizada por pescadores profissionais, que adquirem o conhecimento de geração em geração. A caça consiste em arpoar o animal, acompanhar ele até cansá-lo, e colocar tornos (pedaços de madeira adaptados) nas narinas para afogá-lo, e consecutivamente transportar o animal para “tratá-lo”. Tem sido declarado também o uso de redes de pesca conhecidas como “malhadeiras” na migração temporal dos peixes-boi dentro da RDSA. 

Pesquisadora Hilda Chávez. Foto: João Alkmin.

O peixe-boi caçado é comercializado?

Dentro da RDSA, a captura intencional do peixe-boi é para consumo dentro das comunidades, já que é uma fonte de proteína muito apreciada pelas populações tradicionais. O comércio existe, mas é considerado como de baixa escala. Há também registros de venda de produtos derivados do peixe-boi amazônico nas cidades de Tefé e Coari, no estado do Amazonas. 

Como foi feita a pesquisa? Quantas pessoas envolvidas?

A pesquisa se encontra em andamento e é feita por meio de conversas informais e registros declarados ao Agentes Ambientais Voluntários (AAVs, comunitários envolvidos na preservação de recursos naturais nas suas localidades). Membros do Grupo de Pesquisas em Mamíferos Aquáticos Amazônicos (GPMAA) envolvidos nesta pesquisa: Antônio Pinto (assistente de campo), Hilda Chávez (pesquisadora), e Miriam Marmontel (Pesquisadora, Líder do GPMAA). 

Durante esses dois anos de pesquisa, observou-se que houve, em algum momento, a diminuição da caça do peixe-boi amazônico?

Não, infelizmente se observou um incremento nos eventos declarados, mas esta tendência pode ser reflexo do aumento de confiança dos comunitários nos pesquisadores. Além disso, é muito importante tomar em consideração que a pesquisa é prematura e os dados são limitados para afirmar uma tendência clara. 

Quais os trabalhos que podem ou que estão sendo feitos para diminuir a caça do peixe-boi na região do Médio Solimões?

Estudos etnobiológicos, atividades de educação para conservação e o programa de AAVs têm sido implementadas para troca de conhecimentos, educação e sensibilização em prol da conservação das sereias amazônicas. Ao mesmo tempo, a inclusão comunitária em atividades de reabilitação e monitoramento do peixe-boi amazônico contribuem na autorreflexão das consequências da perda da biodiversidade amazônica. Infelizmente, a falta de recursos financeiros tem limitado a execução destes esforços de preservação. 

*

Saiba Mais

Livro de Resumos –Mortalidade por efeito Antrópico do Peixe-boi-amazônico (Trichechus inunguis) na região do Médio Solimões 

Foto: Sônia Vill.
Foto: João Alkmin.
Foto: Sônia Vill.
Foto: João Alkmin.
Foto: Sônia Vill.
Foto: Sônia Vill.
  • Sabrina Rodrigues

    Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
11 de maio de 2021

Servidor que relatou ineficiência no Ibama denuncia ameaças feitas por assessor de Salles

Hugo Ferreira foi impedido de copiar documentos do computador onde trabalhava e sofreu ameaças após escrever um relatório para o TCU. Servidor denunciou o ato à corregedoria do Ibama

Salada Verde
11 de maio de 2021

Ministério revela dia e local de operação de fiscalização na Amazônia

Publicação assinada pelo ministro Ricardo Salles autoriza transferência temporária de gabinetes e revela datas e locais de operação conjunta com a Força Nacional

Notícias
10 de maio de 2021

Organizações são contra a votação da lei geral do licenciamento, chamada de ‘boiada das boiadas”

Ascema, ONGs ambientalistas e nove ex-ministros do Meio Ambiente publicaram cartas em repúdio à votação do projeto de lei do licenciamento, que sequer foi tema de audiência pública

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta