Começou a temporada de queimadas. Na Sibéria

Observatório do Clima
terça-feira, 23 junho 2020 17:54
Focos de calor no hemisfério Norte em 21 de junho. Imagem: Copernicus.

Mais um verão no hemisfério Norte chegou e, com ele, um fenômeno cada vez mais previsível e mais extremo: os incêndios florestais ao norte do Círculo Polar Ártico. No dia 21 de junho, os satélites do sistema de monitoramento europeu Copernicus indicavam que a região do hemisfério Norte com mais focos de queimada era o extremo nordeste da Rússia, que os jogadores de War conhecem como “Vladivostok”.

Uma onda de calor se abate sobre o Ártico. Segundo a Organização Meteorológica Mundial, o inverno e a primavera siberianos viram temperaturas até 10o C maiores que a média histórica. No domingo, o jornal The Washington Post informou que a cidade russa de Verkhoyansk registrou cariocas 38oC no sábado. De acordo com o jornal, é a temperatura mais alta já medida a norte do círculo polar – os registros ali começaram a ser feitos em 1885.

Segundo o Copernicus, a atividade de fogo no nordeste siberiano é semelhante à verificada no ano passado, quando todo o Ártico registrou uma das piores temporadas de queimadas.

O ano de 2020 caminha para ser o segundo mais quente da história, atrás apenas de 2016. Diferentemente de 2016, porém, não há um El Niño (o aquecimento cíclico das águas do Pacífico) ajudando a jogar os termômetros para cima. O mês de maio foi o maio mais quente já medido no mundo desde 1880, quando os registros começaram, e a América do Sul, a Ásia e a Europa tiveram o período de janeiro a maio mais quente de sua história.

O Ártico aquece mais do que duas vezes mais depressa que o resto do mundo. Isso se deve a um fenômeno conhecido como “amplificação ártica”, apelidado de “espiral da morte” pelos cientistas do Centro Nacional de Dados de Gelo e Neve dos EUA: o calor aumenta o derretimento da neve e do gelo marinho, que assim deixam de rebater a radiação solar de volta para o espaço, e a radiação adicional absorvida pelo mar e pela terra esquentam ainda mais a região.

Alguns pesquisadores têm postulado que o derretimento da neve permanente siberiana também contribui com o aumento das ondas de calor e dos incêndios florestais. Isso porque o degelo diminui a diferença de temperatura entre o Ártico e as latitudes mais baixas, bagunçando o regime de ventos e enfraquecendo a chamada corrente de jato, uma barreira de ar que controla a meteorologia no hemisfério Norte. Com a corrente de jato alterada, ondas de calor na primavera e no verão e escapes de ar frio do Ártico para a Europa e os EUA no inverno ficam mais frequentes.

 

logo Republicado do Observatório do Clima através de parceria de conteúdo.

 

 

Leia Também 

Incêndios devastam Sibéria em nova onda de calor no hemisfério Norte

Obama e Trudeau juram proteger clima, mas abrem porta a óleo no Ártico

Ártico é ralo global de lixo plástico, dizem cientistas alemães

 

1 comentário em “Começou a temporada de queimadas. Na Sibéria”

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.